Fórmula 1

Vira o disco e toca o mesmo? O que esperar do GP da Áustria?

Depois de oito provas onde houve oito vitórias da Mercedes, a expectativa à chegada do GP da Áustria é grande. Será que é desta que se quebra a hegemonia?

Monótono, enfadonho e até aborrecido não são adjetivos que estamos habituados a ver associados ao Campeonato do Mundo de Fórmula 1. No entanto, são exatamente os escolhidos por muitos fãs da modalidade para descrever o começo desta temporada e as oito (!) vitórias consecutivas da Mercedes (seis delas dobradinha).

Face à hegemonia alcançada pela Mercedes nas primeiras oito provas do ano, a questão que se coloca à chegada do GP da Áustria é a mesma de sempre: será desta que alguém consegue bater os Mercedes? É que depois de se ter mostrado em melhor forma no Canadá, a Ferrari foi a França mostrar que as melhorias foram “sol de pouco dura”.

Já a Red Bull (que praticamente corre em casa) também não tem parecido ser capaz de sequer se aproximar da Ferrari, contando apenas com dois pódios, ambos um 3º lugar de Verstappen, desde que a temporada começou e com o piloto holandês a pedir à Honda que ofereça um pouco mais de potência para se aproximar das equipas da frente.

VÊ TAMBÉM: Carros de corrida com matrículas. O confronto em circuito

O Circuito Red Bull Ring

Já foi Österreichring, A1-Ring e hoje é Red Bull Ring. Com a primeira designação recebeu a Fórmula 1 entre 1970 e 1987. A segunda surgiu com uma remodelação custeada pela empresa de telecomunicações A1 e com esse nome acolheu o GP da Áustria entre 1997 e 2003.

A Fórmula 1 só regressaria a este circuito em 2014, já depois de uma nova mudança de dono (e de nome). No novo formato conta com 4,318 km de comprimento e apenas 10 curvas (é o circuito do campeonato com menos curva).

VÊ TAMBÉM: Comissão Europeia. Estradas portuguesas são das melhores da UE

Desde o regresso da Fórmula 1 ao circuito, o piloto mais bem sucedido é Nico Rosberg (com duas vitórias). Já entre as equipas, a Mercedes é aquela que mais vezes ali venceu (quatro vezes). Curiosamente, a última vez que a Mercedes não pontuou numa prova foi exatamente há um ano no circuito austríaco.

De notar ainda que nos últimos quatro anos houve sempre vencedores distintos no GP da Áustria. Assim, caso Verstappen, Bottas ou Hamilton não vençam no domingo, haverá cinco vencedores diferentes nas últimas cinco provas.

VÊ TAMBÉM: Como é que o Nürburgring passou a ser conhecido por “inferno verde”?

O que esperar do GP da Áustria?

Com a primeira sessão de treinos já disputada, a Mercedes viu Lewis Hamilton alcançar o tempo mais rápido. Para alegria dos homens de Maranello, Vettel conseguiu intrometer-se entre os Mercedes e alcançou o segundo melhor tempo à frente de Bottas.

Assim, e face ao que tem acontecido ao longo da temporada, o mais provável é que a Mercedes e a Ferrari disputem a vitória enquanto a Red Bull aguarda (a alguma distância) por qualquer deslize das duas equipas.

VÊ TAMBÉM: Jacky Ickx. O homem que acabou com as «correrias» em Le Mans

No pelotão a McLaren optou por trocar a unidade motriz usada por Carlos Sainz e isso vai obrigar o espanhol a partir do último lugar da grelha (isto porque já na Austrália este tinha sido obrigado a mexer nas peças do motor). Já na Haas pondera-se começar a…trabalhar na próxima época!

Será ainda interessante ver como é que Ricciardo vai reagir na Áustria depois de ter visto duas penalizações “roubarem-lhe” um lugar pontuável na França e até que ponto Pierre Gasly vai conseguir lidar com os rumores que apontam que a Red Bull poderá estar à procura do seu…sucessor.

VÊ TAMBÉM: A minha primeira vez no Estoril (e logo ao volante de um Renault Mégane R.S. Trophy)

Já no final do pelotão a “luta” deverá manter-se entre a Toro Rosso, Alfa Romeo e Williams. O GP da Áustria tem começo marcado para as 14h10 (hora de Portugal continental) de domingo, sendo que para amanhã à tarde, a partir das 14h00 (hora de Portugal continental) está marcada a qualificação.

Sabes responder a esta?
Qual era a potência do Lotus Omega?
Não acertaste.

Mas podes descobrir a resposta aqui:

Lotus Omega (1990). A berlina que comia BMW’s ao pequeno-almoço

Mais artigos em Notícias

Os mais vistos