Fórmula 1

Em terras gaulesas manda a Mercedes? O que esperar do GP de França?

Depois de um GP do Canadá repleto de controvérsia, a Fórmula 1 viaja regressa à Europa para o GP de França. O que esperar da prova gaulesa?

Para a oitava prova do calendário, a Fórmula 1 regressou ao “Velho Continente” e a grande questão que atravessa a mente de todos os fãs da modalidade é muito simples: será que no GP de França vamos conhecer outro vencedor que não um Mercedes?

Se é verdade que o domínio da marca alemã parece mais ameaçado que nunca (no Canadá se não fosse a polémica penalização de 5 segundos, Vettel teria averbado a primeira vitória do ano para a Ferrari), não deixa também de ser verdade que em todas as sete provas até agora disputadas, só por uma vez a Mercedes não colocou os dois carros no pódio.

É no meio deste cenário de (tímida) recuperação da Ferrari e de tentativa da manutenção do domínio por parte da Mercedes, que a Fórmula 1 chega a França, num Grande Prémio disputado num circuito que no ano passado viu dois dos principais candidatos à vitória chocarem na primeira volta e ficarem, irremediavelmente para trás.

VÊ TAMBÉM: Do Estoril ao Mónaco num McLaren Senna. Melhor viagem de sempre?

O Circuito Paul Ricard

Próximo de Marselha, o Circuito Paul Ricard recebeu a Fórmula 1 pela primeira vez no já longínquo ano de 1971. Palco do GP de França por 16 vezes (do total de 60 edições que se disputaram em sete pistas distintas), este circuito voltou ao calendário no ano passado, depois de uma ausência que teve início em 1990.

Estendendo-se ao longo de 5,842 km, o circuito francês tem na longa reta Mistral um dos seus maiores “chamarizes”, no entanto, as 15 curvas prometem trazer alguns desafios aos pilotos (como aconteceu a Vettel e Bottas no ano passado, que numa delas colidiram). Outro dos fatores diferenciadores deste circuito são as hipnotizantes riscas pintadas nas escapatórias.

Em relação aos pilotos mais bem sucedidos no Circuito de Paul Ricard, o gaulês Alain Prost é o recordista, com um total de quatro vitórias, já quanto às equipas que mais vezes ali venceram a McLaren e a Williams partilham o primeiro lugar com três vitórias cada uma. Do atual pelotão, o único piloto que já ali venceu é Lewis Hamilton.

O que esperar do GP de França?

Numa prova para a qual tanto a Red Bull como a Ferrari já anunciaram a estreia de evoluções (a Red Bull leva a segunda atualização do motor, já a Ferrari não especifica quais as “pequenas evoluções” que aplicou ao SF90), o mais provável é que estas duas equipas se batam com a Mercedes pela vitória.

VÊ TAMBÉM: Como é que o Nürburgring passou a ser conhecido por “inferno verde”?

Já no pelotão, a Renault deu mostras de melhorias no Canadá e pode ser que em casa demonstre um andamento mais condigno com as ambições da marca, sendo que em Paul Ricard equipas como a McLaren, a Haas e a Racing Point podem também ter uma palavra a dizer.

Já no final do pelotão a “luta” deverá manter-se entre a Toro Rosso, Alfa Romeo e Williams. O GP de França tem começo marcado para as 14h10 (hora de Portugal continental) de domingo, sendo que para amanhã à tarde, a partir das 14h00 (hora de Portugal continental) está marcada a qualificação.

Sabes responder a esta?
Qual era a potência do McLaren F1 HDF?
Não acertaste.

Mas podes descobrir a resposta aqui:

McLaren F1 “LM Specification” HDF. Um hino à performance

Mais artigos em Notícias

Os mais vistos