Chega em Julho

Primeiro teste ao novo Renault Mégane Grand Coupé 1.6 dCi

No total foram mais de 1 000 km ao volante do Renault Mégane Grand Coupé 1.6 dCi. Preço, lista de equipamento, motores disponíveis e muito mais neste artigo.

Tivemos de esperar mais de um ano pela chegada do Renault Mégane Grand Coupé ao mercado nacional — um modelo que foi apresentado no já longínquo ano de 2016. Uma chegada tardia mas… será que valeu a pena esperar?

A resposta a esta e a outras perguntas está nas próximas linhas e no nosso recém-lançado canal de YouTube. Se ainda não subscreveste,vale a pena.

De Lisboa a Tróia, passando por Grândola, Évora e finalmente pela «Estrada dos Ingleses», entre Vendas Novas e Canha, onde recebi a companhia do nosso produtor Filipe Abreu e de um grande amigo (muito grande mesmo como vais ver no vídeo…) para a sessão de filmagens.

Se a estrada parece-te familiar, não estranhes. Se já nos acompanhas também no YouTube sabes que foi naquelas curvas que não dei descanso aos 510 cv de potência do Alfa Romeo Giulia Quadrifoglio. Ah… que saudades!

A nova secção traseira está bem conseguida.

Quais as novidades do Renault Mégane Grand Coupé?

Face às restantes variantes da gama Renault Mégane não há novidades nenhumas até chegarmos à traseira. Graças ao terceiro volume — muito bem desenhado na minha opinião — este Renault Mégane Grand Coupé oferece mais capacidade de mala inclusivamente que a versão carrinha.

Graças ao aumento de dimensões (mais 27,3 cm que a versão hatchback), a mala oferece 550 litros de capacidade, contra 166 litros do hatchback e mais 29 litros que a carrinha!

Em termos de espaço para as pernas, podemos contar com uns desafogados 851 mm de espaço para arrumar as pernas. Já para “arrumar” a cabeça a conversa é diferente. Como podes ver no vídeo, dispomos de menos espaço para a cabeça comparativamente com as restantes carroçarias da gama Renault Mégane. Ainda assim não é problemático. A menos que tenham mais de 1,90 m de altura…

O terceiro volume, responsável pela capacidade de mala acrescida.

Além do espaço para as pernas, também fiquei agradado com o desenho dos bancos que acomodam com bastante conforto dois adultos. Se quiserem arrumar 3 adultos coloquem o mais pequeno ao centro.

A NÃO PERDER: TESTADO. Tudo o que precisas saber sobre o novo Dacia Duster

Dos bancos traseiros para a frente não há novidade nenhuma face ao nosso «velho conhecido» Renault Mégane. Bons materiais, construção em bom plano e uma lista de equipamento consideravelmente extensa.

Renault Mégane Grand Coupé.
Nos lugares da frente não há qualquer diferença.

Preços da gama Renault Mégane Grand Coupé

Há dois níveis de equipamento (Limited e Executive) e três motorizações disponível: 1.2 TCe (130 cv), 15 dCi (110 cv) e 1.6 dCi (130 cv). Quanto à caixa de dupla embraiagem, apenas está disponível com o motor 1.5 dCi.

1.2 TCe Limited 24 230 euros
Executive 27 230 euros
1.5 dCi Limited 27 330 euros
Executive 30 330 euros
Executive EDC 31 830 euros
1.6 dCi Executive 32 430 euros

Como podes ver, entre o nível de equipamento Limited e o nível de equipamento Executive distam 3 000 euros.

Vale a pena pagar mais 3 000 euros pelo nível Executive? Sinceramente acho que vale.

Digo isto apesar do nível de equipamento Limited já ser bastante satisfatório: ar-condicionado automático bi-zona; cartão mãos-livres; sistema de infotainment  R-Link 2 com ecrã de 7 polegadas; volante em couro; jantes de liga leve 16 polegadas; sensores de luz e chuva; vidros traseiros escurecidos; entre outros.

Mas por mais 3 000 euros o nível Executive adiciona itens que elevam o bem estar a bordo para outro nível: teto de abrir panorâmico; leitura de sinais de trânsito; travão de mão elétrico; faróis Full LED; jantes de 18 polegadas; sistema de infotainment R-Link 2 com um ecrã de 8,7 polegadas; sistema Renault Multi-Sense; sistema de ajuda ao estacionamento e câmara traseira; bancos couro/tecido; entre outros.

Renault Mégane Grand Coupé 2018
Os bancos dianteiros oferecem um bom compromisso entre conforto e apoio.

A grande ausência da lista de equipamento de série acaba por ser o sistema de travagem automática (pack safety 680 euros). Quanto ao sistema de manutenção na faixa de rodagem, esse nem sequer existe. É nestes pequenos detalhes que se começa a notar a idade desta geração do Renault Mégane.

E quanto ao motor?

Testei a versão mais equipada e mais potente da gama Diesel, ou seja, o Renault Mégane Grand Coupé 1.6 dCi Executive. Naturalmente, o motor 1.6 dCi de 130 cv está num nível de suavidade e resposta acima do 1.5 dCi de 110 cv.

Renault Mégane Grand Coupé 2018
O logótipo da Renault em grande destaque.

Mas daquilo que conheço da gama Mégane, o 1.5 dCi é suficientemente competente e custa menos — pausa para ir buscar a calculadora…— exatamente 2 100 euros. Um valor substancial ao qual devemos somar consumos ligeiramente mais comedidos no 1.5 dCi.

Serve no Mercedes-Benz Classe A, porque não serviria neste Renault Mégane? De resto, as diferenças entre os dois motores não são consideráveis.

RELACIONADO: Mercedes-Benz e Renault. As 6 diferenças do motor 1.5 Diesel partilhado

Dinamicamente falando

Em termos dinâmicos o Renault Mégane Grand Coupé não é muito diferente dos restantes modelos da gama. Não entusiasma mas também não compromete — esquecendo as versões GT e RS. O comportamento é previsível e todo o conjunto obedece com rigor às nossas solicitações.

Renault Mégane Grand Coupé 2018
O sistema multi-sense é útil mas não é o item que justifica a opção pelo nível de equipamento mais elevado.

Quando o ritmo sobe, os 27,4 cm de comprimento adicionais desta versão Grand Coupé sentem-se. Principalmente nas transferências de massa, mas nada de extraordinário. A tónica deste modelo foi colocada no conforto.

Tendo de optar entre o conforto e a dinâmica mais acutilante, a Renault fez bem em optar pela primeira.

Renault Mégane Grand Coupé
No final do vídeo há uma surpresa. Queres vê-la no nosso YouTube?

Primeiras impressões

7 / 10
O melhor elogio que posso tecer ao Renault Mégane Grand Coupé é que depois de o ter conduzido fiquei com sensação que o Talisman tem um adversário em casa. O preço é ajustado face ao que oferece e só não consegue «nota 8» porque o comportamento dinâmico não é fabuloso e os sistemas de segurança ativa já acusam o peso da idade. De resto, é um produto bem conseguido que tem tudo para vingar tanto no mercado dos particulares como no mercado frotista.

  • Conforto

  • Espaço para as pernas;

  • Relação preço/equipamento;

  • Capacidade da mala;

  • Motor silencioso.

  • Espaço para a cabeça nos lugares traseiro;

  • Comando da caixa;

  • Ausência de travagem automática de série;

  • Comportamento dinâmico apenas suficiente.

Preço

32.430

Data de comercialização: Julho 2018


Mais artigos em Testes, Primeiro Contacto

Os mais vistos