Apresentação

Ford Fiesta ST. O novo rei dos hot hatch compactos?

Previsto ainda para este ano, o novo Ford Fiesta ST estreia um três cilindros com 200 cv, e promete argumentos técnicos e tecnológicos para o colocar no topo da sua classe.

É o Fiesta mais desejado e antecipado. O Ford Fiesta ST foi dado a conhecer o ano passado e a sua chegada está (finalmente) para breve.

É a própria Ford que acaba por fazer crescer água na boca dos potenciais interessados, já que, além de um visual a condizer, o utilitário “vitaminado” contará com uma série de tecnologias incomuns neste segmento e estreando outras.

Entre os argumentos desvendados, a marca da oval destaca, em opção, um diferencial mecânico de deslizamento limitado Quaife, capaz de garantir ao pequeno tração dianteira, maior aderência, precisão e eficácia nas curvas.

Ford Fiesta ST 3p 2018

Eixo traseiro com novidades

Não, o Fiesta ST não ganhou suspensão traseira independente. Mas como melhorar a dinâmica de um modelo que já era considerado uma das referências do segmento?

A Ford focou-se no eixo de torção para garantir maior estabilidade, agilidade e reatividade. Este passou a ser o mais rígido alguma vez a ter equipado um Ford, mas são as molas que ganham enorme destaque, patenteadas pela própria Ford.

O Ford Fiesta será o primeiro hot hatch que recorrerá a molas não uniformes e não intercambiáveis capazes de aplicar forças vetoriais à suspensão traseira, permitindo que as forças geradas em curva sejam direcionadas diretamente à mola, incrementando, assim, a rigidez lateral.

Fod Fiesta ST 5p 2018

Segundo a marca, esta solução permite poupar cerca de 10 kg relativamente a outras, como a ligação de Watts (presente, por exemplo, no Opel Astra), que obtém o mesmo efeito. Mas as vantagens não acabam aqui: é compatível com o recurso a amortecedores tradicionais; não compromete o conforto, condução ou refinamento (os sinoblocos podem ser mais suaves); e a maior rigidez verificada atrás beneficia a ação do eixo dianteiro, tornando-o mais acutilante e responsivo em mudanças de direção.

Leo Roeks, diretor da Ford Performance Europa, em declarações à Autocar, reiterou a importância desta solução:

Estamos muito orgulhosos destas (molas). Sempre que as forças laterais se começam a fazer sentir na suspensão traseira, efetivamente direcionando o carro a partir das rodas traseiras, estas molas são “inteligentes” o suficiente para resistir-lhes. Ajudam a estabilizar as rodas traseiras. A diferença é suficiente que obtemos um benefício mensurável na precisão da direção, mas também permite-nos suavizar os sinoblocos na traseira para uma melhor condução.

RELACIONADO: Cinco factos que (eventualmente!) desconheces sobre o novo Ford Fiesta

Chassis mais rígido e direção mais rápida

Igualmente a ajudar a um desempenho de topo, um aumento na rigidez do chassis na ordem dos 15%, assim como uma via dianteira mais larga em 10 mm, quando comparado com o Fiesta regular. Tudo isto, sem esquecer uma direção que, também de acordo com o fabricante, é a mais rápida alguma vez colocada num modelo Ford de tração dianteira, com um rácio de 12:1, e apenas duas voltas entre bloqueios.

Ford Fiesta ST

Mais performance, mas mais poupado

Como motor, um novo três cilindros 1.5 litros EcoBoost — derivado do 1.0 — a debitar 200 cv de potência, que, equipado igualmente com sistema de desativação de um dos cilindros, permite anunciar não somente uma poupança nos consumos na ordem dos 6% (ciclo WLTP), como emissões que passaram dos anteriores 138, para apenas 114 g/km.

Embora poupado e menos poluente, tal não significa que o Fiesta ST seja menos veloz. O utilitário americano apresenta prestações superiores relativamente ao anterior Fiesta ST200, ao conseguir ser duas décimas de segundo mais rápido (6,5s) nos 0 aos 100 km/h do que este.

Culpa, também de uma outra novidade, chamada Launch Control, assim como da opção por pneus de elevada performance Michelin Pilot Super Sport.

Ford Fiesta ST 3p 2018

Aplicámos o que aprendemos com os mais recentes modelos Ford Performance, incluindo o Focus RS e Ford GT, no desenvolvimento do novo Fiesta ST, um automóvel que define novos standards em termos de divertimento ao volante no seu segmento, graças também a um gutural três cilindros que será capaz de falar a mesma linguagem dos grandes desportivos

Leo Roeks, diretor da Ford Performance Europa

Modos de condução são uma estreia

Em estreia na gama Fiesta, um sistema de modos de condução com três opções — Normal, Sport e Track —, a adequarem a resposta do motor, direção e controlos de estabilidade ao tipo de condução escolhido. Sem esquecer os restantes sistemas de assistência à condução, entre os quais, o de manutenção na faixa de rodagem e o reconhecimento automático de sinais de trânsito.

Finalmente no domínio da conetividade, o já conhecido sistema de infoentretenimento Sync 3, a somar a um sistema de som de alta fidelidade Bang & Olufsen Play.

O novo Ford Fiesta ST tem lançamento previsto no mercado europeu ainda durante este ano, prevendo-se que surja ainda antes do verão.

 

Sabes responder a esta?
Qual foi a redução de peso no novo Opel Insignia GSI, face ao anterior OPC?
Não acertaste.

Mas podes descobrir a resposta aqui:

Opel Insignia GSi. A sigla que nos fez sonhar está de volta

Mais artigos em Notícias