Ao volante

Já testámos o novo BMW X2. Primeiras impressões

O novo BMW X2 é um crossover que aposta em formas mais dramáticas do que a marca nos tem vindo a habituar. Mas nem só de estilo vive esta nova proposta da marca bávara que é um dos candidatos aos World Car Awards.

Em Cascais, Portugal

A BMW escolheu Portugal para apresentar o novo BMW X2 à imprensa mundial. Um crossover compacto, inédito na gama X da BMW, que estreia uma nova linguagem de design mais irreverente do que a BMW nos tem vindo a habituar.

Pressionada pelas rivais Mercedes-Benz, Volvo e Audi, a marca de Munique decidiu apostar no lançamento de um crossover compacto que, embora utilizando praticamente as mesmas soluções técnicas e dinâmica do conhecido X1 — que é o SUV mais vendido da BMW a nível mundial — apresenta-se com uma roupagem muito diferente: mais marcante e desportiva, claramente direcionada para um público mais jovem, que também pretende afirmar-se pela diferença.

Interior espaçoso e desportivo

Exteriormente é marcado por linhas musculadas, das quais sobressai a possibilidade de apostar em cores contrastantes. A grelha frontal com o típico duplo rim, surge aqui em posição invertida; os faróis são mais rasgados e destaca-se a invulgar colocação do emblema da marca no pilar “C” — a fazer recordar solução idêntica no belo 3.0 CS (E9) de 1968.

Face ao X1, o X2 é mais curto (-4,9 cm) e também mais baixo (6,9 cm). Mantendo, no entanto, a mesma distância entre eixos — quase 2,7 m.

Com o tablier mais esculpido e os bancos dianteiros num posição mais baixa, sentimos que estamos mais integrados com o carro. A qualidade dos materiais merece uma nota positiva, bem como a ergonomia geral do modelo. Soluções, de resto, mais conseguidas do que a visibilidade traseira, fortemente condicionada por um óculo traseiro diminuto.

Que grande bagageira

Os passageiros do banco de trás têm espaço suficiente, com exceção do ocupante do lugar central — se tiver mais de 1,75 m, terá uma viagem menos cómoda. Face ao X1, apesar das menores dimensões, ficámos surpreendidos com a mala: 470 litros de capacidade. Para aquelas alturas em que é preciso ainda mais espaço, existe a possibilidade de rebater as costas dos bancos 40/20/40, praticamente na horizontal, para assim garantir uma carga máxima de 1355 litros.

Condução em bom plano

Observado as diferenças face ao já conhecido X1, chegou então o momento de nos fazermos à estrada, com a única motorização disponível nesta apresentação em Lisboa: um X2 xDrive20d de 190 cv de potência e 400 Nm de binário, que, conjugado com a caixa automática Steptronic de oito velocidades, prometia ritmos interessantes. Prometeu e cumpriu. Temos sempre motor, em qualquer regime e relação. Sensações, de resto, comprovadas pela ficha técnica: 7,2 segundos dos 0-100 km/h.

Equipado com um sistema de tração integral com vetorização de binário — capaz de enviar até 100% da potência para apenas um dos eixos — associado aos já tradicionais modos de condução (Comfort, Sport e Eco Pro), o comportamento do BMW X2 consegue entusiasmar.

A suspensão é agradavelmente informativa e consegue lidar bem com as transferências de massas. A direção, além do peso certo, mostra igualmente feedback e precisão suficientes para ajudar a colocar as rodas onde queremos. Longe de ser desconfortável, nota-se que a aposta mais séria do BMW X2 foi no capítulo dinâmico.

Preços em linha com o X1… mais 1500 euros

A terminar, uma última palavra para as motorizações e preços com que este BMW X2 vai chegar a Portugal, já no próximo mês de março.

BMW X2 Lisboa 2018 Fabian Kirchbauer Photography
Pela estrada do Guincho (Cascais).

A oferta começa com o sDrive18i a gasolina, com caixa manual (41 050 euros) e automática Steptronic (43 020 euros). Nos Diesel, o sDrive18d com caixa manual (45 500 euros) e automática (47 480 euros), o xDrive18d apenas com caixa automática (49 000 euros) e, finalmente, o já referido xDrive20d também com caixa automática (54 250 euros).

Basicamente, um aumento de 1500 euros face ao preço da versão X1 correspondente.

Primeiras impressões

8 / 10
O preço é elevado, mas o estatuto paga-se. Tem um design marcante, bom aproveitamento de espaço — com destaque para a bagageira —, boas motorizações e um comportamento correto.

  • Posição de condução

  • Motor 2.0d de 190 cv

  • Dinâmica

  • Preço

  • Equipamento de série

Preço

54.241

Data de comercialização: Março 2018


Mais artigos em Testes, Primeiro Contacto

Os mais vistos