Valkyrie é o nome divino do hiperdesportivo da Aston Martin

Conhecido até agora como Aston Martin AM-RB 001, o novo hiperdesportivo ascende aos deuses para a escolha do seu nome final: Valkyrie.

O novo hiperdesportivo que junta a Aston Martin e a Red Bull Advanced Technologies já tem nome oficial. Até agora conhecido pelo seu nome de código AM-RB 001, irá ter o nome oficial de Valkyrie.

O nome continua a tradição dos automóveis “V” da marca britânica que se iniciou em 1951, com a selecção do nome Vantage associado a uma variante com mais performance do Aston Martin DB2. Apareceria como um emblema pela primeira vez na lateral do DB5, e já neste século, seria um modelo de nome próprio.

A linhagem “V” é clara quando citamos os seus restantes elementos: Virage, Vanquish e Vulcan. Este último a revelar uma semelhante analogia ao mundo dos deuses, onde Vulcan é o nome do deus do fogo.

Valkyrie, segundo Marek Reichman, diretor criativo da Aston Martin, captura perfeitamente o efeito dramático do que é não só o derradeiro Aston Martin, como também a derradeira expressão em hiperdesportivos, seja em design, engenharia ou performance.

Os nomes dos Aston Martin têm um significado profundo. Têm de inspirar e excitar. Têm de contar uma história e enriquecer uma narrativa que se estende por 104 anos. O Aston Martin Valkyrie é um carro incrivelmente especial que exige, igualmente, um nome notável; um carro sem compromissos que não deixa nada em reserva. As conotações com poder e honra, em ser escolhido pelos Deuses são tão evocativos e tão pertinentes para um carro que apenas alguns afortunados o irão experienciar.

RELACIONADO: AM-RB 001: superdesportivo terá motor Cosworth V12 de 6.5 litros

O nome pode estar enraizado na mitologia nórdica, mas o Aston Martin Valkyrie é pura expressão da tecnologia dos dias de hoje.

Promete uma relação peso potência de apenas um quilo para cada cavalo. É de prever que tanto o peso como potência fiquem a rondar o número 1000. A propulsão será efectuada através de um V12 de 6.5 litros desenvolvido pela Cosworth. Não tem turbos ou compressor. Terá uma unidade elétrica acoplada, desenvolvida pela Rimac. A transmissão será de sete velocidades, desenvolvida pela Ricardo.

O Valkyrie promete ser uma nova referência no universo dos hiperdesportivos. Uma referência que já é ameaçada por um projecto de propósitos semelhantes por parte da Mercedes-AMG, o R50. Um duelo a não perder, definitivamente!

Segue a Razão Automóvel no Instagram e no Twitter

Mais artigos em Notícias

Os mais vistos