Porque os italianos também sabem fazer berlinas…

Porque nem só de citadinos e superdesportivos se faz a indústria automóvel italiana, reunimos algumas das suas mais entusiasmantes berlinas de quatro portas.

Pioneiras em várias áreas da indústria automóvel, e famosas pelos seus extremos — citadinos e superdesportivos —, as marcas italianas são por vezes esquecidas no que toca a veículos um pouco mais… familiares.

No entanto, existe uma longa tradição na tipologia mais clássica de todas — a berlina de quatro portas — e quando adicionamos um pouco de performance à receita, os resultados podem ser sinceramente bons, e verdadeiramente apaixonantes…

Para colmatar esta lacuna, selecionámos algumas das mais prestigiadas berlinas italianas de sempre:

Iso Fidia

iso rivolta fidia

Talvez mais conhecida pelo Isetta, um micro-carro bastante popular (embora não tão popular quanto o BMW Isetta), a Iso foi uma das marcas italianas mais proeminentes da segunda metade do séc. XX.

Um dos modelos importantes da marca é sem dúvida o Iso Fidia, uma berlina de quatro portas com motor V8 da Chevrolet e um design da autoria de Giorgetto Giugiaro. Curiosamente, a primeira unidade produzida com volante à direita foi vendida ao célebre cantor John Lennon.

Alfa Romeo 75

alfa romeo 75

Lançado em 1985, o Alfa Romeo 75 foi a última berlina de tracção traseira produzida pela marca antes do Alfa Romeo Giulia e o último modelo lançado antes da marca ter sido adquirida pela Fiat. Mais tarde, foi desenvolvida uma versão de homologação Turbo Evoluzione para o Grupo A e uma versão QV – conhecido como Potenziata – com motor V6 de 3.0 litros e 192 cv.

Lancia Thema 8.32

lancia thema ferrari_3

Thema 8.32 porquê? 8 de motor V8 e 32 de 32 válvulas. Estes são os números que ajudam a explicar a origem do nome do Lancia Thema 8.32, a versão mais potente da berlina italiana. O “bad boy italiano” dispunha de um bloco V8 com 2927 cc desenvolvido pela Ferrari (e que contou com uma “mãozinha” da Ducati na montagem), cuja versão sem catalisador debitava 215 cv. O sprint dos 0-100 km/h cumpria-se em 6.8 segundos e a velocidade máxima era de 240 km/h. Além disso, este foi o primeiro automóvel a ser equipado com uma asa traseira eletrónica, que levantava e recolhia automaticamente.

Alfa Romeo 156 GTA

Alfa Romeo 156 GTA

Já em pleno século XXI, a Alfa Romeo levou ao Salão de Frankfurt o Alfa Romeo 156 GTA. Embora tivesse há muito abandonado os modelos de tração traseira, a marca italiana nunca desistiu dos desportivos e optou por produzir um carro old school em homenagem ao desportivo Alfa Romeo GTA. Debaixo do capot encontrávamos o maior motor produzido pela marca até à época: um  V6 3.2 litros com 250 cv. Continua lindo!

Maserati Quattroporte

Maserati Quattroporte

Por último mas não menos importante surge o Maserati Quattroporte, um modelo com mais de 50 anos de história. Além de estar dotado de um motor V8 de 4.2 litros com 400 cv de potência e 551 Nm de binário, a 5ª geração, na imagem, recupera a essência dos primeiros modelos e é (discutivelmente) uma das mais elegantes, tendo o design ficado a cargo da Pininfarina.

Mais artigos em Clássicos