Estradas de plástico podem ser o futuro

As preocupações ambientais já não se estendem só aos veículos. A crescente preocupação com a reciclagem de materiais e os elevados custos de repavimentação das vias, levaram uma empresa holandesa a desenvolver estradas de plástico.

A revolução industrial, trouxe-nos as primeiras formas de piso pavimentado com um material que hoje conhecemos como alcatrão. Mas a inovação ligada à reciclagem, vai trazer-nos uma alternativa ao alcatrão.

A empresa VorkerWessels em parceria com a cidade de Roterdão, na Holanda, fará desta cidade a pioneira na estreia de um novo tipo de pavimento de vias em plástico. Tecnologia que num futuro próximo pode substituir os tapetes de alcatrão que todos nos habituamos a ver ao longo de anos.

RELACIONADO: Estrada Nacional 120: uma vergonha nacional

PlasticRoad2

Não será um plástico vulgar. Este novo processo experimental recorre a polímeros de estrutura molecular complexa, garantindo uma longevidade do piso plástico 3 vezes superior ao tradicional alcatrão e como se não bastasse estes tabuleiros de plástico são capazes de aguentar extremos de temperaturas entre os -40° e os 80° – com a vantagem de serem mais resistentes à degradação por desgaste meteorológico e desgaste por fricção.

Como podem ver pelas imagens, este novo pavimento plástico é composto por tabuleiros modulares ocos, que não só beneficiam o peso combinado dos mesmos como permitem a integração de uma rede de infraestruturas – tais como condutas redes de cablagem e afins. Por outro lado os módulos contêm os seus próprios canais de drenagem para assegurar o correcto escoamento de águas, uma vez que este tipo de piso é mais impermeável que o alcatrão.

PlasticRoad3

Embora ainda não seja uma realidade, esta ideia vai mesmo avançar para fase de testes na Holanda. Para além das vantagens desta tecnologia, é mais uma forma de reaproveitar os resíduos plásticos transformando-os numa boa solução em alternativa ao alcatrão, resta saber a que preço. Será que o futuro se faz com estradas de plástico? Deixem-nos as vossas opiniões nas nossas redes sociais.

Segue a Razão Automóvel no Instagram e no Twitter

Mais artigos em Notícias