Recharge No modo Recharge está a reduzir a sua pegada ecológica.

Obrigado por guardar energia para o que mais importa.

Uma iniciativa
x

Recharge

Estamos a guardar energia para o que mais importa.

Indústria

Skoda. Top-5 europeu até 2030 é a meta com base na eletrificação e digitalização

Com o objetivo de chegar ao Top-5 europeu, a Skoda vai apostar na eletrificação e digitalização. Ao mesmo tempo vai expandir-se para novos mercados.

Numa conferência realizada ontem em Praga (à qual a Razão Automóvel assistiu via online), a Skoda deu a conhecer os seus ambiciosos planos até 2030, apresentando a “NEXT LEVEL – ŠKODA STRATEGY 2030”.

Assente em três “pedras basilares” —  “Expand”, “Explore” e “Engage” — este plano, como seria de esperar, está muito focado não só na descarbonização/redução de emissões como na aposta na eletrificação. Contudo, é o objetivo de chegar ao Top-5 de vendas no mercado europeu que mais salta à vista.

Para tal, a marca checa planeia não só oferecer uma gama completa nos segmentos mais baixos como um maior número de propostas 100% elétricas. O objetivo passa por lançar, pelo menos, mais três modelos elétricos até 2030, todos eles posicionados abaixo do Enyaq iV. Com isto, a Skoda espera assegurar que entre 50 a 70% das suas vendas na Europa correspondam a modelos elétricos.

A NÃO PERDER: Skoda Superb Break iV. O antídoto para os SUV familiares híbridos plug-in?
Skoda plano
As “honras” de dar a conhecer o novo plano couberam ao CEO da Skoda, Thomas Schäfer.

Expandir sem esquecer “a casa”

Estabelecida dentro do Grupo Volkswagen como a “ponta de lança” para os mercados emergentes (é a marca responsável no grupo pela expansão nestes países), a Skoda também apresenta ambiciosos objetivos para mercados como a Índia, Rússia ou Norte de África.

A meta passa por tornar-se na marca europeia mais vendida nestes mercados em 2030, com os objetivos de vendas a apontarem para as 1,5 milhões de unidades/ano. O primeiro passo nesse sentido já foi dado, com o lançamento do SUV Kushaq no mercado indiano, o primeiro modelo da marca checa a ser vendido por lá ao abrigo do projeto “INDIA 2.0”.

Mas não se pense que este foco na internacionalização e na ascensão europeia fizeram a Skoda “esquecer” o mercado doméstico (onde é “dona e senhora” da tabela de vendas). A marca checa quer fazer do seu país natal um “viveiro de mobilidade elétrica”.

Plano Skoda

Desta forma, até 2030 as três fábricas da Skoda irão produzir componentes para automóveis elétricos ou os próprios modelos. Atualmente já são produzidas por lá baterias para os Superb iV e Octavia iV, sendo que no início de 2022 a fábrica de Mladá Boleslav vai começar a produzir as baterias para o Enyaq iV.

A NÃO PERDER: Testámos a Skoda Octavia Break iV (híbrida plug-in). Alternativa ao Diesel?

Descarbonizar e digitalizar

Por fim, a “NEXT LEVEL – ŠKODA STRATEGY 2030” estabelece também metas para a descarbonização da Skoda e a sua digitalização. Começando pelas primeiras, estas passam por garantir em 2030 uma redução das emissões médias da gama de 50% face a 2020. Além disso, a marca checa planeia também simplificar a sua gama em 40%, apostando para tal, por exemplo, na redução dos opcionais.

Por fim, no campo da digitalização, o objetivo passa por trazer para a era digital a máxima da marca “Simply Clever”, facilitando não só a experiência digital dos consumidores mas também questões tão simples como o carregamento dos modelos elétricos. Para tal a Skoda vai criar o “PowerPass”, que estará disponível em mais de 30 países e pode ser usado em mais de 210 mil postos de carregamento na Europa.

Ao mesmo tempo, a Skoda vai expandir os seus concessionários virtuais, tendo estabelecido como meta que um em cada cinco modelos vendidos em 2025 o tenham sido através de canais online.

Sabe responder a esta?
Qual é a capacidade da bagageira do novo Skoda Fabia?
Não acertou..

Mas pode descobrir a resposta aqui::

Skoda Fabia. Tudo sobre o novo, maior e mais tecnológico utilitário checo

Mais artigos em Notícias