Recharge No modo Recharge está a reduzir a sua pegada ecológica.

Obrigado por guardar energia para o que mais importa.

Uma iniciativa
x

Recharge

Estamos a guardar energia para o que mais importa.

GPL

GPL. Verdadeiro ou falso? O fim das dúvidas e mitos

Os sucessivos aumentos dos combustíveis tradicionais tornam o GPL Auto cada vez mais apelativo, mas as dúvidas e os mitos em torno desta "solução" teimam em não desaparecer.

O Gás de Petróleo Liquefeito, vulgo GPL, está mais democratizado do que nunca e na altura de fazer contas, pode ser a opção mais económica para muitos condutores. Mas independentemente disso, o GPL é um combustível que continua a gerar dúvidas e há mitos que continuam a persistir.

Apesar de haver muitas dúvidas e mitos em torno do GPL, a verdade é que não tem sido impedimento para uma presença com algum peso no mercado nacional, cujo o baixo preço por litro — em média, é metade do preço por litro do gasóleo — é um forte argumento para quem procura conjugar muitos quilómetros com uma fatura de combustível mais em conta.

Quanto às dúvidas e mitos, responderemos a elas todas como: Será que o depósito explode em caso de colisão? O GPL rouba potência ao motor? Podem ser estacionados em parques subterrâneos?

A NÃO PERDER: Testámos os Dacia Sandero Stepway GPL e gasolina. Qual a melhor opção?
GPL Auto
Atualmente existem mais de 340 postos de combustível com GPL em Portugal.

Veículos GPL não são seguros. FALSO.

Um dos maiores mitos em torno do GPL está relacionado com a sua segurança, já que os automóveis movidos a este combustível ganharam uma fama de que não são seguros e que podem explodir em caso de acidente.

O GPL é, efetivamente, altamente explosivo e mais inflamável do que a gasolina. Mas precisamente por isso, os depósitos de combustível GPL são muito robustos — muito mais do que os depósitos de gasolina ou gasóleo — e obedecem a testes que simulam as condições mais extremas.

Mesmo em caso de incêndio do veículo, o depósito de GPL está munido com dispositivos que permitem evacuar o combustível sob pressão, de modo a evitar uma rutura catastrófica do depósito.

Recorde-se que quando os kits de GPL não são instalados de fábrica, sujeitos a rigorosos critérios de segurança do construtor, são da responsabilidade de entidades devidamente credenciadas que respeitam um protocolo internacional, que depois é confirmado numa Inspeção Extraordinária.

RELACIONADO: Testámos o Renault Clio a GPL. Utilitário (económico) e com orgulho

O GPL “rouba” potência ao motor? VERDADEIRO, mas…

No passado sim, era perceptível uma perda de potência — 10% a 20% — quando os motores “corriam” a GPL. Apesar de até ter mais octanas do que a gasolina — 100 octanas contra as 95 ou 98 —, a densidade energética por volume do GPL é inferior, a principal responsável pela perda de potência.

Hoje em dia, com os sistemas de injeção mais recentes de GPL, a perda de potência, mesmo que exista, será irrisória e muito dificilmente detetável pelo condutor..

Opel Astra Flex Fluel

Estraga o motor dos carros? FALSO.

Este é outro mito “urbano” que acompanha qualquer conversa que tenha o GPL Auto como tema. Mas a verdade é que o GPL é um combustível com menos impurezas do que a gasolina, pelo que a sua utilização até pode ter o feito oposto: aumentar a durabilidade de alguns componentes. O GPL não provoca, por exemplo, depósitos de carvão no motor.

Dito isto, a ação de limpeza do GPL pode colocar a nu folgas ou fugas de óleo, quando se converte motores com muitos quilómetros acumulados e que não estejam no seu melhor estado, pois pode eliminar os depósitos de carvão que estariam a “esconder” esses problemas.

Carro a GPL consome mais que um a gasolina? VERDADEIRO.

Recorrendo ao GPL, é normal registar um consumo superior. Isto é, o gasto de número de litros por cem quilómetros será sempre superior ao valor de litros de gasolina necessários para percorrer a mesma distância — entre um e dois litros parece ser a norma.

Contudo, e se pegarmos na calculadora, percebemos rapidamente que a diferença de preço entre os dois combustíveis não só se sobrepõe a isto como permite uma poupança de cerca de 40% nos euros gastos se usarmos GPL.

Melhor para o ambiente? VERDADEIRO.

Por ser composto por partículas refinadas, o GPL não liberta partículas nocivas para a atmosfera e emite significativamente menos monóxido de carbono: cerca de 50% do que é emitido pela gasolina e cerca de 10% do que é emitido pelo gasóleo.

Também nas emissões de CO2 um carro a GPL leva vantagem, permitindo uma diminuição média de 15% face a um automóvel movido apenas a gasolina.

GPL Auto

Abastecimentos. É obrigatório usar luvas? FALSO, mas…

Atualmente existem mais de 340 postos de combustível com GPL no país e o processo de abastecimento é simples e rápido, quase como o de um automóvel a gasolina ou gasóleo.

Contudo, e uma vez que o gás está a temperatura negativa, é necessário ter uma série de cuidados durante o abastecimento, recomendado-se o uso de luvas. A utilização de luvas de cano alto durante o abastecimento é de extrema importância, uma vez que aumentam a proteção da pele a queimaduras de frio. Porém, não são de uso obrigatório.

VEJAM TAMBÉM: SEAT Leon TGI. Até 440 km de autonomia a gás natural

Posso estacionar num parque subterrâneo? VERDADEIRO, mas…

Desde 2013, qualquer veículo a GPL que cumpra os requisitos numa Inspeção Extraordinária, pode estacionar sem qualquer limitação em parques subterrâneos ou garagens fechadas.

Contudo, os veículos alimentados a GPL cujos componentes não tenham sido aprovados e instalados de acordo com a Portaria n.º 207-A/2013 de 25 de junho, não podem estacionar em parques fechados ou em locais abaixo do nível do solo. As multas para esta infração variam entre os 250 e os 1250 euros.

GPL Auto

Dístico GPL azul é obrigatório? FALSO, mas…

Desde 2013 que a utilização do dístico azul na traseira dos automóveis convertidos para GPL de origem deixou de ser obrigatória, tendo sido substituído por uma pequena vinheta verde — esta sim obrigatória — colada no canto inferior direito do para brisas. A falta desta vinheta identificativa pode “render” uma multa que varia entre os 60 e os 300 euros.

Ainda assim, se o veículo GPL em causa tiver sido convertido antes de 11 de junho de 2013, precisa de continuar a exibir o dístico azul. Contudo, pode sempre “candidatar-se” à vinheta verde.

Para obter a vinheta verde é preciso garantir um certificado do equipamento instalado junto de um instalador/reparador credenciado e ser aprovado numa inspeção do Tipo B num Centro de Inspeções Automóvel que tem um custo de 110 euros. Depois disso, é ainda necessário enviar o certificado da inspeção do tipo B e o certificado da oficina credenciada para o IMTT, bem como pedir o averbamento da anotação “GPL — Reg. 67”.

Mais artigos em Autopédia