Apresentação

MBUX Hyperscreen revelado. O senhor… dos ecrãs

Com presença garantida no novo Mercedes-Benz EQS, o MBUX Hyperscreen deu-se finalmente a conhecer. Descobre os seus pormenores.

Com 141 cm de largura — vai, basicamente, de um lado ao outro do carro — e uma área de 2432,11 cm2, composto por uma única superfície em vidro curvado — moldada a uma temperatura de 650 ºC para evitar distorções de visualização —, o novo MBUX Hyperscreen da Mercedes-Benz impressiona.

A mais recente e ousada iteração do sistema MBUX será estreada pelo novo Mercedes-Benz EQS — o Classe S dos elétricos — cuja apresentação acontecerá este ano, ainda que só venha a estar disponível como opção.

Parece um ecrã só, mas o MBUX é composto, na realidade, por três com recurso a tecnologia OLED: um para o painel de instrumentos, outro para o infoentretenimento e um adicional para o passageiro dianteiro. Os últimos dois adicionam ainda resposta háptica, com 12 atuadores no total, que despoletam uma ligeira vibração nos dedos quando pressionamos a opção pretendida.

VÊ TAMBÉM: “Terminator” em forma de SUV. Conduzimos o Mercedes-Benz EQC 4×4²

A impressionante superfície em vidro de aluminossilicato (do mesmo tipo do vidro Gorilla que os smartphones trazem) vem com um revestimento denominado “Silver Shadow”, composto por três camadas, que permitem reduzir os reflexos, facilitar a limpeza e garantir a perceção de uma “superfície de alta qualidade”.

Como podemos observar, o MBUX Hyperscreen integra ainda duas saídas de ventilação convencionais nas extremidades laterais, de modo a “ligar o digital ao mundo físico”, diz a Mercedes.

Mais do que aparências

Não é só para impressionar quem se sentar no interior do futuro EQS. O novo MBUX Hyperscreen — uma evolução do sistema operativo estreado pelo novo Classe S (W223) — promete também maior facilidade de utilização, evitando navegar por submenus para as funções mais usadas — navegação, rádio/media e telefone —, ao que a Mercedes-Benz chamou “zero-layer”, ou “sem camadas ou níveis”.

Fará também uso de inteligência artificial que consegue aprender e adaptar-se ao seu utilizador. Não só mostrará as funções adequadas quando são necessárias, como é capaz de fazer sugestões tendo em conta os padrões de uso do utilizador.

Quanto ao ecrã do passageiro dianteiro, este também é personalizável, contando com até sete perfis. Tal como nos outros dois ecrãs, também neste o sistema de inteligência artificial funciona como um “assistente atento”, fazendo sugestões de acordo com o padrão de utilização.

MBUX Hyperscreen
Sempre que o lugar do passageiro está desocupado o ecrã à sua frente assume, por defeito, um display decorativo.
VÊ TAMBÉM: Mercedes-Benz. O adeus às caixas manuais e redução do número de motores de combustão

Com as funções de entretenimento dependentes das regras de segurança em vigor nos vários países onde o EQS possa estar a circular, sempre que o lugar do passageiro está desocupado o ecrã à sua frente assume, por defeito, um display decorativo.

Um “computador sobre rodas”

No total, o MBUX Hyperscreen conta com oito núcleos CPU, com 24 GB de memória RAM e 46,4 GB por segundo de largura de banda de memória RAM. Além disso, o recurso a uma câmara multifunções e um sensor de luminosidade permite-lhe adaptar a luminosidade dos seus três ecrãs às condições ambientais que o rodeiam.

A ser estreado pelo Mercedes-Benz EQS, o novo MBUX Hyperscreen já tem mais um “freguês”: o SUV elétrico baseado no EQS que a Mercedes-Benz vai lançar em 2022.

Sabes responder a esta?
Em que ano é que a Rover fechou portas?
Não acertaste.

Mas podes descobrir a resposta aqui:

Lembras-te deste? Rover Streetwise
Em cheio!!
Vai para a próxima pergunta

ou lê o artigo sobre este tema:

Lembras-te deste? Rover Streetwise

Mais artigos em Notícias