Apresentação

McLaren revela nova arquitetura para superdesportivos híbridos

Nova geração de superdesportivos híbridos da McLaren irão recorrer a uma nova arquitetura que promete ser mais leve e forte.

A nova geração de superdesportivos híbridos da McLaren começa a chegar já em 2021. No entanto, não é a primeira vez que a marca britânica aposta em modelos eletrificados: o P1, lançado em 2013, e o novo Speedtail também o são.

Porém, ambos fazem parte da Ultimate Series da McLaren, os seus mais caros, rápidos e exóticos modelos. Esta nova arquitetura, por outro lado, surgirá em primeiro lugar na Sport Series, onde residem os seus modelos mais acessíveis. Dela fazem parte o 540C, 570S ou o 600LT.

A nova arquitetura para superdesportivos híbridos está otimizada não só para melhor acomodar as necessidades de uma cadeia cinemática mais complexa, como promete ser mais leve do que a Monocell atual, para compensar a massa adicional da máquina elétrica e bateria.

TENS DE VER: McLaren 620R. Já conduzimos e “pilotámos” o que mais próximo há do 570S GT4 de competição
McLaren arquitetura 2021
Processo de produção da nova arquitetura

Objetivo: reduzir massa

Aliás, o maior foco no desenvolvimento desta nova arquitetura em fibra de carbono (tal e qual a Monocell atual) tem sido precisamente o de reduzir ao máximo a sua massa, ao mesmo tempo conseguindo uma superior integridade estrutural.

Os resultados são evidentes, tendo em conta as declarações de Mike Flewitt, CEO da McLaren, à Autocar, que tinha como objetivo inicial conseguir com que estes superdesportivos híbridos pesassem tanto como os seus antecessores não híbridos:

“Não vamos conseguir atingir isso, mas vamos ficar a 30-40 kg (de o conseguir). Quando pensamos que o sistema híbrido do P1 pesava 140 kg, fizemos imenso para controlar o peso.”

McLaren 570s
O novo superdesportivo híbrido tomará o lugar do 570S

Para conseguirem a redução de massa necessária, a McLaren está a recorrer a novos programas informáticos que conseguem determinar a forma e a orientação ideal de cada folha de tecido de fibra de carbono. Só assim conseguem otimizar a resistência e massa da nova monocoque.

Um primeiro protótipo da nova arquitetura já saiu das instalações da MCTC — McLaren Composites Technology Centre — em 2019. É aqui que a nova arquitetura está a ser desenvolvida e onde também será produzida. Denominada PLT-MCTC-01 (Prototype Lightweight Tub, McLaren Composites Technology Centre, número 01), irá agora passar por uma série de testes de colisão.

VÊ TAMBÉM: Como elevar a fasquia do 720S? O McLaren 765LT é a resposta

Há mais novidades

Veremos a nova arquitetura no primeiro modelo de uma nova geração de superdesportivos híbridos da McLaren, como referimos, em 2021. E com ela vem mais uma importante novidade.

Não só a nova geração de modelos Super Series será híbrida, como estreará um novo e inédito V6 twin turbo. Desde o lançamento do MP4-12C, em 2011, o primeiro McLaren da era moderna, que construtor britânico tem-se mantido fiel ao V8 twin turbo.

Mais artigos em Notícias