Ao volante

Ao volante do renovado Renault Kadjar. Objetivo? Perseguir Qashqai e companhia

Depois de ter ficado em quarto lugar nas vendas do segmento em Portugal, o renovado Renault Kadjar quer subir ao Top 3, com mais e novos motores.

Em Minas de São Domingos, Mértola, Portugal

Presente desde 2017 no mercado português, o Renault Kadjar tinha até agora um problema face à concorrência: a lei das portagens. É que para ser classificado como Classe 1, o SUV da Renault teve de passar por um longo processo de modificação e homologação que não só lhe roubou cerca de um ano de mercado como o obrigou a ser oferecido com apenas uma motorização.

No entanto, e nem de propósito, praticamente ao mesmo tempo que a Renault renovou o Kadjar, a lei das portagens mudou, permitindo assim à marca francesa vender o seu SUV em Portugal com aquilo a que podemos designar como uma gama: três níveis de equipamento, quatro motorizações, versões 4×2 e 4×4 (estas ainda Classe 2), enfim, tudo o que a concorrência já tinha.

Assim, graças à nova classificação nas portagens e à chegada de quatro motorizações, a Renault acredita que o seu SUV será capaz de fazer frente a modelos como o Nissan Qashqai, o Peugeot 3008 ou o SEAT Ateca. Para descobrir até que ponto o Kadjar está à altura da concorrência fomos até ao Alentejo para o conhecer.

VÊ TAMBÉM: Este é o Kodiaq GT que não vais poder comprar
Renault Kadjar MY'19
O pára-choques traseiro foi redesenhado bem como os faróis de nevoeiro e as luzes de marcha-atrás.

Estética mudou… mas pouco

Tirando uma nova assinatura LED nos faróis dianteiros, novos faróis de nevoeiro, faróis de marcha-atrás redesenhados, pára-choques redesenhados (à frente e atrás), novas jantes (19″) e algumas aplicações cromadas, pouco mudou no SUV francês. No entanto, ao vivo as mudanças parecem ter resultado, com o Kadjar a parecer ter uma pose mais musculada.

Se no exterior a renovação foi discreta, então no interior tens de andar com uma lupa para detetar as diferenças. Com exceção de novos comandos da climatização, novos comandos dos vidros elétricos, colunas de ventilação e entradas USB para os bancos traseiros e um novo apoio de braços, está tudo igual dentro do SUV francês, inclusive o ecrã de 7″ do infotainment (que é bastante intuitivo de usar).

VÊ TAMBÉM: Um SUV pode ser um “driver’s car”? Aparentemente sim…

Quatro motores: dois Diesel e dois a gasolina

Pela primeira vez desde que chegou a Portugal, o Kadjar vai oferecer mais do que uma motorização. A principal novidade passa pela adoção do novo 1.3 TCe nas versões de 140 cv e 160 cv, sendo que do lado do Diesel surgem o 1.5 Blue dCi de 115 cv e o novo 1.7 Blue dCi de 150 cv (só chega na primavera e é a única motorização que pode ser associada à tração integral).

Na versão menos potente, o 1.3 TCe debita 140 cv e 240 Nm, podendo ser associado a caixa manual de seis velocidades ou à caixa de dupla embraiagem de sete velocidades EDC com a Renault a anunciar consumos de 6,6 l/100km em ciclo combinado (6,7 l/100 km com a caixa EDC).

Já na versão mais potente, o novo motor debita 160 cv e 260 Nm de binário (270 Nm caso se opte pela caixa de dupla embraiagem) com a Renault a anunciar um consumo combinado de 6,6 l/100km com caixa manual e 6,8 com caixa de dupla embraiagem.

Renault Kadjar MY19
Apesar de não ter tração integral e de estar equipado com jantes de 19″ o Kadjar permite algumas saídas de estrada.

Já entre os Diesel, a oferta começa no Blue dCi 115 de 1.5 l. Este debita 115 cv e 260 Nm de binário e pode ser associado a uma caixa manual de seis velocidades ou à EDC de sete velocidades, em termos de consumos a Renault anuncia 5 l/100 km em ciclo combinado (5,1 l/100 km com, caixa automática).

Por fim, o novo Blue dCi de 1.7 l debita 150 cv e 340 Nm de binário e apenas vai contar com caixa manual de seis velocidades, podendo ser associado a tração dianteira ou integral.

VÊ TAMBÉM: Caixa de dupla embraiagem. 5 coisas que deves evitar

Ao volante

Vamos por partes. Antes de mais deixa-nos relembrar-te que se estás à procura de emoções fortes então deves procurar outro tipo de carro. O Kadjar, tal como quase todos os SUV, privilegia o conforto, por isso se estás à espera de te divertires ao volante da proposta da Renault enquanto percorres uma estrada de serra é melhor esqueceres.

Robusto e confortável, o Kadjar prima pela versatilidade, podendo ser usado tanto em grandes tiradas em auto-estrada como em estradões de terra (onde o conforto, mesmo com jantes de 19″ impressiona), como pudemos comprovar. Já quando chegam as curvas, é o típico SUV: uma direção pouco comunicativa, rolamento de carroçaria pronunciado e, acima de tudo, previsibilidade.

Renault Kadjar MY19
Apesar do comportamento previsível, o Kadjar adorna bastante curva, com a suspensão claramente orientada- para o conforto.

Neste primeiro contacto tivemos a oportunidade de conduzir a versão de topo a gasolina, o 1.3 TCe de 160 cv e caixa EDC e a versão com caixa manual do Blue dCi 115. No motor a gasolina destaca-se a suavidade de funcionamento, a forma como sobe de rotação e os consumos — registámos 6,7 l/100km. Já no Diesel o destaque tem de ir para a forma como disfarça os 115 cv, parecendo ter mais potência do que realmente tem, tudo enquanto mantém os consumos na casa dos 5,4 l/100km.

VÊ TAMBÉM: Kia Stonic. Chegou, viu… e será que vence a guerra do segmento?

Três níveis de equipamento

O renovado Renault Kadjar é proposto em três níveis de equipamento: Zen, Intens e Black Edition. O Zen corresponde à base da gama, destacando-se equipamentos como as jantes de 17″, o rádio MP3 (não conta com o ecrã tátil de 7″) o cruise control ou os faróis de nevoeiro.

Já a versão Intens conta com equipamentos como jantes de 18″ (19″ em opção), grelha dianteira cromada, ecrã tátil de 7″, alerta de transposição involuntária de faixa, Easy Park Assist (estacionamento “mãos livres”), ar condicionado automático bi-zona ou as colunas de ventilação e entradas USB para os bancos traseiros.

Por fim, a versão topo de gama, a Black Edition, acrescenta à lista de equipamento da versão Intens equipamentos como o sistema de som da Bose, teto em vidro, estofos em Alcantara ou os bancos dianteiros aquecidos e reguláveis eletricamente.

Ao nível de equipamentos de segurança e de ajuda à condução, o Kadjar conta com sistemas como a travagem de emergência, o cruise control, deteção de ângulo morto, aviso ou a comutação automática entre médios e máximos.

VÊ TAMBÉM: Ruf: parece Porsche mas não é

Primeiro em 4×2 depois em 4×4

Com chegada ao mercado nacional marcada para dia 25 de janeiro (o motor Blue dCi 150 e as versões 4×4 chegam pela primavera), os preços do renovado Renault Kadjar vão arrancar nos 27 770 euros para a versão Zen equipada com o 1.3 TCe de 140 cv indo até aos 37 125 euros que vai custar a versão Black Edition equipada com o motor Blue dCi 115 e caixa automática.

Motorização Zen Intens Black Edition
TCe 140 27 770 € 29 890 €
TCe 140 EDC 29 630 € 31 765 € 33 945 €
TCe 160 30 390 € 32 570 €
TCe 160 EDC 34 495 €
Blue dCi 115 31 140 € 33 390 € 35 600 €
Blue dCi 115 EDC 32 570 € 34 915 € 37 125 €

Conclusão

Graças à mudança na lei das portagens, o Kadjar ganhou uma “segunda vida” no mercado nacional. Com a chegada de novos motores a Renault e a classificação como Classe 1 (só com via verde) pode ambicionar a um lugar mais proeminente no segmento dos SUV médios, quem sabe, até ameaçar o rei Qashqai.

Se é verdade que com estas novas motorizações o Kadjar se tornou muito mais apetecível, não deixa também de ser verdade que quando comparado com alguns dos concorrentes (principalmente o Peugeot 3008) o modelo da Renault parece acusar um pouco o peso dos anos, mesmo tendo sido renovado recentemente. Resta perceber como vai reagir o mercado à proposta da Renault.

Primeiras impressões

6 / 10
Mais do que nunca, o Renault Kadjar revela que é o "Qashqai da Renault". Sem deslumbrar em nenhum ponto em específico, o SUV francês, tal como o seu "primo" com o qual partilha a plataforma, cumpre com todas as exigências que se fazem normalmente a um modelo familiar. Espaçoso, confortável, robusto e seguro, a compra de um Kadjar é mais uma aposta racional do que emocional. No interior destaca-se a facilidade de utilização de todos os comandos e sistemas e a qualidade de construção. Ao nível das motorizações, apesar de o Diesel se dever manter como best-seller, o destaque tem de ser dado ao 1.3 TCe que na versão de 160 cv não só consegue ser económico como permite imprimir ritmos bastante elevados, dando ao Kadjar boas aptidões estradistas.

  • Conforto

  • Robustez

  • Consumos do motor 1.3 TCe de 160 cv

  • Caixa EDC

  • Comportamento pouco interativo

  • Sistema de navegação

  • Acesso aos bancos traseiros

Preço

27.771

Data de comercialização: Janeiro 2019


Sabes responder a esta?
Qual é a cilindrada do Renault Mégane R.S.?
Não acertaste.

Mas podes descobrir a resposta aqui:

Ao volante do novo Renault Mégane R.S. no Circuito do Estoril

Mais artigos em Testes, Primeiro Contacto

Os mais vistos