Ao volante

Já testámos o Troféu C1. Simplesmente BRUTAL!

De uma despedida de solteiro, nasceu um dos troféus mais promissores do panorama nacional: o Troféu C1. Começa no próximo ano mas nós já testámos a «furiosa» máquina que anima esta competição.

Pode um troféu, constituído por máquinas que debitam uns estonteantes 68 cv de potência, ser divertido? A resposta é sim. Pode.

Fomos até ao Circuito Vasco Sameiro, em Braga, para testar a primeira unidade em solo nacional do Citröen C1 que vai animar este troféu. Um troféu que pretende repetir as animadas corridas que outrora marcavam o Campeonato Nacional de Velocidade. Grelhas cheias, custos reduzidos, pilotos destemidos e claro, muita diversão.

Como é que tudo começou

A história do Troféu C1 em Portugal teve um início «sui generis». André Marques, mentor e organizador do Troféu C1 em Portugal, participou numa prova deste troféu no estrangeiro, durante um despedida de solteiro.

Faz swipe na galeria de imagens:

André Marques gostou tanto do conceito que não descansou enquanto não «importou» o Troféu C1 para o panorama nacional. E apesar da ideia ter nascido de uma «brincadeira», a organização do Trófeu C1 não podia ser mais profissional.

O campeonato já se encontra aprovado pela Federação Portuguesa de Automobilismo e Karting (FPAK) e obedece aos mais elevados padrões de segurança. Haverá inclusivamente tutores nomeados para os pilotos menos experientes.

Lá fora, o Troféu C1 tem sido um sucesso e tem sido procurado por pilotos amadores e também por profissionais.

O conceito é relativamente simples. Oferecer a todos os entusiastas das corridas uma alternativa acessível ao mundo da competição automóvel, sem ter de hipotecar a casa ou vender um rim. Cada equipa pode ter até seis pilotos e todas as provas vão ter uma duração de 6 horas.

Esta galeria de imagens fala por si:

Assim é possível dividir os custos por um maior número de pessoas, assegurando por outro lado que todos terminam o campeonato com a «barriga cheia» de corridas.

A fundo no Citröen C1 em Braga

Chega de ladainha, vamos ao que importa, o carro! — os detalhes mais aborrecidos estão aqui. A preparação do Citröen C1 1.0 é básica porém completa. O motor não sofreu qualquer alteração e continua a debitar 68 cv de potência. Objetivo? Máxima fiabilidade.

As novidades surgem ao nível do chassis e ligações ao solo: roll bar, braços de suspensão adaptados, transmissão adaptada, extensíveis das ponteiras de direção, proteção dos tubos de gasolina, suporte para lastro, amortecedores Bilstein B8 Shock Absorber, baquet, cintos de quatro pontos, corta corrente e extintor. Por fim, o pequeno Citroën C1 é equipado com pneus Nankang AS1 com as comedidas medidas de 155/55 R14.

Sentei-me, ajustei a baquet para a minha estatura (1,74 m), coloquei o cinto e saí das boxes. Não estava à espera que os 30 minutos que se seguiram fossem tão intensos.

As modificações operadas no modelo fizeram toda a diferença. A coisa promete…

Citroën C1 Troféu
Entrei em pista a fundo, e diverti-me à grande!

O motor é limitado, mas como disse um dia Colin McRae: “straight roads are for fast cars, turns are for fast drivers”. O Troféu C1 segue este filosofia, a diversão está nas curvas, não está nas retas.

Ainda assim, chegamos ao final da reta do circuito bracarense a mais de 150 km/h. Imaginem como vão ser as disputas nas travagens…

Lento mas furioso.

Como o carro é leve, conseguimos levar imenso momento para o apex e é aí que começa a diversão. Temos de aproveitar ao máximo cada travagem e colocar o carro com a máxima precisão em cada movimento para sairmos em velocidade.

Em curva. É aqui que se faz a diferença e se vencem as corridas.

Se tentarmos ganhar tudo na travagem sacrificamos a saída, se formos demasiado cautelosos na travagem perdemos tempo na entrada. É um equilibrio muito ténue, acreditem.

Agora juntem a esta equação um grelha que deverá contar com mais de 25 carros e temos diversão garantida.

Carro pequeno, grandes emoções

O nível de concentração e perícia que o Troféu C1 exige para andar rápido, é o mesmo que exige qualquer outro troféu. Depressa nos esquecemos da potência do carro e nos concentramos em ir cada vez mais rápido. Só isso importa.

A CAR Magazine também testou o C1 em Inglaterra e ficou impressionada.

Depois de ter testado o Citroën C1 não me resta qualquer dúvida: o Troféu C1 vai dar que falar. Tem tudo para dar certo… até o preço. Com este troféu vamos certamente ver grelhas cheias e corridas interessantes no Campeonato Nacional.

Saímos de Braga com uma certeza. Vamos voltar! Mas sobre isso, vou escrever noutra altura… fiquem atentos.

Mais artigos em Testes

Os mais vistos