Desde 35 000 euros

Ao volante do novo Volvo XC40 D4 AWD R-Design

Testámos o novo Volvo XC40 D4 AWD R-Design durante uma semana. Foram mais de 700 km ao volante do novo «menino bonito» da marca sueca. Todas as impressões sobre o Volvo XC40 D4 AWD R-Design nas próximas linhas.

Em Lisboa, Portugal

O Volvo XC40 que testámos tinha os «molhos todos» — que é como que diz, tinha praticamente todos os extras. Era a versão mais desportiva (R-Design) e a mais potente (D4) das versões a gasóleo da gama Volvo XC40. Superlativos aos quais se junta um sistema de tração integral, mais de 10 000 euros de opcionais e um preço condizente — que é quase o dobro da versão versão base (Volvo XC40 T3).

Uma unidade que tinha, portanto, todos os ingrediente para agradar-me. Será que agradou? Agradou. E também agradou ao painel de jurados do Carro do Ano Europeu, que o elegeram Carro do Ano 2018 na Europa.

Volvo XC40 D4 AWD R-Design
Cava da roda traseira mais proeminente para dar um aspeto mais musculado.

O trabalho compensa. A Volvo colocou praticamente toda a tecnologia da série 90, ao serviço deste Volvo XC40 — é o primeiro representante da série 40 a chegar ao mercado.

Neste modelo, aos motores e tecnologias que já conhecíamos dos seus «irmãos» maiores, junta-se agora a plataforma CMA (Compact Modular Architecture) e os motores tricilíndricos que são exclusivos desta plataforma — duas estreias absolutas do XC40. Por dentro, a qualidade dos materiais e o design também foi herdado dos irmãos maiores, com algumas diferenças… já vamos ver quais.

Olhar para ele

Temos de tirar o chapéu à Volvo. Os últimos modelos da marca sueca não dão muita margem de manobra à subjetividade das avaliações estéticas.

Dizem que os gostos não se discutem, mas o Volvo XC40 é, quanto a mim indiscutivelmente bem desenhado.

Volvo XC40 D4 AWD R-Design
De perfil.

A traseira é mais larga que a dianteira, para dar à carroçaria um aspeto mais desportivo e todas as formas da carroçaria estão bem resolvidas. Não há excessos de estilo, nem tão pouco proporções mal conseguidas. A Volvo voltou a acertar na fórmula.

De todo o modo, sintam-se à vontade para discordar de mim.

Neste aspeto o Volvo XC40 foi tão bem desenhado, que consegue inclusivamente esconder as suas reais dimensões, parecendo mais compacto do que é na realidade. Com 4,425 m de comprimento, por 1,863 m de largura e 1,652 m de altura, o XC40 alinha pelas dimensões dos seus mais diretos concorrentes: BMW X1, Mercedes-Benz GLA e Audi Q3.

Volvo XC40 D4 AWD
A dianteira do XC40 é inclusivamente mais elevada do que o XC60. Atributo que valeu ao Volvo XC40 (versão AWD) a classificação de Classe 2 nas portagens. Mas a história promete não ficar por aqui

Abrir a porta

Por dentro, temos mais uma boa amostra de toda a escola de design sueco. As formas que conhecemos do Volvo XC90 e XC60, repetem-se no «pequeno» Volvo XC40.

Mas este Volvo XC40 não é um mero XC90 à escala… é mais que isso.

O Volvo XC40 tem a sua própria identidade. Essa identidade é conseguida com recurso a detalhes exclusivos deste modelo, como as superfícies inferiores forradas num tecido que parece uma carpete, ou as soluções de arrumação de objetos — as marcas “imitam-se” em tantas coisas, não entendo porque é que não o fazem também neste aspeto. A solução do cabide no porta-luvas é genial…

Vê a galeria de imagens:

Que soluções de arrumação são essas? Um gancho no porta-luvas que permite pendurar uma mala de senhora (está aqui um vídeo), as portas com espaços de arrumação específicos para computadores e garrafas de água, o fundo falso da bagageira (com 460 litros de capacidade) com ganchos para pendurar os sacos das compras, entre tantas outras soluções que nos simplificam a vida. Uma das coisas que mais me enerva enquanto conduzo é objetos a rebolar dentro do carro… estou sozinho nisto?

Volvo XC40 D4 AWD R-Design
Gostei particularmente da combinação de cores do interior forrado a carpete encarnada nas zonas inferiores.

Quanto ao espaço para os ocupantes, não falta espaço nem à frente nem atrás. Nota-se que a Volvo sacrificou a capacidade da bagageira (inferior, por exemplo, ao BMW X1 que oferece 505 litros contra os 460 litros deste XC40) para incrementar o espaço disponível para os ocupantes traseiros. Enfiem a cadeiras dos putos lá atrás e comprovem…

Vamos para o volante?

O mote da campanha do Volvo XC40 para Portugal é “nada mais do que precisas”. Bem, esse princípio não se aplica à unidade que testámos, equipada com o motor D4 de 190 cv e 400 Nm de binário máximo, associada a uma caixa automática de oito velocidades e sistema de tração integral.

Esta versão tem muito mais «sumo» do que precisamos em 90% dos ocasiões.

Se este motor já impressiona no Volvo XC60, no Volvo XC40 ainda impressiona mais pelos ritmos que consegue imprimir. A velocidade máxima é de 210 km/h e a aceleração dos 0-100 km/h cumpre-se em menos de 8 s. O plataforma CMA pode até nem ter dificuldade em gerir a potência deste motor, mas a nossa carta de condução tem…

Volvo XC40 D4 AWD R-Design
D4 AWD. Que é como quem diz, 190 cv e tração integral.

A culpa é do comportamento dinâmico do Volvo XC40 D4 AWD R-Design — mais ágil e reativo do que o XC60. Por muito que o provoque à entrada das curvas (e eu provoquei-o bastante…), o SUV da marca sueca responde sempre sem qualquer drama. À saída das curvas, contem com a motricidade do sistema AWD para vos ajudar — principalmente em condições de aderência precária. Não é o SUV compacto mais entusiasmante de conduzir, mas é sem dúvida daqueles que mais confiança transmite a quem o conduz.

Estou convicto que a versão D3 de 150cv e tração dianteira, chega e sobra para as encomendas.

Quanto a consumos, finalmente consegui apurar as médias deste modelo — já o tinha testado em Barcelona mas não tinha conseguido tirar conclusões. O sistema de tração integral e os 190 cv de potência refletem-se nos consumos. Em ritmos moderados em circuito misto apurei uma média de 7,9 L/100 km. Mas é fácil subir para a casa dos 8,0 litros, o motor convida a velocidades elevadas…

Tenho de falar de segurança

Ao longo deste ensaio, apesar da potência do motor, tenho falado mais da confiança que o Volvo XC40 transmite, do que do entusiasmo que as suas prestações podem oferecer. Isto porque em termos dinâmicos a Volvo dá sempre mais ênfase à segurança do que a qualquer outra característica. O Volvo XC40 não é excepção.

Não há surpresas ao volante do XC40, nem eixos traseiros afinados para ajudar a inserir a dianteira em condução aplicada.

Características que não o tornam aborrecido, mas tornam-no menos desafiante para quem gosta de reações «vivas». Alias, como escrevi mais acima, este SUV sueco é exímio a esconder a velocidade a que circulamos.

Detalhes da traseira.

Em termos de equipamento de apoio à condução e segurança ativa, o Volvo XC40 alinha pela mesma bitola — ainda que os sistemas mais avançados tenham sido relegados para a lista de opcionais. De todo o modo, de série já podemos contar com sistema Collision Mitigation Support (este sistema ajuda-te a evitar colisões com veículos em sentido contrário atuando na direção), Lane Keeping Aid (Assistência à Manutenção na Faixa de Rodagem) e Brake Assist (travagem automática de emergência).

Não há dúvidas que o Volvo XC40 é um SUV muito seguro de si. Considerações finais na ficha de avaliação.

Preço

unidade ensaiada

68.852

Versão base: €57.160

Classificação Euro NCAP: 5

  • Motor
    • Arquitectura: 4 cilindros em linha
    • Capacidade: 1969 cm3
    • Posição: Transversal
    • Carregamento: Injeção direta CR, Turbo Geometria Variável
    • Distribuição: 2 a.a.c / 16 válvulas
    • Potência: 190 cv / 4000 rpm
    • Binário: 400 Nm / 1750-2500 rpm
  • Transmissão
    • Tracção: Integral
    • Caixa de velocidades: 8 velocidades
  • Capacidade e dimensões
    • Comprimento / Largura / Altura: 4425 mm / 1863 mm / 1652 mm
    • Distância entre os eixos: 2702 mm
    • Bagageira: 460 litros
    • Peso: 1803 kg
  • Consumo e Performances
    • Consumo médio: 5,1 l/100 km
    • Emissões de CO2: 135 g/km
    • Vel. máxima: 210 km/h
    • Aceleração: 7,9 s
  • Garantias
    • Pintura e corrosão: 3/8 anos
    • Mecânica: 2 anos sem limite de km
  • Equipamento
    • Ar Condicionado de 1 zona
    • Cleanzone (filtros de ar avançados para o habitáculo)
    • Fecho centralizado com comando remoto em couro R-Design
    • Painel de instrumentos digital de 12,3''
    • Inserções decorativas R-Design e volante desportivo
    • Rails de tejadilho preto brilhante
    • Carroçaria bi-color
    • Ponteira de escape dupla, visível
    • Faróis de LED MID
    • Cruise-control
    • Collision Mitigation Support, frente
    • Lane Keeping Aid
    • Sensores de ajuda ao estacionamento, atrás
    • Hill start assist
    • Sensor de chuva
    • Hill Descent Control
    • Airbags (frente, laterais, joelhos)
    • Audio High Performance
    • Display central de 9'' touchscreen com porta USB
    • Jantes em liga leve 18''
Extras
Alarme (492€); Fecho de segurança elétrico das portas traseiras (86€); Bancos Dianteiros Aquecidos (320€); Patilhas seletoras de velocidade no volante (873€); Fárois de LED High (554€); Lava-faróis (264€). PACK'S da unidade ensaiada: IntelliSafe Pro (1.587€); Park Assist Pro (1.907€); Xenium (1894€); Business (1.477€); Connect (443€); Versatility Pro (1.058€).
Avaliação
8 / 10
O Volvo XC40 é das melhores proposta deste segmento. E não precisa da dotação de equipamento desta unidade para o ser. Aquilo que mais importa é de série: boa qualidade de construção, solidez do conjunto, motores competentes e uma estética muito bem conseguida. A Volvo quer ser das marcas mais «chiques» do segmento premium e está a consegui-lo. A chegada das versões de tração dianteira ao mercado nacional (ainda este ano) deverão dar um «boost» às vendas do XC40 no nosso país. Ainda para mais se se confirmar a Classe 1 nas portagens para esta versão.
  • Versatilidade
  • Design
  • Segurança
  • Comportamento em estrada
  • Consumos desta versão
  • Lista de opcionais

Mais artigos em Testes, Ensaio

Os mais vistos