Desde 33 711 euros

Teste ao Mazda CX-5. Uma ameaça às referências alemãs?

O Mazda CX-5 é um bom testemunho do excelente momento de forma da marca japonesa. Sem dúvida, uma verdadeira alternativa aos SUV das marca premium.

O Mazda CX-5 é o modelo da Mazda mais vendido na Europa. A anterior geração foi um enorme sucesso de vendas e esta nova geração segue pelo mesmo caminho.

Trata-se de uma versão totalmente revista do SUV que em 2012 deu origem a toda uma nova geração de modelos Mazda, integrando pela primeira vez a tecnologia SKYACTIV e a linguagem de design KODO.

Evolução ao invés de revolução

Face à geração lançada em 2012 nota-se um salto substancial na qualidade, tecnologia e design. A linguagem KODO que definiu o primeiro Mazda CX-5 continua a marcar presença mas não se manteve estática.

A linguagem KODO evoluiu e refinou-se, como nos explicou Jo Stenuit, um dos responsáveis pelo centro de design da Mazda na Europa.

mazda cx-5

As superfícies depuraram-se e ganharam tensão. Há menos vincos e arestas. A frente ganhou tridimensionalidade, destacando-se a grelha mais proeminente na dianteira.

Em contraste, os restantes “gráficos” que identificam a marca — nomeadamente a assinatura luminosa das luzes traseiras — tornaram-se mais esguios e de aparência mais tecnológica.

No habitáculo, a atenção ao detalhe e o conforto foram melhorados, reflectindo uma apresentação mais cuidada. Um interior onde apenas o sistema de infotainment algo datado (mas fácil de operar) destoou.

mazda cx-5
Bons materiais e ótima montagem. Mas a melhor surpresa acontece quando ligamos o motor…

Mas além do aspeto visual e do tato, há outro sentido ao qual a Mazda deu especial destaque: a audição. O Mazda CX-5 está muito bem insonorizado e o motor 2.2 Skyactiv D é de uma suavidade assinalável. Respira-se silêncio a bordo.

Sensações ao volante

O Fernando Gomes conduziu o Mazda CX-5 há quase um ano, durante a apresentação internacional do modelo — podes recordar tudo o que ele escreveu neste primeiro contacto.

Confesso que quando vi o título desse artigo fiquei surpreendido. Porquê? Porque o Fernando não é propriamente o defensor mais acérrimo do conceito SUV, e vê-lo descrever daquela forma a dinâmica de um SUV deixou-me perplexo.

Mas ele tinha razão quando disse que existe substância por detrás da filosofia Jinba Ittai – a relação harmoniosa entre cavalo e cavaleiro – que a marca japonesa tanto defende. A resposta das suspensões, direção e chassis é muito correta com descrevi no vídeo.

Facto ao qual não será alheio os serviços do sistema G-Vectoring Control da Mazda, que distribui o binário de acordo com as necessidades em determinado momento.

Mazda CX-5 2.2 Skyactiv D AWD?

A unidade que testei no vídeo é a 2.2 Skyactiv D de 175 cv com tração integral. Como disse no vídeo, na minha opinião há uma versão melhor… e mais barata!

A menos que necessitem mesmo da tração integral e dos 25 cv de potência adicional (o que eu duvido…) o melhor Mazda CX-5 é o 2.2 Skyactiv D de 150 cv e tração dianteira. E se não conduzirem muito em cidade e gostarem de uma boa caixa manual, escolham a versão de caixa manual.

Não é a primeira vez que defendo aqui na Razão Automóvel que a versão mais cara não é obrigatoriamente a melhor opção…

Estou com isto a dizer que o Mazda CX-5 2.2 Skyactiv D de 175 cv AWD é mau? Não. Estou a dizer apenas que a versão de 150 cv é mais barata, consome menos, não perde quase nada em termos de performances e ainda por cima paga Classe 1 nas portagens (com Via Verde). Coloquem-me a escrever este texto na Serra da Estrela e talvez mude de opinião, mas em 99% dos casos a versão FWD é a mais sensata.

Espero que tenham gostado de mais este vídeo. Queremos que saibas que estamos a recolher o vosso feedback para melhorarmos ainda mais na segunda temporada do canal de YouTube da Razão Automóvel. Portanto comentem e subscrevam o nosso canal!

Preço

unidade ensaiada

53.900

Versão base: €33.711

Classificação Euro NCAP: 5 / 5

  • Motor
    • Arquitectura: 4 cil. em linha
    • Capacidade: 2191 cm3
    • Posição: Dianteira transversal
    • Carregamento: Turbo geometria variável+ intercooler
    • Distribuição: 2 a.c.c. 16 vávulas
    • Potência: 175cv às 4 500 rpm
    • Binário: 420 Nm às 2 000 rpm
  • Transmissão
    • Tracção: Integral
    • Caixa de velocidades: seis velocidades automática
  • Capacidade e dimensões
    • Comprimento / Largura / Altura: 4 550 mm / 1 840 mm / 1 675 mm
    • Distância entre os eixos: 2 700 mm
    • Bagageira: 477 litros
    • Peso: 1 610 kg
  • Consumo e Performances
    • Consumo médio: 5,8 litros/100km
    • Emissões de CO2: 152 gr/km
    • Vel. máxima: 206 km/h
    • Aceleração: 9,5 seg.
  • Equipamento
    • GPS+infotainment
    • Bancos aquecidos
    • Estofos em pele
    • Cruise-control adaptativo
    • Vetorização de binário
    • Head-up display
    • ABS+ESP+EBD
    • Travagem automática de emergência
    • Assistente de manutenção na faixa de rodagem
    • Ar-condicionado automático
    • Portas USB
    • Sistema de chave inteligente
    • Bancos com regulação electrónica
    • Sistema de som premium
    • Start-stop
    • computador de bordo
Avaliação
7 / 10
A Mazda não deve nada a ninguém em termos de tecnologia de motores, qualidade de construção e competência dinâmica. O sistema de infotainment é o único campo onde o Mazda CX-5 ainda não acompanha os melhores. De resto, é um produto cheio de potencial e qualidades. Por esta altura, ver a Mazda a medir forças com as melhores marcas do segmento não devia espantar ninguém. É por isso que vende mais do que nunca.
  • Qualidade dos materiais e montagem
  • Equilíbrio dinâmico / conforto
  • Isolamento acústico
  • Sistemas de ajuda à condução pouco evoluídos (cruise-control adaptativo)
  • Sistema de infotainment datado

Mais artigos em Testes, Ensaio

Os mais vistos