Desde 15 500 euros

Citroën C3 Aircross. Rei do espaço e do conforto?

O design e o conforto voltaram a ser dois dos pilares fundamentais da estratégia da Citroën e o resultado está à vista. O Citroën C3 Aircross é um produto bem conseguido e uma das propostas que deves ter em consideração se valorizas o espaço e o conforto.

Há muito que aguardava conduzir o Citroën C3 Aircross em Portugal. Já tinha tido oportunidade de o conduzir pelas estradas da Córsega (podes recordar o primeiro contacto neste link) e foi bom voltar a conduzi-lo em Portugal.

Foram mais de 600 km em apenas quatro dias que serviram para reforçar as sensações com que já tinha ficado: o Citroën C3 Aircross é dos modelos mais confortáveis do segmento. Um nível de conforto que felizmente não passa uma fatura pesada à vertente dinâmica. De todo. Apesar de bastante confortável, o Citroën C3 Aircross apresenta reações muito satisfatórias quando o ritmo aumenta mais do que devia…

O conjunto chassis/suspensões consegue efetivamente digerir de forma notável os movimentos da carroçaria, mas é no campo do conforto que este modelo se destaca. Portanto vamos abrandar o ritmo e entrar na cidade…

Como peixe na água em cidade

Em cidade, as suas dimensões compactas (que não têm correspondência no amplo espaço interior) são um excelente aliado. E esta unidade em particular contava com outro aliado de peso para o quotidiano, o estacionamento automático.

O sistema de estacionamento automático é rápido, eficaz e fácil de usar.

Três qualidades que nem sempre estão presentes nestes sistemas. Ora porque falham o seu propósito (estacionar o carro), ora porque a sua ativação é por vezes complexa. De qualquer modo, continuo a preferir estacionar de forma manual.

Desculpa, mas vou repetir aquilo que já disse no vídeo em destaque: o espaço a bordo é imenso! A solução dos bancos traseiros deslizantes está muito bem conseguida e permite fazer o volume da bagageira variar entre os 410 e os 520 litros — consoante avance ou recue o banco.

Citroen c3 aircross
Aquele momento do vídeo em que tento rebater o banco e não consigo. Culpa minha… não do sistema.

No interior, aquilo que menos gostei foi mesmo da centralização de todos os comandos nos sistema de infotainment. Chamem-me antiquado mas prefiro ter os comandos do ar-condicionado à mão de semear.

Faz swipe na galeria de imagens:

A caixa automática é competente e facilita a condução, mas prefiro a versão de caixa manual — com a caixa automática há um ligeiro tremer do motor que passa para o habitáculo. Se não fosse a boa insonorização e suavidade que marca todo o conjunto talvez nem desse por ela… mas dei.

Quanto ao motor 1.2 Puretech de 110 cv, chega e sobra não só para a cidade mas também para enfrentar uma estrada nacional.

Fugindo da cidade

Sinto um alívio sempre que vejo Lisboa pelo espelho retrovisor. A média de consegui neste ensaio (com cidade pelo meio) ficou-se pelos 7,4 litros/100km — valor que pode descer para a casa dos 6 litros/100 km numa toada mais calma ou em estrada aberta. Não é um valor propriamente baixo, mas também não é elevado.

Portanto contem com o Citroën C3 Aircross para as viagens mais longas. Os bancos apesar de aparentemente demasiado «moles» — torci o nariz quando o experimentei pela primeira vez — não castigam as costas nas tiradas mais longas, bem pelo contrário. Sei do que falo porque faço mais de 150 km todos os dias — ossos do ofício.

Citroen C3 Aircross 1.2 PureTech
Embora não pareça, os bancos têm apoio suficiente.

O programa Citroen Advanced Confort (CAC) não é um «conceito vazio» criado num departamento de marketing. Na prática resulta.

Quando conduzimos o Citroën C3 Aircross sentimos que a marca dedicou-se efetivamente ao capítulo do conforto. E o motor tem alma suficiente para enfrentar uma autoestrada sem problema.

Considerações finais

O valor base da versão Shine com esta motorização (1.2 PureTech 110) e caixa automática (EAT6) supera os 20 000 euros, mas se optarem pelo caixa manual o valor desce para a casa dos 19 000 euros.

Citroen C3 Aircross 1.2 PureTech

Como disse no vídeo, é um valor justo tendo em consideração tudo o que o Citroën C3 Aircross oferece em termos de conforto e equipamento. Há um link para o configurador na ficha técnica.

A versão que ensaiámos custa 23 100 euros, mas tinha alguns equipamentos que eu considero que não compensam. Exemplo? O sistema Grip Control (400 €). By the way… subscreve o nosso canal de YouTube — é simples, basta ires para este link. Todas as quartas-feiras e domingos publicamos um novo teste.

Preço

unidade ensaiada

23.106

Versão base: €19.206

Classificação Euro NCAP: 5 / 5

  • Motor
    • Arquitectura: 3 Cil. em linha
    • Capacidade: 1199
    • Posição: Transversal
    • Carregamento: Turbo
    • Distribuição: 2 a.c.c. / 12
    • Potência: 110 cv às 5 500 rpm
  • Transmissão
    • Tracção: Dianteira
    • Caixa de velocidades: Automática 6 vel.
  • Capacidade e dimensões
    • Comprimento / Largura / Altura: 4155 / 1765 / 1648
    • Distância entre os eixos: 2604
    • Bagageira: 410 litros
    • Jantes / Pneus: 215/50 R17 83T
  • Consumo e Performances
    • Consumo médio: 5,6 litros/100 km
    • Emissões de CO2: 126
    • Vel. máxima: 183
  • Equipamento
    • Sistema de infotainment c/ ecrã tactil de 7"
    • Sistema de som c/6 altifalantes. entrada USB e Jack
    • ABS+AFU+ESP+ASR+Ajuda ao arranque em subida
    • AFIL - Alerta de Transposição Involuntária de Linha
    • Acesso e arranque mãos livres
    • Active Safety Brake
    • Faróis automáticos
    • Faróis de nevoeiro com iluminação estática de intersecção
    • Limitador e regulador de velocidade
    • Reconhecimento dos painéis de velocidade e recomendação
    • Citroën Connect Box com Pack SOS e assistência incluída
Extras
Recarga sem fios para smartphones (100,00 €); Grip Control (inclui Hill Assis Descent Control) 400,00 €; PACK FAMILY 2 (150,00 €); Jantes em liga-leve diamantadas pretas de 17'' 4 EVER (100,00 €).
Avaliação
7 / 10
Neste segmento é difícil encontrar uma proposta que ofereça tanto espaço e conforto de rolamento como o Citroën C3 Aircross. É bom assistir ao regresso da Citroën aos princípios que a tornaram conhecida: design vanguardista e conforto. Não fico com saudades da caixa automática, apesar de cumprir o seu papel.
  • Conforto
  • Espaço
  • Equipamento de série
  • Caixa automática em modo normal
  • Excessivo recurso a comandos táteis

Mais artigos em Testes, Ensaio

Os mais vistos