Turbo, Híbrido, 680 cv

Pelo Alentejo ao volante do Porsche Panamera mais potente de sempre

Os 680 cv deste Porsche Panamera Turbo S E-Hybrid pediam planícies vastas. Eu fiz-lhe a vontade… rodei a chave (do lado esquerdo), fiz-me à estrada e fui até ao Alentejo.

Monforte. Terra de cavaleiros, de paisagens de cortar a respiração e muito mais. Foi nas estradas desta pequena vila do distrito de Portalegre, que eu privei com o Porsche Panamera Turbo S E-Hybrid ao longo de centenas de quilómetros. Nesta que é, simplesmente, a berlina mais potente e mais rápida da história da marca alemã. É um bom cartão de visita, não achas?

Continua a ler, porque se a apresentação promete, o resto não lhe fica atrás.

De Lisboa a Monforte

Rodo a chave (que já não é chave…) do lado esquerdo – um resquício de uma outra «era» das 24 Horas de Le Mans que a Porsche mantém no seu ADN – e o motor 4.0 litros V8 de 550 cv acorda com um som ronco e profundo. Acorda mesmo só para me dar as boas vindas, porque assim que arranquei adormeceu novamente.

Porsche Panamera Turbo S E-Hybrid
O pó que a carroçaria foi acumulando não deixa margem para dúvidas. Foi uma experiência de condução sem concessões.

Enquanto o potente V8 descansava, os primeiros quilómetros desta viagem foram da responsabilidade dos 136 cv de potência e 400 Nm de binário do motor elétrico do Porsche Panamera Turbo S E-Hybrid, que é alimentado por uma bateria de 14 kWh. Se assim entendermos (basta selecionarmos o modo 100% elétrico) podemos percorrer 50 km sem acordar o motor de combustão, cumprir os 0-60 km/h em apenas 6,0 segundos e atingir os 140 km/h de velocidade máxima. Tudo isto sem gastar uma gota de gasolina. Notável de facto, mas eu tinha outros planos…

Psst… acorda!

Assim que passei a Ponte Vasco da Gama acordei o motor V8. Recorrendo a uma expressão tipicamente alentejana, deixem-me dizer-vos que o motor elétrico e o motor de combustão fazem uma bela «parelha». Unidos sob os auspícios de uma caixa de dupla embraiagem PDK de oito velocidades esta parelha desenvolve 680 cv de potência combinada e 850 Nm de binário logo às 1400 rpm.

Porsche Panamera Turbo S E-Hybrid
Como é que uma berlina de 2.3 toneladas curva tanto? Só a Porsche é que sabe.

Resultado? As 2,3 toneladas de peso deste Porsche Panamera Turbo S E-Hybrid são disparadas dos 0 até aos 100 km/h em apenas 3,4 segundos. Leram bem, 3,4 segundos. Velocidade máxima: 310 km/h. Suspeito que a frieza dos números não acompanhe a insanidade destes valores na «vida real», é que estamos a falar de uma berlina de luxo que acompanha um Porsche 911 GT3 em linha reta. Um GT3!

O Porsche Panamera Turbo S E-Hybrid não é só números

Além da potência avassaladora, que nos empurra contra o banco com violência – sim, violência é a palavra certa – este Porsche Panamera Turbo S E-Hybrid também sabe ter bons modos. Nomeadamente no modo Confort.

No modo Confort o Panamera é tão confortável como a «classe executiva» da melhor companhia aérea, seja nos lugares da frente ou nos lugares traseiros. A suspensão lida de forma exemplar com os pisos mais degradados e os bancos oferecem um conforto e um apoio referenciais.

Porsche Panamera Turbo S E-Hybrid interior
Luxo desportivo. Esta expressão existe?

Outra nota importante para o ótimo isolamento acústico. Agora somem isto tudo (suspensões, bancos, etc), subtraiam um pouco de atenção à velocidade e sem querer já vão a mais de 240 km/h. Explicar isto às autoridades é mais difícil – e caro, muito caro.

Escusado será dizer que os 200 km de distância que separam a azáfama da capital da paz das planícies alentejanas foi cumprida num abrir e fechar de olhos. Se perdi pontos na carta de condução? Eventualmente sim. #noregrets

Interior recheado de tecnologia

Odeio repetir o que já foi escrito – e tão bem escrito! – pelo Diogo Teixeira aquando da apresentação do Panamera em Barcelona. Não vou repetir. Podem ler tudo aqui.

Deixa-me saltar tudo isso e passar já para o capítulo seguinte. Estás careca de saber – e se estás a pensar comprar um é possível que estejas literalmente careca (eu tenho “só” 31 anos e para lá caminho) – que o interior foi impecavelmente bem construído, que há espaço para os quatro passageiros esticarem os membros, que agora há menos botões na consola central e que o sistema de infotainment faz inveja a muitos computadores pessoais – e é fácil de operar, o que nem sempre acontece.

Porsche Panamera Turbo S E-Hybrid
Menos botões, muito menos botões.

Adeus autoestrada. Olá diversão

Pelos quase 200 000 euros que custa este Porsche Panamera Turbo S E-Hybrid, o que não faltam são alternativas capazes de nos fazerem sentir na classe executiva. Até aqui o Panamera na verdade não fez mais do que a sua obrigação (de forma muito rápida). Fomos de ponto A ao ponto B de forma rápida e confortável. Podia ter escrito o mesmo sobre um BMW Série 7, por exemplo…

Pois bem. É quando saímos da autoestrada e trocamos as retas pelas curvas que a superioridade do Panamera face à concorrência se revela. Mas para onde é que foram as 2,3 toneladas? Desapareceram?! Não. É engenharia.

Porsche Panamera Turbo S E-Hybrid
Elvas 32 km. Era capaz de jurar que estava a 5 km de distância.

Para a experiência ser completa convém selecionar o modo Sport Plus, que deixa os 680 cv em modo de «ataque» e as suspensões em modo “testa-me vá, testa-me!” – e eu testei. Vou tentar não repetir aquelas frases típicas como “as retas desapareceram”, “a aceleração lateral impressiona” ou “os travões são infatigáveis”. É tudo verdade, mas o que mais impressiona neste Porsche Panamera Turbo S E-Hybrid é mesmo o tato de condução.

Memorável

Como podem ver pelas imagens, conduzi este Porsche Panamera como se de um verdadeiro GT se tratasse. A explorar as curvas, as estradas mais recônditas – algumas inclusivamente mal asfaltadas. Suei das mãos e conduzi. Conduzi à séria!

Porsche Panamera Turbo S E-Hybrid
Em termos estéticos a evolução é ainda mais notória na traseira.

É um Porsche. Mesmo com 2,3 toneladas e dimensões XXL comporta-se como esperamos que um Porsche se comporte. Com tato. Com feeling. Enfim, é um Porsche. Curva como um, trava como um, acelera como um e é confortável como poucos.

Portanto, se gostas de conduzir mas tens de andar constantemente com clientes no carro (o 911 não é propriamente confortável atrás…), parabéns! O Porsche Panamera Turbo S E-Hybrid é o teu próximo carro. E o diretor do departamento financeiro da multinacional da qual eventualmente és proprietário não precisa de ficar em sobressalto. Calma! Fazendo uso das baterias, o consumo de gasolina não vai levar a empresa à falência. Consegui médias de 11 l/100 km.

Porsche Panamera Turbo S E-Hybrid
Aqui há gato.

Podia ter conseguido uma média mais baixa mas o meu «ego» não deixou. Quis ouvir, sentir e desfrutar do motor V8. Mas Porsche, podes meter na minha conta! Esta pago eu.

Porsche Panamera Turbo S E-Hybrid
O dia terminou da melhor maneira. Contemplando aquelas cores no céu que só o Alentejo nos oferece e fazendo contas à vida… quantos radares é que me terão “fotografado”?
Porsche Panamera Turbo S E-Hybrid
Visitei os postos de combustível menos vezes do que esperava. Culpa do sistema híbrido.
Porsche Panamera Turbo S E-Hybrid
Uma imagem vale mais do que mil palavras. Foi bom de facto.


Mais artigos em Primeiro Contacto

Os mais vistos

Pub