PACE! O futuro da Opel

Opel na PSA. Os 6 pontos chave do futuro da marca alemã (sim, alemã)

A Opel, agora uma marca do Grupo PSA, apresentou o "PACE!", o plano estratégico que tornará a Opel lucrativa, eletrificada e mais global. Rüsselsheim, Alemanha, continuará a ser o berço da marca.

Foi sem dúvida uma das “bombas” do ano na indústria automóvel. O Groupe PSA (Peugeot, Citroën e DS) adquiriu a Opel/Vauxhall à GM (General Motors), após quase 90 anos de permanência no gigante americano. Um processo de integração da marca alemã no grupo francês conheceu hoje um passo importante. Foi apresentado o “PACE!”, o plano estratégico da Opel para os próximos anos.

Os objetivos são claros. Em 2020 teremos uma Opel lucrativa, com uma margem operacional de 2% — aumentando até 6% em 2026 —, fortemente eletrificada e mais global. São as declarações do CEO da marca alemã, Michael Lohscheller:

Este plano é crucial para a empresa, protegendo os empregados de fatores externos negativos e tornando a Opel/Vauxhall numa companhia sustentada, lucrativa, eletrificada e global. […] A implementação já foi iniciada e todas as equipas estão a trabalhar para alcançar os objetivos.

Opel CEO Michael Lohscheller
Opel CEO Michael Lohscheller

Sinergias

Agora integrada no Groupe PSA, haverá uma transição progressiva, mas acelerada, do recurso a plataformas e componentes GM para os do grupo francês. Prevê-se que as sinergias ascendam a 1,1 mil milhões de euros por ano em 2020 e 1,7 mil milhões em 2026.

Esta medida, como outras que incrementarão a eficiência das operações de todo o grupo, resultarão numa redução de custos na ordem dos 700 euros por unidade produzida até 2020. Da mesma forma, o break-even financeiro da Opel/Vauxhall será inferior ao atual, prevendo-se que se situe na fasquia das 800 mil unidades/ano. Condições que resultarão num modelo de negócio mais sustentável e lucrativo, independentemente de fatores externos negativos.

Fábricas

Após rumores inquietantes que falavam em encerramento de fábricas e despedimentos, o “PACE!” traz alguma tranquilidade. O plano é claro nas suas intenções em manter todas as fábricas abertas e evitar rescisões compulsivas. No entanto, a necessidade de redução de custos permanece. Pelo que, a este nível, serão implementados programas de rescisão voluntária e de reformas antecipadas, assim como cargas horárias alternativas.

O Groupe PSA passa assim a ser o segundo maior grupo em número de fábricas na Europa, que se estendem por todo o continente, desde Portugal à Rússia. São 18 unidades de produção, só ultrapassado pelas 24 unidades do Grupo Volkswagen.

O plano implica aumentar a competitividade das fábricas, estando em marcha um plano para redistribuir os modelos produzidos, resultando num melhor aproveitamento destas. Previsivelmente, nos próximos anos, todas as fábricas pertencentes à Opel serão convertidas para produzir modelos derivados das plataforma CMP e EMP2 do Groupe PSA.

Centro de Pesquisa e Desenvolvimento de Rüsselsheim

Não é possível minimizar a importância do Centro de Pesquisa e Desenvolvimento de Rüsselsheim. Foi a coluna vertebral de muito do hardware e tecnologia que ainda hoje sustenta uma parte considerável do portefólio da GM.

Com a integração da Opel na PSA, em que a marca alemã passará a usufruir das plataformas, motorizações e tecnologia dos franceses, temeu-se o pior para o histórico centro de pesquisa e desenvolvimento. Mas não há nada a temer. Rüsselsheim continuará a ser o centro onde os Opel e Vauxhall continuarão a ser concebidos.

Até 2024 a Opel verá o número de plataformas que usa nos seus modelos reduzir-se das atuais nove a apenas duas — CMP e EMP2 da PSA —, e as famílias de motores passarão de 10 a quatro. Segundo Michael Lohscheller, graças a esta redução “reduziremos substancialmente a complexidade de desenvolvimento e produção, o que resultará em efeitos de escala e sinergias que darão um contributo para os lucros”

Mas o papel do centro não se ficará por aqui. Será transformado num dos principais centros de competências globais para todo o grupo. Pilhas de combustível (fuel cell), tecnologias associadas à condução autónoma e assistência à condução são as áreas de trabalho prioritárias para Rüsselsheim.

Eletrificação

A Opel quer tornar-se no líder europeu em baixas emissões de CO2. É objetivo da marca que, até 2024, todos os modelos de passageiros incorporem algum tipo de eletrificação – híbridos plug-in e 100% elétricos estão nos planos. É de esperar igualmente motores térmicos mais eficientes.

Em 2020 serão quatro os modelos eletrificados, onde se inclui Grandland X PHEV (híbrido plug-in) e uma versão 100% elétrica do próximo Opel Corsa.

Opel Ampera-e
Opel Ampera-e

Esperem muitos modelos novos

Como seria de esperar, o “PACE!” também significa novos modelos. Já em 2018 conheceremos uma nova geração do Combo — o terceiro modelo do acordo efetuado entre a GM e PSA pré-venda, onde se inclui o Crossland X e Grandland X.

Mais relevante é o surgimento de uma nova geração do Corsa em 2019, com a Opel/Vauxhall a pretender lançar nove novos modelos até 2020. Entre outras novidades, em 2019, entrará em produção um novo SUV na fábrica de Eisenach derivado da plataforma EMP2 (a mesma base de carros como o Peugeot 3008), e Rüsselsheim também será o local de produção para um novo modelo de segmento D, também derivado da EMP2.

Opel Grandland X

Crescimento

Um plano estratégico para o futuro como o “PACE!” não seria um plano se não falasse em crescimento. Dentro da GM, a Opel mantinha-se confinada à Europa, salvo raras exceções. Noutros mercados, a GM dispunha de outras marcas como a Holden, Buick ou Chevrolet, muitas vezes vendendo produtos desenvolvidos pela Opel — por exemplo, veja-se o portefólio atual da Buick e encontrarão lá o Cascada, o Mokka X ou o Insignia.

Agora, na PSA, existe mais liberdade de movimentos. A Opel expandirá a sua atividade a 20 novos mercados até 2020. Outra área de crescimento prevista é nos comerciais ligeiros, onde a marca alemã adicionará novos modelos e marcará presença em novos mercados, com o objetivo de aumentar as vendas em 25% até ao final da década.

Sabes responder a esta?
O novo Opel Insignia GSI conseguiu ser 12 segundos mais rápido que o anterior Insignia OPC em que circuito?
Não acertaste.

Mas podes descobrir a resposta aqui:

Opel Insignia GSI mais rápido 12 segundos que Insignia OPC no Nürburgring

Mais artigos em Notícias

Os mais vistos