Condutores portugueses revelam um comportamento agressivo ao volante

A escala DBS permite comprovar que existe uma relação direta entre a agressividade ao volante e o aumento de risco de acidente rodoviário.

Gritar, dizer palavrões, fazer gestos menos simpáticos, buzinar desnecessariamente são comportamentos frequentes nos condutores portugueses. Quem nunca…

No entanto, todos sabemos que na estrada a paciência é uma virtude, e o comportamento agressivo e hostil em situações de stress ao volante pode contribuir para aumentar o risco de acidentes.

A propósito do Dia Mundial do Trânsito e da Cortesia ao Volante, que se assinala a 5 de maio, a Continental Pneus e o IPAM (Instituto Português de Administração de Marketing) apresentaram os resultados do estudo que procurou saber quais os comportamentos mais frequentes dos automobilistas nacionais em situações de stress ao volante.

CRÓNICA: Aos super-heróis das estradas, mais cortesia por favor

A análise dos dados de comportamento medidos a partir da escala DBS – Driven Behavior Scale – permite concluir que 27% dos condutores inquiridos revelam um comportamento agressivo e hostil em situações de stress ao volante. Um prática que é mais frequente do que se possa pensar: apenas 34,8% dos inquiridos afirma nunca ter demonstrações de irritação para com os outros automobilistas.

Dia Mundial do Trânsito e da Cortesia ao Volante

A maioria dos inquiridos afirma já ter dirigido palavrões a outro condutores, sendo que 14% o faz de forma frequente e muito frequente. Gritar com os outros condutores acontece frequentemente com 35% dos automobilistas.

O estudo permitiu concluir também que mais de 26% dos inquiridos faz “gestos” para os condutores que os enervam; somente 31,8% dos inquiridos nunca buzinou, e 30% fazem-no frequentemente.

A NÃO PERDER: O carro mais eficaz no «teste do alce» é um…

Os dados recolhidos permitem ainda aferir que os condutores que mais se preocupam em manter um estilo de vida saudável são os que revelam menos tendência para a agressividade ao volante. No sentido oposto, os condutores que percecionam ter mais stress na sua atividade profissional são os que revelam um comportamento mais agressivo ao volante.

De acordo com o IPAM, o estudos anteriores já comprovaram que os estados emocionais alterados poderão ser indutores de maior risco ao volante. Keep calm, and drive safe

Segue a Razão Automóvel no Instagram e no Twitter

Mais artigos em Notícias