Recharge No modo Recharge está a reduzir a sua pegada ecológica.

Obrigado por guardar energia para o que mais importa.

Uma iniciativa
x

Recharge

Estamos a guardar energia para o que mais importa.

Os próximos anos da Porsche vão ser assim

O futuro da Porsche passa inevitavelmente pela eletrificação parcial ou total de alguns modelos. Revelamos os planos da marca para os próximos anos.

O ano passado foi muito bom para a Porsche. Vendeu 238 mil carros (mais 6%), com o Macan a liderar a preferência dos consumidores. Os lucros também cresceram 4%, totalizando 3.9 milhares de milhões de euros. É a segunda marca mais lucrativa do grupo Volkswagen (a Audi está em primeiro), e a boa saúde financeira da marca permite uma base sólida para enfrentar o futuro.

Futuro que se revela desafiante. Também a Porsche tem de preparar-se para as futuras normas de emissões que prometem endurecer bastante a partir de 2021. A eletrificação parcial e até total de alguns dos seus modelos, mais que uma opção, é uma inevitabilidade. Nesse sentido, a Porsche já deu indícios do caminho a seguir.

O Porsche Mission E

Em 2015 a Porsche apresentou o impressionante concept Mission E. Na altura apelidado como o rival mais temido do Tesla Model S, o protótipo deu-nos uma visão do que seria uma berlina da marca de Estugarda motivada exclusivamente a eletrões. Das luzes do salão para a realidade, o Mission E será adicionado ao portefólio da marca em 2019 ou 2020.

2015 Porsche Mission E - traseira

Será o primeiro Porsche exclusivamente elétrico e dúvidas persistem sobre se a marca conseguirá manter o seu ADN num modelo de características tão distintas. Déjà vu – exatamente as mesmas questões quando a Porsche apresentou o Cayenne no início deste século.

Segundo Oliver Blume, o diretor executivo da marca, o Mission E, posicionar-se-á abaixo do Panamera:

O Mission E ficará no segmento abaixo do Panamera. Oferecerá uma autonomia de 500 km, com um tempo de carga de 15 minutos .

Os mencionados 15 minutos são surpreendentes. Batem tudo o que existe no mercado, inclusive o que a Tesla oferece. Tal redução de tempo só é possível graças ao recurso de um sistema de carga de 800 volts, tal como o concept, o dobro do que podemos encontrar atualmente na Tesla.

O único travão existente a tal possibilidade continua a ser a infraestrutura. A Porsche já colabora com diversas entidades, tanto dentro do grupo Volkswagen como fora, de modo a tornar possível uma rede de carregamento compatível num futuro próximo.

2015 Porsche Mission E detalhe

VIDEO: TOP 5: os melhores protótipos da Porsche

Tal como outros modelos Porsche, também o Mission E conhecerá diversas versões, com diferentes níveis de potência. A marca espera vender cerca de 20 mil unidades por ano, pelo que justifica a diversificação. Prevê-se que a versão inicial do Mission E iguale os 600 cavalos de potência do concept, distribuidos por dois motores, um em cada eixo.

Outra novidade do modelo será a possibilidade de atualizações de software diretas, como já podemos ver na Tesla. Poderá permitir atualizações não só do sistema de infoentretenimento, como também pode libertar mais potência dos motores elétricos – opção que ainda está a ser discutida na marca.

O Mission E não será o único elétrico da Porsche

A Porsche não ficará limitada ao Mission E no que toca às zero emissões. Integrada no grupo Volkswagen, também a marca alemã assume um papel no plano do grupo TRANSFORM 2025+. Este plano contempla, entre diversos objectivos, o lançamento de 30 veículos elétricos até 2025, data em que o grupo alemão prevê vender cerca de um milhão de veículos elétricos por ano.

2015 Porsche Macan GTS

O contributo da Porsche, para além do Mission E, será providenciado por uma versão zero emissões do Macan, um dos SUV da marca. É o modelo referido como candidato mais provável para esse papel. O diretor comercial da marca Detlev von Platen refere-se a essa possibilidade:

Temos outras ideias para além do Mission E. é, claramente, uma gama que podemos imaginar .

Híbridos, muito mais híbridos

A apresentação do Porsche Panamera Turbo S E-Hybrid foi uma surpresa. Não por ser um híbrido – já havia um Panamera e um Cayenne híbridos -, mas por assumir-se como o pináculo da gama. Uma decisão inédita, pois apesar de ter híbrido no nome, ao assumir-se como o topo de gama, destaca-se mais pelas performances do que pelos argumentos ecológicos.

2017 Porsche Panamera Turbo S E-Hybrid

O Panamera não será o único, já que a Porsche prepara um Cayenne nos mesmos moldes. O SUV deverá herdar do Panamera o mesmo grupo motriz, ou seja, o V8 de 4.0 litros twin turbo e o motor elétrico totalizando 680 cavalos de potência, mais 110 que o Turbo S atual.

E a gama de híbridos da marca não deverá ficar-se pela berlina e pelo SUV. Também os modelos desportivos da Porsche – o 718 Boxster, 718 Cayman e o eterno 911 -, conhecerão versões híbridas.

De momento não se sabe muito mais, apenas que as probabilidades da chegada destes desportivos híbridos comece no início da próxima década. Tendo como referência os resultados alcançados com o Porsche 918 Spyder, talvez os receios que possamos ter sobre um Porsche 911 híbrido sejam totalmente infundados.

Segue a Razão Automóvel no Instagram e no Twitter

Mais artigos em Notícias