Recharge No modo Recharge está a reduzir a sua pegada ecológica.

Obrigado por guardar energia para o que mais importa.

Uma iniciativa
x

Recharge

Estamos a guardar energia para o que mais importa.

Ensaio

Mitsubishi Outlander PHEV: alternativa racional

Quando pensamos em SUV's de 7 lugares com tração às quatro rodas, associamos de imediato a muito espaço a bordo mas também grandes consumos e elevados índices de poluição. O Mitsubishi Outlander PHEV chegou e alterou esse paradigma.

Consulta a lista completa de equipamento e especificações aqui.Quando foi lançado em 2013, o Mitsubishi Outlander PHEV foi desde logo um sucesso no segmento. Com mais de 50 mil unidades vendidas na Europa, o siliencioso SUV passou a ser uma das grandes prioridades da marca.

Recentemente renovado, o novo Mitsubishi Outlander PHEV apresenta agora uma dianteira com a assinatura “Dynamic Shield” semelhante ao Mitsubishi Outlander 2.2 DI-D, enquanto que no interior os olhos ficam postos no cuidado acrescido nos acabamentos e melhorias na insonorização.

Os grandes destaques do novo Outlander PHEV são, sem dúvida, as melhorias a nível mecânico e o silêncio a bordo – reinante como em poucos modelos do segmento. A parceria entre o motor térmico de 2.0 litros de 121 cv com os dois motores elétricos de 82 cv cada, é agora mais suave – em cidade, praticamente nunca foi ativado o motor térmico. O motor do Mitsubishi Outlander PHEV revela-se adequado para tiradas mais longas (870 km de autonomia total) e a caixa já não deixa o motor subir tanto de rotação como anteriormente.

Mitsubishi Outlander

Em modo híbrido, os consumos são efectivamente baixos mas afastam-se ligeiramente dos anunciados pela marca (1.8 l/100 km no modo elétrico e 5,5 l/100 km no modo híbrido). Durante o nosso teste, registámos consumos 25% mais elevados do que o anunciado.

Quando carregado, o sistema elétrico aguenta sozinho até aos 52 km/h sem gastar uma gota de gasolina, contudo, com as baterias descarregadas e sem a possibilidade de encontrar um posto de abastecimento elétrico por perto, em condução citadina os consumos sobem para a casa dos 8l/100 km.

Apresentação Mitsubishi Outlander PHEV 2016 com argumentos renovados

Recarregar o Mitsubishi Outlander PHEV é simples: numa tomada convencional (doméstica), a carga completa demora 5 horas, o que se traduz em 1 euro de gasto energético na fatura de eletricidade. Na rede de carregamento público, são precisas 3 horas para uma carga completa e em postos de carga rápida, a percentagem de bateria atinge os 80% em apenas 30 minutos.

Mitsubishi Outlander PHEV
Mitsubishi Outlander PHEV

O SUV nipónico tem ainda o botão Save que permite manter 50% da bateria para quando for necessário potência extra ou o botão Charge, que usa combustível para recarregar a bateria. Para auxiliar à recuperação de bateria, o PHEV tem vários modos regenerativos, desde o mais fraco até ao mais intenso, onde conseguimos sentir o carro a travar para aumentar a percentagem de carga.

Dentro do habitáculo, o Mitsubishi Outlander PHEV oferece bancos traseiros rebatíveis (60:40), e dianteiros com aquecimento – destes, apenas o banco do condutor dispõe de ajuste elétrico. Ao nível do infoentretenimento, encontramos um sistema com ligação bluetooth, navegação, câmara 360º (que ajuda bastante nas manobras mais apertadas num carro de quase 5 metros) e também as informações de fluxo energético, que ajudam na diminuição dos níveis de consumo.

Dinamicamente não compromete e em condições de aderência precária o sistema de tração integral é uma grande mais valia. O Mitsubishi Outlander PHEV está disponível por 46 500 euros na versão Intense e por 49 500 euros na versão Instyle (testada).

Consulta a lista completa de equipamento e especificações aqui.

Ficha técnica
Mitsubishi Outlander PHEV

Preço

unidade ensaiada

49.500

Versão base: €46.500

Classificação Euro NCAP: N/D

  • Motor
    • Arquitectura: 4 cilindros
    • Capacidade: 1998
    • Potência: 203 cavalos
  • Transmissão
    • Tracção: Integral
    • Caixa de velocidades: Automática
  • Consumo e Performances
    • Consumo médio: 5,5 l/100 km (modo híbrido)
    • Vel. máxima: 170 km/h
    • Aceleração: 11 segundos
Avaliação
Dinamicamente não compromete e em condições de aderência precária o sistema de tração integral é uma grande mais valia. 

Mais artigos em Testes, Ensaio