Lógotipo

A História dos Logótipos: Rolls-Royce

Da imagem feminina à sobreposição dos R's, o histórico emblema da Rolls-Royce é um dos mais belos do universo automobilístico.

Conhecida pelos seus modelos de luxo, a Rolls-Royce foi em tempos uma marca exclusiva da realeza e dos chefes de estado britânicos. A empresa, originalmente fundada em 1906 em Manchester, Inglaterra, é hoje subsidiária da BMW, tendo alcançado ao longo dos anos o merecido estatuto de uma das mais conceituadas marcas do mundo.

Mas como terá surgido o icónico símbolo da Rolls-Royce? O entrelaçado dos R’s é fácil de adivinhar, pois advém da junção dos apelidos dos seus fundadores: Frederick Royce e Charles Rolls. Primeiramente, a empresa foi batizada de Rolls and Royce Co., mas o “and” acabou por cair para dar lugar a um hífen.

Curiosamente, o logótipo original tinha acabamentos a encarnado, uma cor mais ligada a movimentos revolucionários socialistas do que a nobreza – dito isto, o encarnado acabou por dar lugar ao mais discreto preto. Frederick Royce achou que a símbolo ficaria mais elegante com as letras em preto – reza a lenda que após a sua morte, em 1933, a cor preta seria um sinal de luto pelo falecimento de um dos fundadores da marca.

Rolls-Royce-emblem

VEJAM TAMBÉM: Edição especial Zenith marca o fim do Rolls-Royce Phantom VII

Mas se existe algo de marcante no logótipo da Rolls-Royce é sem sombra de dúvida a escultura feminina em prata pousada sobre o capot. A origem da escultura – que recebeu o nome de “Spirit of Ecstasy” – remonta ao século XIX está relacionada com um episódio romântico.

O protagonista desta história romântica é John Douglas-Scott-Montagu, um político conservador britânico que era considerado um pioneiro no desenvolvimento da indústria automóvel, com aproximações à prestigiada marca inglesa. Montagu teve dois casamentos: primeiro com Lady Cecil Kerr e mais tarde com Alice Pérola. Contudo, o político nunca amou verdadeiramente nenhuma das suas mulheres. Prova disso foi o facto de ter mantido durante dois anos um relacionamento com a sua amante, Eleanor Thornton.

rolls royce

Mas o que é que este romance tem a ver com o logótipo da Rolls-Royce? O escultor Charles Robinson Sykes, uma das poucas pessoas que testemunhou de perto o relacionamento entre John Montagu e Eleanor Thornton, ofereceu-se para esculpir uma escultura que simbolizasse a história de amor entre o casal.

RELACIONADO: Conhece a história do logótipo da BMW (a história das hélices é treta…)

Eleanor Thornton aceitou a proposta e posou durante vários dias até o trabalho estar concluído. A escultura foi de tal forma bem conseguida que John Montagu teve a ideia de fazer acompanhar todos os Rolls Royce com a imagem de Eleanor Thornton. Assim nasceu “A Mulher Alada”, ou se preferirem, o “Spirit of Ecstasy”, ainda presente nos actuais modelos ingleses. Qual São Valentim, qual Milagre das Rosas… a história do logótipo do Rolls-Royce merecia um feriado nacional no Reino Unido! Ou talvez já estejamos a exagerar…

Mais artigos em Clássicos

Os mais vistos