McLaren P1 GTR: O regresso às origens lendárias do F1 GTR

Depois dos lançamentos do McLaren 650S GT3 e 650S Sprint, surge agora o McLaren P1 GTR, a versão mais extrema do P1, apresentada em Pebble Beach e pronta para assaltar os palcos dos circuitos mundiais.

O novo McLaren P1 GTR tem uma difícil tarefa: retomar as velhas glórias obtidas com o F1 GTR e ser a derradeira máquina de pista da casa McLaren. O P1 GTR será inteiramente produzido, mantido e comercializado pela divisão de operações especiais da McLaren, a MSO.

2014-McLaren-P1-GTR-Design-Concept-Duo-F1-1-1680x1050

Sem homologação para circular na vias públicas, o P1 GTR será uma pura máquina de pista. Segundo a McLaren a mais potente e eficaz de sempre da história da marca. Para isso a MSO melhorou a base do P1 com um kit aerodinâmico de exceção, pneus slicks de competição e um conjunto de sistemas tais como: IPAS, DRS e ERS, tudo tecnologia vinda da F1. Mas já lá vamos.

VEJAM TAMBÉM: A história do fundador da Mclaren, o genial e incontornável Bruce Mclaren

Começamos pelo sistema IPAS ( Instant Power Assist), que com o bloco M838T foi ligeiramente optimizado para debitar uns estrondosos 1000 cavalos de potência combinada no P1 GTR.

Passando à tecnologia DRS (Drag Reduction System), que opera no capítulo da diminuição da resistência aerodinâmica e ao mesmo tempo na sua própria sustentação. Foi a área onde o P1 GTR esteve mais tempo em desenvolvimento, pois o P1 GTR conta com um alargamento de vias face ao P1 de 80mm e vem equipado com um difusor frontal mais agressivo.

2014-McLaren-P1-GTR-Design-Concept-Studio-4-1280x800

Outro dos pormenores interessantes no P1 GTR é a carroçaria moldada à medida da estrutura MonoCell. No P1 GTR passa a denominar-se MonoCage, num processo apelidado pela McLaren de “Shrink-Wrapped” em que o molde da carroçaria em fibra de carbono cobre a estrutura MonoCell e onde é depois submetido ao vácuo de modo a adaptar-se à estrutura e ser posteriormente cozida.

Tal como o McLaren 650S GT3, o P1 GTR conta com jantes de perno central e elevadores pneumáticos integrados para facilitar as trocas de pneus. Ao contrário do P1 de estrada, o P1 GTR conta com um sistema de escape central desenvolvido especificamente para o P1 GTR, fabricado em titânio e inconel – uma mistura de ligas de níquel e crómio, montado num esquema de linha direta.

PARA RECORDAR: RUF CTR Yellowbird, isto sim são «driving skills»!

Na traseira do P1 GTR, temos uma asa GT de grandes dimensões, com altura fixa mas em que os ângulos de ataque da lâmina são regulados hidraulicamente pelo sistema DRS, de modo a melhorar a aceleração e a performance, ao mesmo tempo que os níveis de Downforce sustentam o carro.

2014-McLaren-P1-GTR-Design-Concept-Studio-3-1280x800

O P1 GTR conta também com deflectores frontais que são operados pelo sistema de aerodinâmica ativa, melhorando a estabilidade em curva.

O sistema ERS, (Energy Recovering System), conta com comandos tal e qual os usados na F1, com o botão ao estilo Push-to-Pass – ou seja sempre que houver energia suficiente, pode-se recorrer à potência extra do motor eléctrico à distancia de um toque num botão.

O esquema de cores para apresentação do P1 GTR, vai buscar um pouco de história ao saudoso F1 GTR, pois o F1 GTR de testes, como Chassis #01R usava este mesmo esquema de cores com o prateado e o laranja.

2014-McLaren-P1-GTR-Design-Concept-Duo-F1-2-1680x1050

O McLaren P1 GTR, traz consigo o pacote de condução Driver’s Programme, que inclui treino de condução especializada, programa de treino no simulador da McLaren e um programa de assistência a equipas.

A McLaren ainda não divulgou oficialmente quantas unidades do P1 GTR irá produzir, mas já deixou antever que irá comercializar cada uma com um preço a rondar os 2,47 milhões de euros antes de impostos. Competir com esta máquina não será um exercício de economia mas certamente fará muitos pilotos felizes…

Mais artigos em Notícias