Recharge No modo Recharge está a reduzir a sua pegada ecológica.

Obrigado por guardar energia para o que mais importa.

Uma iniciativa
x

Recharge

Estamos a guardar energia para o que mais importa.

EMEL lança inquérito e admite rever tarifários

Lisboetas atenção que esta notícia é especialmente para vocês: A EMEL (Empresa Pública de Estacionamento) prepara-se para distribuir um inquérito para saber se os seus “clientes” estão satisfeitos com o trabalho da empresa e, tendo em conta a difícil situação do país, afirma que poderá haver uma alteração dos tarifários atuais.

Para António Júlio de Almeida, presidente da empresa, “a EMEL produz tempo e mobilidade. Temos de garantir que as pessoas circulem bem, não gastem tempo excessivo à procura de estacionamento. Quase 10% da população de Lisboa é cliente da EMEL, e por isso, temos de perceber se estamos a fazer bem o nosso trabalho“.

Estamos sempre a procurar melhorar. Temos de apurar as necessidades das pessoas. A nossa ideia é, para o ano, ter conclusões e meter no terreno as medidas que hão de resultar deste inquérito“, acrescentou o presidente da empresa à agência Lusa.
Mas por muito bom que seja o trabalho da EMEL, o que mais nos interessa a nós, clientes, é saber se irá haver mexidas para melhor (entenda-se, baixar os preços dos tarifários). Segundo António de Almeida, “muito mudou nos últimos anos e o peso das despesas é muito maior do que era há 20 anos. Gostava que as despesas com o estacionamento não fosse uma sobrecarga adicional no orçamento das famílias”. Nós também Sr. Presidente…

Por isso, admite que a “empresa possa vir a propor e a câmara possa vir a mexer no sistema tarifário para reequilibrar estas coisas”.

O inquérito será efetuado via telefónica entre 30 de outubro a 24 de novembro, a cerca de 2 mil cidadãos residentes em Lisboa, não-residentes, comerciantes, estudantes e cidadãos com mobilidade reduzida. Serão ainda distribuídos 110 mil folhetos em caixas de correio nas zonas onde a EMEL atua e nas zonas onde vai atuar em breve.

Texto: Tiago Luís
Fonte: Económico

Mais artigos em Notícias