Jaguar I-Pace testado. Melhorar o que já era muito bom

Estamos a guardar energia para o que mais importa.

Desde 88 832 euros

Jaguar I-Pace testado. Melhorar o que já era muito bom

O Jaguar I-Pace já recebeu a primeira grande atualização e nós fomos perceber o que mudou. Sem surpresa, este «felino» ficou ainda melhor.

Desde que foi lançado, em 2018, o Jaguar I-Pace afirmou-se de imediato como um dos elétricos mais empolgantes de conduzir.

Com o passar do tempo foram aparecendo cada vez mais propostas concorrentes e para se certificar que o seu 100% elétrico continuava «em forma», a Jaguar deu-lhe a primeira atualização relevante em 2021.

Agora, e para descobrir o que mudou, já o pusemos à prova na versão Black Edition e lançamos-lhe um desafio: 750 km num fim de semana, com uma viagem (de ida e volta) entre Lisboa e a Covilhã, com direito a passagem pela Serra da Estrela.

A NÃO PERDER: No futuro da Jaguar há uma “Panthera”
Jaguar I-Pace perfil © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

O que mudou?

Na sua primeira grande atualização, o Jaguar I-Pace recebeu uma grelha dianteira redesenhada e jantes de novo desenho, ao mesmo tempo que passou a oferecer duas soluções para o tejadilho, que pode ser panorâmico (fixo em vidro) ou ser metálico.

Jaguar I-Pace grelha
Grelha dianteira foi renovada na mais recente atualização do I-Pace. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

No habitáculo, destaque para o ecrã inferior da consola central, para a nova solução de iluminação ambiente e para a nova função de deteção de mãos no volante.

Atrás, os bancos traseiros passam a oferecer de série o rebatimento na proporção 40:20:40.

Jaguar I-Pace
Unidade que testámos contava com um tejadilho panorâmico fixo em vidro. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

A Jaguar também aproveitou a ocasião para reforçar o conteúdo tecnológico do seu elétrico. O exemplar que testámos contava com a solução Pivi Pro, que conjuga dois ecrãs centrais (opcional) com um terceiro, da instrumentação.

Mais rápido a carregar

Esta atualização deixou ainda o I-Pace mais rápido, mas a carregar. Agora, com uma wallbox de 11 kW é possível recuperar e recarregar 53 km de autonomia (ciclo WLTP) por hora e repor 127 km em 15 minutos num carregador (corrente contínua) de 100 kW.

E por falar em carregamentos, importa dizer que este I-Pace conta de série com um carregador de 11 kW a bordo. Contudo, o cabo de carregamento doméstico é opcional e custa 269 euros.

Números de desportivo

O Jaguar I-Pace não é um desportivo, mas quando olhamos para a sua ficha técnica, podemos pensar que sim. Então veja-se: 0 aos 100 km/h em 4,8s e menos de 2s para recuperar de 40 km/h para 80 km/h.

Estes números são, naturalmente, «obra» dos dois motores elétricos — um por eixo, garantem tração integral, e cada um com a sua caixa redutora de relação fixa — desta proposta, que oferecem uma potência máxima combinada de 294 kW (400 cv) e 696 Nm de binário máximo.

Jaguar I-Pace ecrã central
A bateria está montada entre os eixos, numa posição muito baixa, garantido assim um centro de gravidade também ele muito baixo. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

A gerir tudo isto está uma bateria de iões de lítio, montada em posição central (entre os eixos e o mais baixo possível), que oferece 90 kWh de capacidade máxima (a Jaguar não revela a capacidade útil).

Dinâmica continua a fazer inveja a alguns rivais

Mas se os números que este elétrico é capaz de «arrancar» nos deixam logo em sentido, continua a ser o seu comportamento dinâmico que nos faz querer voltar a conduzi-lo.

A NÃO PERDER: “Terminator” em forma de SUV. Conduzimos o Mercedes-Benz EQC 4×4²

Já tinha escrito isto quando guiei o I-Pace pela primeira vez e volto a repeti-lo: é o elétrico do segmento mais divertido de conduzir.

O posicionamento muito baixo da bateria ajuda muito a que assim seja, tal como a distribuição das massas, que é quase equitativa, graças à «arrumação» dos motores.

Jaguar I-Pace
Tenho que vos confessar que gosto muito dos volantes da Jaguar. Gosto da pega, do feeling dos botões e do desenho. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

Mas é a competência do chassis, o comportamento da suspensão e a capacidade comunicativa da direção que mais contribuem para esta minha opinião.

Mesmo a pesar 2208 kg, este Jaguar I-Pace consegue ser ágil, divertido e muito rápido. Os arranques feitos com «pé a fundo» são notáveis. Não há outra forma de o dizer.

Ao volante, rapidamente nos esquecemos do seu tamanho. E aqui, subscrevo na íntegra o que o Fernando Gomes escreveu há três anos, no ensaio do I-Pace, e o comparou a um… hot hatch.

Jaguar I-Pace perfil
Tecnicamente é um crossover, mas na minha «cabeça» é muitas vezes um “hot hatch” com músculo. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

O binário está muito bem distribuído, a direção tem sempre o peso certo e o comportamento da carroçaria é sempre muito previsível. Tudo isto somado, a experiência parece sempre muito envolvente e, acima de tudo, muito orgânica.

E quando exploramos o potencial dinâmico deste elétrico, é bom saber que contamos com bancos de corte desportivo com um bom suporte lateral e com um volante com uma pega muito confortável.

Não se demite das tarefas familiares

É difícil não querer conduzir este I-Pace de uma forma mas efusiva. As acelerações são viciantes e na chegada às curvas, ele pede-nos sempre mais. Mas quando abrandamos o ritmo e nos rendemos às tarefas mais familiares, ele não se esconde.

Como comecei por dizer no início deste teste, fiz uma viagem de Lisboa a Covilhã (e vice-versa) ao volante deste I-Pace e ele mostrou-se em grande forma.

A viagem foi feita com a bagageira carregada e com cinco pessoas a bordo, e à chegada à Covilhã, numa sexta-feira às 23h25, foi unânime que este elétrico britânico tinha sido um grande companheiro de viagem.

Jaguar I-Pace Covilhã
Chegada à Covilhã, às 23h25, depois de 340 km e de uma paragem rápida para carregar em Castelo Branco. © Miguel Dias / Razão Automóvel

Confortável, muito espaçoso (na dianteira mas sobretudo nos bancos traseiros…) e refinado, o I-Pace é um estradista de eleição e nem mesmo a autonomia chega a estragar esse rótulo.

Autonomia e consumos

E já que falo em autonomia, importa dizer que a Jaguar reivindica 470 km de autonomia em ciclo WLTP, bem como um consumo médio de 22 kWh/100 km.

Jaguar I-Pace logo © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

Já estamos habituados a que estas «previsões» sejam quase sempre algo otimistas e neste caso, foi precisamente isso que verifiquei.

A NÃO PERDER: Jaguar F-Pace P400e. Já conduzimos o renovado SUV inglês, agora também em híbrido

No final destes 750 km ao volante do I-Pace, os consumos médios estavam fixados nos 24,6 kWh, sendo que o melhor que consegui «extrair» de uma carga foram 366 km.

Jaguar I-Pace Serra da Estrela © Miguel Dias / Razão Automóvel

Não são registos de referência, sobretudo quando o comparamos com os rivais, mas também não posso dizer que sejam totalmente desajustados.

Falta também acrescentar que grande parte destes quilómetros foram somados em autoestrada, quase sempre estabilizado nos 120 km/h e com a climatização a funcionar.

Jaguar I-Pace Serra da Estrela
Com a Serra da Estrela mesmo ali ao lado, impunha-se uma visita rápida, até porque as estradas (e as curvas) até à Torre convidam… © Miguel Dias / Razão Automóvel

Pelo meio, um «salto» da Covilhã até ao cimo da Serra da Estrela, quase sempre a aproveitar as fantásticas estradas com que aquela região do país nos brinda sempre.

Descubra o seu próximo carro:

É o carro certo para si?

O preço a começar nos 88 832 euros separa as «águas» logo de imediato — este Jaguar I-Pace não está ao alcance de qualquer «carteira».

Jaguar I-Pace frente
Linhas do I-Pace continuam agressivas, a fazer lembrar as propostas de maior “nervo” da marca do felino, como o F-Type. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

Mas se dinheiro não for problema e estiverem num mercado em busca de um crossover elétrico premium, então este «Jag» perfila-se, claramente, como uma proposta a ter muito em conta.

LEIAM TAMBÉM: Jaguar F-Type (300 cv). Os QUATRO CILINDROS acompanham o estilo?

Em linha reta é suficientemente rápido para nos «colar ao banco», nas curvas nunca se desequilibra e deixa-nos sair como um «foguete» e quando apanhamos um encadeado mais desafiante, o chassis, a suspensão e a direção respondem de forma surpreendente.

Jaguar I-Pace jantes
Exemplar testado contava com jantes de 20” com acabamento preto que ajuda a reforçar a agressividade do conjunto. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

Surpreendente, caso nunca o tenham conduzido, porque este segundo teste ao I-Pace só serviu para eu reforçar tudo o que já tinha sentido na primeira vez que o conduzi.

É divertido, ágil e provoca sensações que faz lembrar propostas mais desportivas. Por isso mesmo, se forem adeptos de automóveis (e, acima de tudo, de conduzir…), este é um elétrico que devem experimentar.

Preço

unidade ensaiada

91.232

Versão base: €88.832

Classificação Euro NCAP:

  • Motor
    • Arquitectura: Dois motores elétricos
    • Posição: Um por eixo em posição transversal
    • Carregamento: Bateria de iões de lítio. Capacidade: 90 kWh
    • Potência: 294 kW (440 cv)
    • Binário: 696 Nm
  • Transmissão
    • Tracção: Integral
    • Caixa de velocidades: Caixa redutora de uma relação
  • Capacidade e dimensões
    • Comprimento / Largura / Altura: 4682 mm / 1895 mm / 1565 mm
    • Distância entre os eixos: 2990 mm
    • Bagageira: 505 litros + 27 litros (à frente)
    • Jantes / Pneus: 245/50 R20
    • Peso: 2208 kg
  • Consumo e Performances
    • Consumo médio: 22 kWh/100 km; Autonomia: 470 km
    • Vel. máxima: 200 km/h
    • Aceleração: 4,8s
  • Equipamento
    • Diferencial aberto com vetorização de binário
    • Suspensão de molas helicoidais
    • Teto panorâmico
    • Black Exterior Pack
    • Vidros Privacy
    • Vidros laterais dianteiros e traseiros temperados
    • Para-brisas refletor de infravermelhos
    • Espelhos exteriores aquecidos com ajuste e recolha elétrica, função de memória e anti-encandeamento automático no lado do condutor
    • Faróis Premium LED
    • Lava-faróis
    • Jantes de 20'' em Gloss Black
    • Sistema de reparação de pneus
    • Bancos dianteiros com 12 ajustes elétricos, memória e apoios de cabeça com 2 ajustes manuais
    • Bancos traseiros rebatíveis 40:20:40 com apoio de braço central
    • Volante em couro
    • Protecções das embaladeiras metálicas
    • Bancos desportivos em couro DuoLeather Ebony e interior Ebony/Ebony
    • Espelho interior com antiencandeamento
    • Ar Condicionado Automático de Duas Zonas
    • Pré-condicionamiento do habitáculo
    • Sistema de som Meridian
    • Ecrã central 10'' Touch Pro
    • Android Auto e Apple CarPlay
    • Câmara Traseira
    • Controlo de Velocidade de Cruzeiro e Limitador de Velocidade
    • Monitor da Atenção do Condutor
    • Assistente de permanência em faixa
    • Reconhecimento de Sinais de Trânsito e Limitador de Velocidade Adaptativo
    • Cabo de carregamento público
Extras
Bagageira com abertura e fecho elétrico — 526 €; Tapetes — 105 €; Camera Surround 360º — 826 €; Touch Pro Duo — 413 €; Cabo de carregamento doméstico — 269 €
Avaliação
8 / 10
A lista de rivais é cada vez maior, mas também a dos argumentos. Tinha grandes expectativas para este reencontro com o Jaguar I-Pace e ele voltou a surpreender-me. Está em grande forma, continua a destacar-se da concorrência em pontos chave como o comportamento dinâmico ou o "feeling" da direção e a isso soma uma imagem agressiva, um habitáculo com bons acabamentos e muito espaço a bordo. Não é barato e a lista de opcionais tem várias coisas obrigatórias que fazem subir ainda mais o preço, mas é um elétrico que merece que olhem para ele e, acima de tudo, que o conduzam. Vão gostar.
  • Comportamento dinâmico
  • Agilidade
  • Acelerações
  • Espaço
  • Preço
  • Consumos por vezes elevados
  • Infoentretenimento podia ter leitura mais simples
Sabe responder a esta?
Qual era a potência do Jaguar XJ220?
Não acertou..

Mas pode descobrir a resposta aqui::

As máquinas de sonho dos anos 90
Em cheio!!
Vá para a próxima pergunta

ou leia o artigo sobre este tema:

As máquinas de sonho dos anos 90

Mais artigos em Testes, Ensaio