Combustíveis

A nova gasolina da Bosch consegue menos 20% de emissões de CO2

A Bosch desenvolveu um novo tipo de gasolina que promete reduzir as emissões de CO2 em cerca de 20% por cada quilómetro percorrido.

A Bosch, em parceria com a Shell e com a Volkswagen, desenvolveu um novo tipo de gasolina — denominado Blue Gasoline — mais ecológica, com até 33% de componentes renováveis e que promete reduzir as emissões de CO2 em cerca de 20% (well-to-wheel, ou do poço à roda) por cada quilómetro percorrido.

Inicialmente este combustível estará apenas disponível nas instalações da empresa germânica, mas até ao final do ano vai chegar a alguns postos públicos na Alemanha.

De acordo com a Bosch, e usando com base de cálculo uma frota de 1000 automóveis Volkswagen Golf 1.5 TSI com uma quilometragem anual a rondar os 10 000 km, o uso deste novo tipo de gasolina permite uma poupança aproximada de 230 toneladas de CO2.

A NÃO PERDER: Virtual Visor. A pala para-sol para o século XXI da Bosch
BOSCH_CARBONO_022
Blue Gasoline vai chegar a alguns postos de abastecimento da Alemanha ainda este ano.

Entre os vários componentes que formam este combustível destaca-se a nafta e o etanol derivados de biomassa certificada pelo ISCC (International Sustainability and Carbon Certification). A nafta em particular, tem origem no chamado “tall oil” que é um sub-produto resultante do tratamento da polpa de madeira na produção de papel. De acordo com a Bosch, a nafta pode ainda ser obtida a partir de outros materiais residuais e de desperdício.

Adequado para… híbridos plug-in

Devido à grande estabilidade de armazenamento, este novo combustível torna-se particularmente adequado para veículos híbridos plug-in, cujos motores de combustão podem permanecer longos períodos de tempo sem funcionar. Contudo, qualquer motor de combustão que esteja aprovado para E10 pode reabastecer com a Blue Gasoline.

A grande estabilidade de armazenamento da Blue Gasoline torna este combustível particularmente adequado para o uso em veículos híbridos plug-in. No futuro, a expansão da infraestrutura de carregamento e as baterias maiores farão com que esses veículos funcionem predominantemente com energia elétrica e, assim, o combustível poderá permanecer no tanque por mais tempo.

Sebastian Willmann, responsável pelo desenvolvimento de motores de combustão interna da Volkswagen
LEIAM TAMBÉM: Porsche vai testar combustíveis sintéticos na Porsche Supercup este ano

Mas apesar de tudo isto, a Bosch já fez saber que não pretende que este novo tipo de gasolina seja visto como um substituto à expansão da eletromobilidade. Em vez disso, serve como um suplemento para os veículos existentes e para os motores de combustão interna que ainda vão existir nos próximos anos.

Volkmar Denner CEO Bosch
Volkmar Denner, o CEO da Bosch.

Ainda assim, importa recordar que recentemente o diretor executivo da Bosch, Volkmar Denner, criticou a aposta da União Europeia apenas na mobilidade elétrica e a falta de investimento nas áreas do hidrogénio e dos combustíveis renováveis.

RELACIONADO: Bosch continua a apostar nos motores térmicos e critica a aposta (quase) única da UE nos elétricos

Como referimos acima, esta “gasolina azul” chegará a alguns postos de abastecimento na Alemanha ainda este ano e terá um preço ligeiramente superior ao conhecido E10 (gasolina 98 octanas).

Sabe responder a esta?
Em que ano foi lançado o Opel Tigra?
Não acertou..

Mas pode descobrir a resposta aqui::

Lembras-te deste? Opel Tigra, o “coupé do povo”

Mais artigos em Notícias