Recharge No modo Recharge está a reduzir a sua pegada ecológica.

Obrigado por guardar energia para o que mais importa.

Uma iniciativa
x

Recharge

Estamos a guardar energia para o que mais importa.

Prazer de conduzir

O Mazda MX-5 recorda-nos sempre porque gostamos de conduzir

O Mazda MX-5 é um dos melhores e mais acessíveis carros para quem gosta (ou quer) conduzir. Agora estamos limitados nos nossos ensejos de condução, mas quando isto acabar, voltaremos a encontrar-nos.

Ironia do destino. Ter um dos carros mais orientados para a condução na minha garagem, o Mazda MX-5, numa altura em que o confinamento é obrigatório.

Confesso que para não cair em tentação antecipei a devolução. Entreguei-o antes deste fim de semana começar, não fosse a vontade de conduzir falar mais alto. Isto numa altura em que outros valores se impõem. E foi precisamente a caminho de mais uma entrega — e entregar um Mazda MX-5 é sempre um momento menos feliz do que o seu levantamento — que comecei a pensar na importância do que estava a acontecer.

A importância de conduzir

Alguém disse um dia que “a vida é demasiado curta para conduzir carros aborrecidos”. O nome do autor da frase entretanto perdeu-se, mas a frase não.

Mazda MX-5
Tudo menos aborrecido. Os 132 cv de potência do motor 1.5 Skyactiv-G dão ânimo suficiente a um roadster cujo peso não supera uma tonelada. © Razão Automóvel
RELACIONADO: A relação entre os rituais de condução e o prazer de conduzir

De facto é verdade. A vida é demasiado curta para conduzir carros aborrecidos. Mais ainda numa altura em que as possibilidades para o fazer são cada vez mais escassas. Recordo que, por esta altura, está quase a fazer um ano desde que estas limitações à nossa liberdade de circulação começaram.

Tenho 35 anos e durante toda a minha vida adulta sempre dei por garantido que quando quisesse conduzir podia fazê-lo. Pegar nas chaves do carro, sair de casa e ir até onde quisesse. Ou até sair de casa sem saber para onde ir! Não importa. É este o tipo de liberdade que o carro tem para nos oferecer: liberdade total.

Mazda MX-5
Agora não é bem assim. E em abono da verdade, não sabemos durante mais quanto tempo é que vai continuar a ser desta maneira. Portanto, aproveitem bem todos os momentos que têm para desfrutar da viagem. © Razão Automóvel

O segredo do Mazda MX-5

O Mazda MX-5 foi lançado originalmente em 1989. Entretanto já passaram mais de duas décadas, o mundo mudou (muito), e a fórmula do pequeno roadster japonês continua atual como sempre.

O Mazda MX-5 continua a ser um baluarte da liberdade e do prazer de conduzir.

Avanço um motivo para isso: simplicidade. Num mundo cada vez mais complexo e intricado, a Mazda continua a apostar num carro descomplicado. Dois lugares, capota manual, caixa manual, motor atmosférico, tração traseira e mais meia dúzia de coisas de que já não abrimos mão (ar condicionado, fecho centralizado, sistema de infoentretenimento, etc).

Esta simplicidade radica numa característica fundamental para o sucesso do MX-5: não é preciso um curso de condução para lhe apanhar as manhas. Basta um pouco de paciência e algum atrevimento. Ou nem sequer é preciso isso. Mesmo devagar e com a capota recolhida podemos desfrutar da liberdade de conduzir a céu aberto.

Dito por outras palavras, o Mazda MX-5 é um concentrado de tudo aquilo que o automóvel representa: liberdade. E felizmente o Mazda MX-5 não é caso único na indústria automóvel. Esta tem sido uma indústria que tem conseguido aguentar estoicamente todos os ataques que lhe têm dirigido nos últimos anos.

Mazda MX-5
Mazda MX-5 “100th Anniversary”. Esta unidade é uma “100th Anniversary” uma edição limitada que celebra o centenário da Mazda, recordando o primeiro roadster da marca, o R360. © Razão Automóvel

Atacar o automóvel é atacar a nossa liberdade. Mas podemos ficar descansados. Enquanto marcas como a Mazda celebrarem a importância de conduzir com modelos especiais como este Mazda MX-5 — e que assinala os 100 anos da marca japonesa — temos a certeza que no futuro haverá lugar nas nossas estradas para o prazer de conduzir e viajar.

Quando isto acabar, vamos dar uma volta. Combinado?

Mais artigos em Crónicas