Apresentação

Taycan. Todos os números do primeiro elétrico da Porsche

O novo Porsche Taycan perde toda a camuflagem e deixa-se ver, pela primeira vez, em toda a sua glória. Todos os números do primeiro elétrico da Porsche.

Em Neuhardenberg, Alemanha

Aí está ele. Após vários teasers e vários desafios para demonstrar a sua resistência, o Porsche Taycan surge finalmente sem camuflagem. Fomos até Neuhardenberg, perto de Berlim, na Alemanha, para a revelação mundial do novo Taycan, o primeiro elétrico do construtor alemão.

Não só pudemos vê-lo ao vivo em primeira mão, como também foram divulgados os primeiros números sobre a nova máquina, o início de uma nova era para a Porsche — e até já temos os preços para o mercado português.

O Porsche Taycan é um “desportivo de alta performance”, dizem os seus responsáveis — ainda que com quatro portas e quatro lugares —, e para reforçar o argumento, os primeiros Taycan que são dados a conhecer são precisamente as suas versões mais potentes: os curiosamente denominados Taycan Turbo e o Taycan Turbo S.

Porsche Taycan 2019
Porsche Taycan Turbo S (branco) e Taycan Turbo (azul)
VÊ TAMBÉM: Europa: 1 em cada 50 automóveis vendidos são elétricos

761

A potência máxima em cavalos que o Taycan Turbo S pode ter, ou o equivalente a 560 kW. O Taycan Turbo anuncia 500 kW, ou 680 cv. O binário máximo é de uns “gordos” 1050 Nm, e não esqueçamos que, sendo elétrico, estão disponíveis ao primeiro premir do acelerador. Outras versões, mais modestas, seguir-lhes-ão em pouco tempo.

Ambos os Taycan recorrem a dois motores elétricos síncronos, um por eixo, garantindo tração integral — motor elétrico, transmissão e inversor são combinados numa única unidade compacta, garantindo a estes módulos “a mais elevada densidade energética (kW por litro de espaço de arrumação) de todos os conjuntos motrizes elétricos disponíveis no mercado nos dias de hoje”.

2

O Porsche Taycan estreia num modelo elétrico de produção uma transmissão de duas velocidades — algo já visto em competição, como na Fórmula E —, instalada no eixo traseiro. Mais uma vez, a Porsche a trazer da competição soluções para os automóveis de estrada.

A primeira relação é dedicada à aceleração, potenciando-a a partir de uma posição estática. A segunda relação, mais longa, assegura maior eficiência e reservas de potência, mesmo a altas velocidades.

9,8

O tempo em segundos, para atingir os… 200 km/h pelo Taycan Turbo S — os 100 km/h são alcançados em meros 2,8s. O Taycan Turbo é, obviamente mais lento, mas de lento nada tem — os 100 km/h são atingidos em 3,2s.

260

A velocidade máxima é digna de registo — para ambas as versões —, não só por estar acima dos “típicos” e eletronicamente limitados 250 km/h, como a Porsche refere que é uma velocidade que o Taycan não só é capaz de atingir, como mantê-la de forma constante.

450

O valor em quilómetros, para a autonomia do novo Porsche Taycan Turbo — e, claro, já de acordo com a certificação WLTP. O mais possante Taycan Turbo S tem autonomia oficial de 412 km.

O pack de baterias de iões de lítio tem uma capacidade de 93,4 kWh, colocado no chão da plataforma J1 do Taycan, o que garante ao novo elétrico um centro de gravidade inferior ao ícone 911.

800

O novo Porsche Taycan é o primeiro automóvel elétrico de produção com uma tensão de 800 V (Volts), ao invés dos habituais 400 V de outros elétricos. Vantage? O novo Taycan pode ser carregado até 270 kW, o que equivale, em condições ótimas de carregamento, a 100 km de autonomia por cada cinco minutos de carregamento. Para carregá-lo de 5% a 80% bastam 22,5 minutos.

265

É o valor, em kW, do potencial de recuperação de energia, bem mais elevado do que a concorrência. Segundo a Porsche, aproximadamente 90% das travagens efetuadas no dia-a-dia são efetuadas com recurso apenas aos motores elétricos, sem que os travões hidráulicos sejam ativados.

0,22

A aerodinâmica é um fator crucial nos elétricos para conseguir estender a sua autonomia. No novo Porsche Taycan não é diferente, com o construtor a anunciar um coeficiente de resistência aerodinâmica, Cx, de apenas 0,22, um dos valores mais baixos da indústria em termos absolutos.

366 + 81

Mais compacto que o Panamera, e com uma lotação máxima de quatro lugares, o novo Taycan não tem um, mas dois porta-bagagens, atrás e à frente. Uma vantagem da arquitetura elétrica, já que liberta a dianteira de um volumoso motor de combustão interna.

A capacidade do porta-bagagens traseiro anunciada é de apenas 366 l, um valor algo modesto, com o porta-bagagens dianteiro a oferecer mais 81 l de capacidade.

Em relação ao interior, já dedicámos anteriormente algumas palavras ao mesmo:

VÊ TAMBÉM: No interior digital do Porsche Taycan ainda há espaço para a tradição

4

São quatro os modos de condução, adaptados às especificidades do Taycan: Range, Normal, Sport e Sport Plus. Quatro faz parte também da denominação do novo sistema de controlo que analisa e sincroniza todos os sistemas de chassis em tempo real, o Porsche 4D Chassis Control.

E que sistemas de chassis são esses? Todos os acrónimos já conhecidos do léxico Porsche: PASM (Porsche Active Suspension Management) que controla eletronicamente a suspensão adaptativa com tecnologia de três câmaras; PDCC Sport (Porsche Dynamic Chassis Control Sport) que inclui o PTV (Porsche Torque Vectoring Plus).

A NÃO PERDER: O motor que faltava. 718 Cayman GT4 e 718 Spyder com seis cilindros boxer NA

Quanto custa?

Já é possível encomendar o primeiro elétrico da Porsche em Portugal, com o novo Porsche Taycan Turbo a ter preços a começar nos 158 221 euros, com o valor a subir para os 192 661 euros no caso do Taycan Turbo S.

Porsche Taycan 2019

Mais artigos em Notícias

Os mais vistos