Indústria

Afinal, a Tesla lucra com a venda de carros a combustão. Sabes como?

Não, a Tesla não vende automóveis com motor de combustão interna. No entanto a Tesla lucra com a venda destes automóveis. Descobre como.

A indústria automóvel atual é, no mínimo, peculiar. Senão vejamos: como é que a Tesla lucra com a venda de modelos movidos pelos tradicionais motores de combustão interna se apenas vende modelos 100% elétricos?

A resposta é muito simples: créditos de carbono. Como bem sabes, tanto na Europa como nos Estados Unidos as marcas de automóveis são obrigadas a que as suas gamas cumpram um valor médio de emissões de CO2, sendo que, caso esse valor não seja cumprido os construtores podem incorrer em avultadas multas.

Ora, para resolver essa questão há duas hipóteses possíveis: ou as marcas apostam numa redução das emissões médias da sua gama (através, por exemplo de modelos elétricos) ou então apostam na solução mais rápida e “económica” comprando créditos de carbono a marcas que não precisam deles como a… Tesla.

VÊ TAMBÉM: Musk em modo ambicioso: robô-taxis 100% autónomos já em 2020

Um modelo de negócio de sucesso

Depois de já aqui te termos falado acerca da compra de créditos de carbono na Europa por parte da FCA à Tesla, chegaram-nos agora notícias que dão conta de que a FCA e a GM avançaram com um negócio idêntico, mas desta vez nos Estados Unidos, tudo para que sejam capazes de cumprir as normas de emissões federais.

O mais curioso é que esses créditos de carbono são comprados à Tesla por estas marcas recorrendo aos lucros das vendas de modelos de combustão, o que faz com que, indiretamente, quem compra um modelo de combustão interna destas marcas esteja, ao mesmo tempo, a “ajudar” a financiar a Tesla.

VÊ TAMBÉM: Eletrificação rampante? Não agradeçam à Tesla, mas sim ao… Dieselgate

A maior novidade do acordo agora anunciado pela FCA e pela GM é o facto de (segundo o Detroit Free Press) estas terem reconhecido abertamente (e pela primeira vez) que contam com a Tesla (ou será dependem?) para os ajudar a cumprir as normas cada vez mais restritas.

Quem não parece muito “importada” com estes negócios é a Tesla que, segundo a Bloomberg, desde 2010 já declarou ter ganho cerca de dois mil milhões de dólares (1,77 mil milhões de euros) com a venda de créditos de carbono.

VÊ TAMBÉM: Estes Tesla são devoradores de quilómetros

Os automóveis de combustão interna subsidiam a Tesla?

Quem o afirma é Jim Appleton, presidente da Coligação de Vendedores de Automóveis de Nova Jersey, que afirmou: “No ano passado, os concorrentes da Tesla pagaram-lhe 420 milhões de dólares para comprar créditos de carbono” valor esse que se for dividido pelos 250 mil Tesla vendidos nos Estados Unidos no ano passado corresponde a um subsídio de 1680 dólares “dado” pelos compradores de modelos com motor de combustão.

Todos os Tesla são vendidos com prejuízo, mas essa perda é subsidiada pelos compradores de modelos da Chevrolet e outras marcas

Jim Appleton, presidente da Coligação de Vendedores de Automóveis de Nova Jersey

Appleton foi ainda mais longe e defendeu que se os compradores compreendessem como a indústria automóvel funciona “ficariam constrangidas por conduzir um Tesla pois os vizinhos perguntar-lhes-iam: quando é que me agradece por subsidiar esse símbolo de status de alta tecnologia que você conduz?”.

Tesla gama
Para além das vendas dos seus modelos, a Tesla conta ainda com a venda de créditos de carbono como “fonte de rendimento extra”.

Por fim, Jim Appleton relembrou ainda os vários incentivos e isenções fiscais aos quais a compra de um Tesla está sujeita nos Estados Unidos da América e que, segundo este, se refletem em preços e impostos mais altos para os restantes automobilistas, concluindo que “os donos dos Tesla não pagam imposto sobre combustíveis para apoiar as estradas em que viajam”.

Sabes responder a esta?
Qual é a potência do BMW i3s?
Não acertaste.

Mas podes descobrir a resposta aqui:

Testámos o BMW i3s: agora só em modo elétrico

Mais artigos em Notícias

Os mais vistos