Salão de Shangai 2019

Renault City K-ZE. Primeiro na China, depois no mundo?

A Renault revelou no Salão de Shangai o seu mais recente modelo elétrico. Destinado ao mercado chinês, a marca não põe de parte a chegada à Europa.

Depois de ter sido revelado sob a forma de protótipo no Salão de Paris de 2018, o City K-ZE foi agora revelado no Salão de Shangai já na versão de produção final. Com dimensões próximas às do Twingo, este pequeno modelo elétrico tem chegada ao mercado chinês prevista para o final do ano.

Desenvolvido com base na plataforma CMF-A, a mesma usada pelo crossover urbano Kwid que a Renault vende em alguns mercados (como o indiano ou o brasileiro), o City K-ZE vai ser produzido na China ao abrigo da joint-venture existente entre a Aliança Renault-Nissan-Mitsubishi e a marca chinesa Dongfeng.

Com uma autonomia de aproximadamente 250 km (medida ainda de acordo com o ciclo NEDC), o City K-ZE pode ser carregado até 80% em apenas 50 minutos num posto de carregamento rápido sendo que numa tomada normal o carregamento até 100% demora cerca de 4 horas.

VÊ TAMBÉM: Futuro da mobilidade urbana na SEAT chama-se Minimó
Renault City K-ZE
O Renault City K-ZE é praticamente idêntico ao Kwid, um pequeno crossover que a marca francesa vende em mercados emergentes.

Um carro global?

Apesar de, para já, só estar prevista a sua venda na China, a Renault refere-se ao City K-ZE como um elétrico de segmento A global, o que deixa antever a sua chegada a outros mercados, inclusive o europeu. A Renault chega até a afirmar que o City K-ZE foi desenvolvido de acordo com “os elevados padrões de qualidade europeus”.

Renault City K-ZE
No interior do City K-ZE, o maior destaque vai para o ecrã de 8”.

Com uma distância entre eixos de 2423 mm, o pequeno citadino elétrico da Renault oferece uma bagageira com 300 litros, apresentando um ecrã tátil de 8”. De resto, esteticamente mantêm-se as semelhanças com o Renault Kwid, com o City K-ZE a apresentar 150 mm de altura ao solo e um visual de crossover urbano herdado do modelo desenvolvido para o mercado indiano.

Mais artigos em Notícias

Os mais vistos