Desde 47 500 euros

Testámos o Peugeot 508 2.0 BlueHDI: um premium à francesa?

O novo Peugeot 508 representa um passo de gigante em relação à geração anterior. Mas será que chega para fazer frente aos alemães?

Lançado no ano passado, era difícil o Peugeot 508 ser mais diferente da anterior geração. Desde um reforço na oferta tecnológica a melhorias ao nível da qualidade de construção, passando por uma estética agressiva e desportiva, o novo topo de gama gaulês não esconde o seu objetivo: fazer frente aos premium alemães.

Mas uma coisa é querer enfrentar os germânicos, outra é conseguir fazê-lo. E a verdade é que, depois de cerca de uma semana ao volante do novo Peugeot 508 2.0 BlueHDI temos de admitir que o novo topo de gama da marca francesa está bem capaz de enfrentar as propostas alemãs sem grandes complexos.

Esteticamente (e sendo esta avaliação algo subjetiva) não é difícil perceber que o novo 508 conta com uma presença com a qual o seu antecessor só podia sonhar. Prova disso foi a atenção que captou por onde quer que passava provando que, pelo menos no capítulo visual, o novo topo de gama da Peugeot está no bom caminho.

RELACIONADO: Peugeot 508 com preços atualizados para Portugal
Peugeot 508
Alguma coisa a Peugeot fez bem no desenho da nova geração do 508 pois por várias vezes vimos pessoas a quase ganhar torcicolos quando o viam passar (e a fotografá-lo).

Por dentro do Peugeot 508

Com exceção dos plásticos duros por cima da instrumentação, o 508 recorre a materiais macios e bastante agradáveis não só ao toque como à vista (como o plástico preto piano usado na consola central). Ao nível do design, a Peugeot mantém a aposta no i-Cockpit com destaque para o volante de pequenas dimensões e a posição elevada do painel de instrumentos.

Em termos de habitabilidade, o 508 tem espaço para transportar quatro adultos com conforto. A ajudar a aumentar o conforto, esta unidade contava ainda com opcionais como o Pack Elétrico & Massagens que oferece cinco tipos de massagem nos bancos dianteiros ou o teto de abrir panorâmico elétrico.

VÊ TAMBÉM: As siglas infernais da Peugeot: Mi16 e T16

Ao volante do Peugeot 508

Uma vez sentados ao volante do 508 o destaque vai para o conforto dos bancos e para as dimensões e desenho do volante que lhe oferecem uma boa pega, principalmente numa condução mais desportiva.

VÊ TAMBÉM: Teste ao Volkswagen Arteon 2.0 TDI (150 cv) Elegance. Uma afirmação de estilo
Peugeot 508
Em termos de visibilidade, a estética do 508 acaba por passar a fatura, e damos graças pela existência de câmaras, sensores e no caso da unidade ensaiada do sistema Full Park Assist que estaciona o 508 sozinho.

Feito com base na plataforma EMP2 — a mesma que encontramos no 308, 3008 e 5008 — o 508 que tivemos oportunidade de testar contava com suspensões adaptativas e com um esquema de triângulos sobrepostos no eixo traseiro, tudo para assegurar um bom compromisso entre conforto e eficácia, algo que consegue fazer de forma notável.

Estão ainda disponíveis quatro modos de condução dos quais há dois que se destacam: o Eco e o Sport. O primeiro destina-se a quem quer deslizar pela estrada sem qualquer tipo de pressas.

Já no modo Sport a suspensão fica mais firme (tal como a direção) e a resposta e o som do motor são melhoradas fazendo com que o 508 revele uma faceta bem mais dinâmica e até divertida em estradas sinuosas.

VÊ TAMBÉM: O “baby-SUV” da Skoda já tem nome: Kamiq
Peugeot 508

Já em autoestrada, é business as usual para um carro deste segmento com destaque para a estabilidade, o conforto e a boa insonorização. Já os consumos “teimam” em ficar na casa dos 6,5 l/100 km.

Peugeot 508
Com o modo Sport selecionado acontecem cinco coisas: a suspensão fica com um acerto mais firme, o 2.0 BlueHDi ganha um novo ronco, a resposta do motor torna-se mais imediata, a direção fica mais pesada e a caixa de velocidades passa a privilegiar a subida de rotação.

Aliás, os consumos são um dos pontos fortes do 508 2.0 BlueHDi de 160 cv, pois mesmo espremendo toda a potência que o motor tem para oferecer nunca subiram acima dos 7,5 l/100km.

VÊ TAMBÉM: Peugeot volta à carga nos híbridos com o 508 e o 3008

É o carro certo para mim?

A Peugeot afirma que o 508 se posiciona como o melhor dos generalistas e não como um premium e não está errada. É que apesar de ainda não ser um premium falta muito pouco ao 508 para poder ser considerado como tal.

Para quem esteja à procura de um familiar e não queira fazer a compra habitual (um modelo alemão) o 508 pode muito bem ser o modelo ideal. Tecnologicamente evoluído, só pede algum tempo de habituação para que se aprenda a usar todos os seus gadgets.

Nesta versão em particular, o 508 não só tem potência de sobra como consegue ser económico, dando quase vontade de reeditar as longas viagens até França que os seus antepassados faziam todos os verões, mas aqui com uma certeza, íamos bem mais depressa e confortáveis.

Preço

unidade ensaiada

53.365

Versão base: €47.500

IUC: €259

Classificação Euro NCAP: 5 / 5

  • Motor
    • Arquitectura: 4 cilindros em linha
    • Capacidade: 1997 cm3
    • Posição: Dianteira transversal
    • Carregamento: Injeção Direta + Turbo de Geometria Variável + Intercooler
    • Distribuição: 2 a.c.c., 4 válvulas por cilindro
    • Potência: 160 cv às 3750 rpm
    • Binário: 400 Nm às 2000 rpm
  • Transmissão
    • Tracção: Dianteira
    • Caixa de velocidades: 8 vel. automática (EAT8)
  • Capacidade e dimensões
    • Comprimento / Largura / Altura: 4750 mm / 1859 mm / 1403 mm
    • Distância entre os eixos: 2793 mm
    • Bagageira: 487 l
    • Jantes / Pneus: 235/45 R18
    • Peso: 1530 kg
  • Consumo e Performances
    • Consumo médio: 4,5 l/100 km
    • Emissões de CO2: 150 g/km
    • Vel. máxima: 230 km/h
    • Aceleração: 8,4s
  • Garantias
    • Pintura e corrosão: Pintura, 3 anos e Anti Corrosão, 12 anos
    • Mecânica: 2 anos
  • Equipamento
    • Faróis Full LED
    • Jantes de liga leve 18'' + Roda Suplente de dimensão reduzida
    • Acesso e ligação mãos-livres
    • Travão de estacionamento elétrico e automático com ajuda ao arranque em plano inclinado
    • Ar condicionado automático bi-zona com saída de ventilação para os lugares traseiros
    • Sistema de carregamento de smartphone sem fios
    • 2 entradas USB para os passageiros traseiros
    • Vidros laterais traseiros e óculo traseiro escurecido
    • Volante em couro perfurado com elementos cromados
    • i-Cockpit Amplify
Extras
Night Vision Technology (1200 euros); Pack City 3 (700 euros); Pack Drive Assist Plus (inclui o Full Park Assist) + Pack Safety Plus (480 euros); Pack Elétrico & Massagens (1000 euros); Retrovisores exteriores eléctricos e aquecidos, rebatíveis electricamente com iluminação de acolhimento em LED (150 euros); Sistema Hi-Fi Premium FOCAL®(850 euros); Active Suspension Control (1000 euros); Teto de abrir panorâmico elétrico com cortina (1200 euros).
Avaliação
8 / 10
Bem construído, tecnologicamente evoluído, visualmente bem conseguido, com um bom comportamento dinâmico e confortável, a verdade é que não há muitas críticas a apontar ao topo de gama francês (especialmente se o compararmos com o antecessor). Pode ainda não ser um premium, mas a verdade é que o novo 508 aproxima-se deste tipo de propostas, assumindo-se como uma das melhores opções entre os generalistas e definitivamente como uma opção a ter em conta.
  • Relação conforto/comportamento
  • Prestações
  • Consumos
  • Qualidade de construção
  • Visibilidade traseira
  • Acesso aos bancos traseiros
  • Ergonomia
Sabes responder a esta?
Em que ano é que o Peugeot 405 foi lançado?
Não acertaste.

Mas podes descobrir a resposta aqui:

Peugeot 405. Vencedor do Carro do Ano 1989 em Portugal

Mais artigos em Testes, Ensaio

Os mais vistos