72 000 euros

Uma semana INTEIRA ao volante do Nissan 370Z Nismo

Motor atmosférico, tração traseira e caixa manual. Contam-se pelos dedos de uma mão (e ainda me sobram dedos…) os automóveis que ainda recorrem a esta fórmula. O Nissan 370Z Nismo é um deles e vale todos os cêntimos que a Nissan pede por ele.

Durante uma semana fiz do Nissan 370Z Nismo a minha companhia diária. A meio da semana podia ter mudado de carro, mas não mudei acima de tudo porque senti que estava ao volante de um modelo que além de especial é também uma espécie cada vez mais rara: carroçaria coupé, tração traseira, motor atmosférico e caixa manual.

Tinha que aproveitar a oportunidade ao máximo, e fi-lo acreditem… Só tenho pena não ter sido possível gravar o Nissan 370Z Nismo para o nosso Canal de YouTube. Portanto, na falta de vídeo, vou descrever-te em texto como foi a minha experiência ao volante do Nissan 370Z Nismo durante estes dias, o melhor que conseguir. O que não vai ser fácil porque sempre que me lembro dele emociono-me — não sei porquê, ando muito emotivo.

Efeito Cinderela

Foi difícil conviver com ele? Nem por isso. Apesar de firme o Nissan 370Z Nismo não é desconfortável. Quanto aos consumos, bem… a conversa é outra. Foi um desconforto enorme para a minha carteira.

Nissan 370Z Nismo
Sejam bem vindos a bordo do Nissan 370Z Nismo.

Depois de dois dias sem regra no pé direito, comecei a conter-me (ou a tentar conter-me…) e fui agradavelmente surpreendido com consumos que se situaram abaixo dos 10 l/100km.

Naturalmente que, para alcançares valores desta ordem, tens de recorrer a toda a Cinderela que há em ti. Leia-se conduzir com o pé direito o mais leve e suave possível.

Quanto mais os dias passavam, mais Cinderela eu ficava. Motivo? Como devem calcular, não tenho a carteira de um príncipe nem um poço de petróleo no quintal da minha casa, portanto tive de conter-me nos maus tratos ao pedal direito. Mas fica o apontamento de que com a devida paciência é possível alcançar consumos relativamente baixos face à capacidade cúbica do motor. Afinal de contas são 3696 cm3 divididos por seis cilindros em V, que geram um total de 344 cv de potência e 371 Nm de binário máximo.

Nissan 370Z Nismo
Os 344 cv de potência não vos impressionam? Então vão dar uma volta pelo Google e vejam o manancial de peças que existem, capazes de duplicar a potência deste V6. Boa base.

E já que estamos a falar de toadas calmas, fiquei surpreendido com o conforto oferecido pelo Nissan 370Z Nismo. Apesar do conjunto mola/amortecedeor ser firme, não chega a ser desconfortável. Mas já chega de andar devagar. Até porque se o Nissan 370Z Nismo fosse uma personagem de conto de fadas não era uma Cinderela, era um vilão…

Mais maduro

Não foi a primeira vez que conduzi este modelo. Já tinha conduzido outro Nissan 370Z Nismo há cerca de três anos e muito sinceramente, não foi uma experiência tão memorável quanto estava à espera. O mais estranho é que desta vez aconteceu exatamente o oposto.

Adorei o conduzir o Nissan 370Z Nismo.

Perante esta surpresa, fui verificar se no facelift que a gama 370Z recebeu há cerca de um ano, haviam novidades em termos de ligações ao solo. Os comunicados da marca não referem mudanças nenhumas, mas a verdade é que senti o Nissan 370Z Nismo com um pisar diferente.

Uma das muitas visitas às bombas de gasolina? Culpa minha, que fiquei encantado com o som do motor acima das 5000 rpm.

A direção com pouca assistência, porém rápida e precisa; o comando da caixa curto e decidido; o eixo dianteiro correto; e finalmente uma traseira pronta a rodar de forma progressiva sob acelerações mais fortes ou ângulos de viragem demasiado otimista.

Sensações ótimas e intensas, que contrastaram com a falta de feedback que senti da primeira vez que conduzi o Nissan 370Z Nismo há três anos.

Das duas uma: ou a Nissan operou ligeiras melhorias na afinação da suspensão ou os pneus da primeira unidade que testei já não estavam nas melhores condições. É provável que seja um pouco de ambas.

RELACIONADO: Nissan 370Z. Finalmente, um sucessor está nos planos

Motor à antiga

Quem gosta de motores atmosféricos tem neste 3.7 V6 um motor à sua medida. Circulando em sexta velocidade abaixo das 2500 rpm sentimos uma subida de rotação lenta mas decidida, acompanhada por uma nota de escape grave que se vai agudizando à medida que escalamos o conta-rotações.

Mas é quando ultrapassamos as 5000 rpm que este bloco V6 transfigura-se.

Se até às 5000 rpm não há grande história para contar, quando o ponteiro do conta-rotações ultrapassa esta fasquia o cenário é totalmente distinto. Segurem-se!

Nissan 370Z Nismo
A caixa está equipada com um sistema que sincroniza a velocidade da caixa com a rotação do motor. Resultado? Binário negativo em desaceleração anulado.

O binário máximo é atingindo pouco depois, às 5200 rpm, e os 344 cv de potência exprimem-se em toda a sua glória apenas às 7400 rpm. É portanto um bloco pontudo, que exige rotação e trabalho de caixa para oferecer tudo aquilo que o chassis está preparado para aguentar.

Ainda tem muita presença, não acham?

Quando aceitamos o desafio de manter a rotação sempre acima das 5000 rpm, somos brindados com uma nota de escape digna da capacidade cúbica deste motor. As retas começam a encurtar e as curvas começam a exigir moderação quando pressionamos o pedal do acelerador. Quanto à caixa, merecia um escalonamento mais curto mas o tato e principalmente o sistema de ponta-tacão automático é soberbo.

Chassis fácil de ler

O Nissan 370Z Nismo não é um carro para curiosos. Apesar de seguro e previsível, exige precaução. Os engenheiros da Nissan Motorsports (NISMO) afinaram-no para quem quer realmente conduzir com a «faca nos dentes».

O chassis não é leve… mas a rigidez é assinalável.

Quando exageramos na velocidade que levamos para a curva, o eixo dianteiro é o primeiro a avisar-nos de forma muito transparente sobre as reservas de aderência nos pneus dianteiros — mas não se perdia nada se a direção fosse ligeiramente mais assistida. Atingido este limite, é aí que a traseira entra em jogo, e de forma progressiva ajuda-nos a enrolar o carro na direção pretendida.

Claro que quando isto acontece — e dependendo da velocidade a que acontece… — são necessários reflexos rápidos para não transformar uma curva limpa num vistoso powerslide ou em algo mais dramático…

É difícil de levar no limite? Não. Mas é exigente. Gosto disso.

Apesar da idade do projeto, o Nissan 370Z Nismo está aí para as curvas. Além do mais, é uma excelente base para algo ainda mais radical.

Travões? Excelentes. A resistência à fadiga é elevada.

O peso dos anos

Além da arquitetura do motor, há mais detalhes a denunciarem a idade do Nissan 370Z Nismo. Nomeadamente no interior.

Nem é pela qualidade dos materiais ou pela qualidade das montagem, é pela tecnologia empregue.

O sistema de infotainment já podia estar num museu. Emparelhar o nosso smartphone só é possível através de Bluetooth, o GPS tem um grafismo “vintage”, e a consola tem quase tantos botões como um Airbus A380.

Bem sei que esta imagem não é muito boa, mas à noite temos melhor noção da quantidade de botões que o Nissan 370Z Nismo tem.

Apesar de tudo, nenhum destes defeitos belisca o mérito do Nissan 370Z Nismo. Ao fim de uma semana, confesso que entregá-lo foi um momento complicado. Até porque foi comigo que ele ultrapassou a barreira dos 10 mil quilómetros.

Senti que podíamos ficar juntos durante mais umas semanas. Infelizmente, a minha carteira não partilhou do mesmo entusiasmo.

Nissan 370Z Nismo
A imagem possível, dois quilómetros antes da cifra mágica: 10 000 km.

Comprar um também não será viável no médio prazo, ainda que o preço que a Nissan pede por este Nismo seja mais do que justo. E a nossa fiscalidade deita tudo a perder. Ainda assim, 72 000 euros — em Espanha é mais barato 27 mil euros! snif, snif… — parecem-me um valor mais do que adequado por um modelo tão especial e competente como este. Volta sempre Nissan 370Z Nismo!

Nissan 370Z Nismo
Vou ter saudades deste… design.

Preço

unidade ensaiada

72.000

Classificação Euro NCAP: N/D

  • Motor
    • Arquitectura: 6 cil. em V
    • Capacidade: 3696 cm3
    • Posição: Longitudinal
    • Carregamento: injeção indireta, atmosférico
    • Distribuição: 2 A.A.C., 4 válv. por cilindro
    • Potência: 344 cv às 7200 rpm
    • Binário: 371 Nm às 5200 rpm
  • Transmissão
    • Tracção: traseira
    • Caixa de velocidades: manual 6 vel.
  • Capacidade e dimensões
    • Comprimento / Largura / Altura: 4330 mm / 1870 mm / 1315 mm
    • Distância entre os eixos: 2550 mm
    • Bagageira: 235 litros
    • Peso: 1610 kg
  • Consumo e Performances
    • Consumo médio: 10,6 l/100 km
    • Emissões de CO2: 248 g/km
    • Vel. máxima: 250 km/h
    • Aceleração: 5,2s
  • Equipamento
    • Ar condicionado automático
    • Fecho centralizado
    • Computador de bordo
    • GPS
    • Airbags laterais
    • Duplo airbag
    • Sistema de infotainment com Mirror Link, CarPlay ou Android Auto
    • Travagem automática
    • Sistema de manutenção na faixa de rodagem
Avaliação
7 / 10
É um modelo em fim de ciclo e isso nota-se em todos os detalhes. O Nissan 370Z Nismo está no fim mas está longe de estar acabado… continua a ser um desportivo muito competente e surpreendentemente prático no dia-a-dia.
  • Aquelas últimas 2000 rpm...
  • Comportamento dinâmico
  • Travões
  • Potencial do motor
  • Consumos
  • Tecnologicamente datado
  • Preço (depois de impostos)
Sabes responder a esta?
Qual o motivo por detrás da concepção do Nissan GT-R50?
Não acertaste.

Mas podes descobrir a resposta aqui:

O Nissan GT-R50 celebra os 50 anos de vida do GT-R e da Italdesign

Mais artigos em Testes, Ensaio

Os mais vistos