Pikes Peak

Volkswagen restaura o Golf BiMotor que participou em Pikes Peak

Já se passaram mais de 30 anos sobre a última participação da Volkswagen em Pikes Peak. O seu regresso com o I.D. R Pikes Peak, 100% elétrico, foi motivo para recuperar o Golf BiMotor, a sua primeira máquina destinada especificamente a esta prova.

Já aqui anunciámos o regresso da Volkswagen a Pikes Peak. O regresso será feito com um protótipo elétrico, que mais parece saído de algo como Le Mans. O I.D. R Pikes Peak tem como objetivo vencer a “corrida até às nuvens” e quebrar o recorde para carros elétricos no processo.

Mas a primeira tentativa de conquistar o pico de 4300 m ocorreu há mais de 30 anos, na década de 80 do século passado. E não podia ser com uma máquina mais distinta do I.D. R Pikes Peak. O Golf BiMotor é precisamente aquilo que o nome indica: um monstro mecânico com dois motores 1.8 16v turbo — um à frente, outro atrás — capaz de debitar em conjunto 652 cv para apenas 1020 kg de peso.

Já aqui nos debruçámos sobre as origens e desenvolvimento do Golf BiMotor. E agora, por ocasião do regresso da Volkswagen à lendária prova, esta encetou um processo de restauro da muito especial máquina, apresentando-a ao lado do seu sucessor.

Volkswagen Golf BiMotor

Na altura, o Golf BiMotor, apesar de ter demonstrado ser rápido o suficiente para sair vitorioso, nunca chegou a concluir a prova, tendo desistido a poucas curvas do final. A razão esteve na fratura de uma junta giratória, onde tinha sido aberto um orifício para efeitos de lubrificação.

No processo de restauro a Volkswagen quis manter o Golf BiMotor tão original o quanto possível, pelo que o processo passou, sobretudo, de o tornar novamente operacional e capaz de ser conduzido.

Entre as várias particularidades do restauro, destaca-se o trabalho efetuado nos motores. Estes têm de ser afinados de forma a trabalharem sincronizadamente na entrega de potência, de modo a manter o carro controlável e estável. No entanto, o Golf BiMotor restaurado não virá com os 652 cv originais.

O objetivo será o de atingir entre 240 e 260 cv por motor, com a potência final a rondar os 500 cv. Jörg Rachmaul, o responsável pelo restauro, justifica a decisão: “o Golf deve ser fiável e rápido, mas também durável. Essa é a razão pela qual não puxamos pelos motores até ao seu limite, isso seria um crime.”

Aguardamos ansiosamente para ver este monstro novamente em andamento.

Sabes responder a esta?
Qual a potência oficial do Volkswagen Golf GTI Performance MK7?
Não acertaste.

Mas podes descobrir a resposta aqui:

Volkswagen Golf GTI Performance. Ainda é uma hipótese a considerar?

Mais artigos em Notícias

Os mais vistos