Comparativo - EXCLUSIVO Razão Automóvel

Duas gerações Ford Focus RS em confronto

A atual geração (MK3) do Ford Focus RS está prestes a sair de produção. Entre lágrimas e soluços por uma despedida prematura, conseguimos encontrar forças para juntar as duas últimas gerações do Ford Focus RS. Já ouviram desculpas melhores, não já?

Em Lisboa, Portugal

Admite… é por artigos assim que visitas a Razão Automóvel todos os «santos dias» — e agora tens mais um motivo.

Testes, histórias e as principais novidades do mundo automóvel à distância de um ecrã. E hoje, mais um EXCLUSIVO RAZÃO AUTOMÓVEL: um comparativo entre as gerações Ford Focus RS Mk2 e Mk3. Eu disse que devias visitar-nos todos os dias, não disse?

Confesso que já tinha este comparativo em carteira há algum tempo — não podia guardá-lo mais tempo. Hoje, quando entrei no escritório, nem abri a caixa de e-mail. Fui imediatamente buscar o meu bloco de notas (onde aponto as sensações de cada carro para recordar mais tarde) e comecei logo a escrever.

Primeiro apontamento:

O Focus RS Mk2 tentou matar-me. O Focus RS Mk3 é meu amigo.

Bloco de notas do Guilherme
Um agradecimento à Sportclasse — especialista independente Porsche, pela cedência do Focus RS Mk2.

Obviamente que as minhas notas não falam apenas das tentativas de homicídio do Focus RS Mk2, mas depressa larguei o bloco. Descobri que ainda tenho a memória fresca, não preciso das «ajudas em papel». Até porque nem anotei os consumos (bolas, esqueci-me!). Mas foram elevados certamente, tendo em consideração as duas faturas de 80 euros em gasolina que ficaram a servir de marcador na página.

Regressando aos Ford Focus RS

Estas duas gerações do Ford Focus RS não podiam ser mais distintas. Nem está em causa descobrir qual é a melhor, porque a última é melhor em tudo. O Ford Focus RS Mk3 curva melhor, é mais equilibrado, tem mais equipamento, é mais confortável e anda mais.

Pronto… e o comparativo está feito. Certo?

Errado. Falta contar tudo. Portanto segurem-se, porque este é mais um daqueles artigos longuíssimos. Vão buscar as pipocas rapazes…

Uma dupla de respeito.

Focus rs Mk3. Dinâmica soberba

Em termos de comportamento em curva, o Ford Focus RS Mk3 é o modelo mais ágil do segmento. Eu disse ágil. Não disse que era o mais eficaz, nem o mais divertido. Disse que o Focus RS é o hot hatch mais ágil do segmento. Ainda que o Ford Focus RS Mk3 também seja eficaz e divertido, claro.

Ford Focus RS 2.3 Ecoboost
Faca nos dentes.

Digo-o de forma confortável porque já testei todos os hot hatch do momento, à excepção do novo Renault Mégane RS — coube ao Fernando Gomes esse privilégio. O Honda Civic Type-R poderá conseguir passagens em curva mais rápidas — a roçar os limites do absurdo… — mas o Ford Focus RS Mk3 sente-se mais ágil. O Audi RS3 pode parecer mais colado ao asfalto, mas o Focus RS é mais interactivo. O BMW M2… bem, o BMW M2 tem tração traseira.

E quando chega a altura de andar com a «faca nos dentes», o Ford Focus RS não pede licença a ninguém. Agarra o asfalto como um gato agarra o muro de uma piscina perante a possibilidade de cair à água.

Este modelo é tão preciso e contundente que fico na dúvida em qual é que seria mais rápido num track-day: Focus RS, RS3, M2, A45 ou Type-R? Não mencionei o SEAT Leon Cupra 300, mas acreditem que não distaria muito longe deste «alcateia de lobos» apesar de ser menos potente — a presença massiva de modelos Leon Cupra no Nürburgring é um bom indicador do «sumo» que é possível extrair do conjunto espanhol.

Ford Focus RS 2.3 Ecoboost
As linhas transpiram «performance».

Mas é quando ligamos o modo DRIFT — no botão dos modos de condução — que o Ford Focus RS Mk3 nos arranca o derradeiro sorriso dos lábios. A gestão eletrónica envia mais potência para a traseira, a suspensão fica sensivelmente mais suave do que no modo RACE (para ser mais fácil brincar com as transferências de massas) e os powerslides acontecem com uma facilidade que me fazem acreditar que podia ter uma palavra a dizer no Campeonato do Mundo de Ralis.

É mesmo essa a tónica do Ford Focus RS: facilidade. A eletrónica ajuda-nos tanto, a fazer o que queremos, quando queremos, e como queremos, que até achamos que somos prodígios do volante.

Sebastien Loeb? Sim, sim… já ouvi falar.

A forma como a eletrónica colabora connosco é tão eficaz que não incomoda. Agradeçam aos rapazes da GKN, que desenvolveram o sistema de vetorização de binário Twinster de embraiagens duplas, que equipa o Ford Focus RS Mk3.

Ford Focus RS 2.3 Ecoboost
Os bancos do Ford Focus RS Mk3 são confortáveis e oferecem um bom apoio. Mas a posição de condução podia ser mais baixa.

Aos engenheiros da Ford coube o desenvolvimento do algoritmo que controla este sistema de modo a manter os postes, árvores e outros obstáculos do lado de fora do habitáculo. Se queres elevar o nível técnico deste artigo, vê este vídeo.

E já agora, subscreve o nosso canal de YouTube. Este fim de semana temos novidades no canal da Razão Automóvel… #adartudo

Este sistema de vetorização de binário não serviria de nada se o restante conjunto chassis/suspensões não fosse fantástico. Acontece que é…

O chassis do Focus é soberbo. Os ensinamentos de Richard Parry-Jones continuam bem presentes no departamento de R&D da Ford — não sabem quem foi Richard Parry-Jones? Escrevi algumas linhas sobre ele aqui.

Ford Focus RS 2.3 Ecoboost
O sistema de infotaiment é bastante completo. Por cima, podem ver os manómetros do óleo, pressão do turbo e companhia.

Quanto à suspensão, devido ao seu sistema de amortecimento adaptativo, é capaz de oferecer um bom nível de conforto com a mesma naturalidade que decreta guerra aos apex das curvas. Com a barriga cheia de powerslides e o ego inchado, larguei o Ford Focus RS Mk3 e dirigi-me para o Ford Focus RS Mk2. Nunca o tinha conduzido. Mas pela expressão do Diogo Teixeira, que veio dar uma ajuda nas fotografias dinâmicas — a coisa prometia…

Rumo ao passado com o Ford Focus RS Mk2

Suspensão adaptativa? Vetorização de binário? Sim, claro… que nãoooo! Mas não julguem que o Ford Focus RS Mk2 é um modelo desprovido de tecnologia. Quando foi lançado até estava à frente no tempo.

Ford Focus RS Mk2 Portugal
Os anos não passam por ele…

Apresentado ao mundo em janeiro de 2009, houve muito boa gente a franzir o olho perante os números apresentados pelo Ford Focus RS Mk2.

Um tração dianteira com 305 cv de potência? Impossível.

Aquilo que a Ford prometia em 2009 parecia impossível: fazer a vida negra a muitos modelos de «boas famílias» de tração traseira e motor central. Mas não era impossível. Hoje, quase 10 anos depois, não faltam desportivos de tração dianteira a demonstrar isso mesmo…

Um dos segredos do Ford Focus RS Mk2 chamava-se RevoKnuckle — nome pomposo para um esquema de suspensões MacPherson mais complexo. Este sistema conseguia separar os movimentos da direção dos movimentos da suspensão, evitando variações extremas na geometria (independentemente da carga) evitando assim a deformação da superfície de contacto do pneu com o asfalto. O diferencial autoblocante da Quaife também foi alvo de intenso trabalho por parte dos engenheiro das marca.

Ford Focus RS Portugal
É difícil acompanhar o novo Focus RS, mas não é impossível.

Resultado prático? Apesar dos 305 cv de potência, o Ford Focus RS MK2 devora o asfalto com a mesma vontade que uma criança devora um bife com batatas fritas.

Quanto ao motor, é o mesmo bloco 2.5 litros de cinco cilindros em linha que encontrávamos nos Focus ST — um bloco emprestado pela Volvo, que como estás recordado, naquela altura pertencia à Ford. Só que no Focus RS, este motor estava mais espigado.

Tinha êmbolos, bielas e uma cambota especifica, em parte para suportar as cargas do massivo turbo Warner K16, que dobrava a pressão dos 0.7 para os 1.4 bar face ao Focus ST.

O intercooler também aumentou, o sistema de escape foi totalmente revisto e a eletrónica não se ficou a rir. Efeitos práticos? O Ford Focus RS Mk2 tem um coice valente! Os 0-100 km/h cumprem-se em apenas 5,9 segundos, mas não contam a história toda. A velocidade máxima é de 262 km/h e há sempre potência disponível.

Os sopros e sons que este motor emite causam arrepios.

Não há rateres induzidos como no Focus RS MK3… mas há uma resposta que nos faz agarrar o volante como se a nossa vida dependesse disso. E a verdade é que depende mesmo disso…

Ford Focus RS Mk2 portugal
É pena a posição de condução ser tão elevada.

O Ford Focus RS Mk2 é muito intenso de conduzir. Mesmo muito intenso. Numa escala de 0 a 10, em que «zero» é viver num retiro budista e «10» é fazer festas no focinho de um tigre selvagem, o Focus RS Mk2 é um «sete».

Duas posturas distintas

Como percebeste, o Ford Focus RS Mk2 é um carro desafiante de conduzir. O peso do enorme motor 2.5 litros de cinco cilindros na dianteira do modelo, faz com que as transferências de massas numa condução mais empenhada ampliem todas as reações do chassis. É competente, é. Mas assusta os mais incautos.

O Focus Mk2 conduz-se de uma forma totalmente distinta do Focus RS Mk3 — e não é só porque um é FWD e o outro AWD. As diferenças são mais profundas que isso e começam a notar-se ainda antes de apontar à primeira curva.

No Focus «azul», Diogo Teixeira. No Focus «branco», Guilherme Costa em modo full attack.

No «velho» Focus RS temos ser objetivos naquilo que queremos fazer e para onde queremos ir. Temos de travar o mais a direito possível; aliviar o travão antes da entrada; manter a trajectória com decisão (muita decisão) até chegarmos ao interior da curva; e depois, aí sim, podemos acelerar dali para fora sem grandes dramas. A dianteira sacode um pouco mas o nosso sorriso é rasgado.

Se falhares um destes passos, prepara-te para reagir.

Os suores surgem quando levamos demasiada velocidade para o interior da curva. Aí qualquer tentativa de correção acorda a traseira e obriga-nos a ter reflexos rápidos. A condução do «velho» Focus RS é exigente e perdoa pouco. Mas se soubermos o que estamos a fazer, somos brindados com passagens em curva rapidíssimas.

Ford Focus RS Portugal
Duas máquinas distintas, com o mesmo nome de família e o mesmo propósito.

Já o Ford Focus RS Mk3 perdoa tudo. É absurdamente rápido (mais rápido que o seu antecessor) e também mais fácil de conduzir. Se no «velho» temos de planear tudo, no «novo» podemos inventar que ele perdoa a maioria dos exageros.

O motor 2.3 Ecoboost de 350 cv tem alma mais que suficiente para provocar os dois eixos e fazer os quatro pneus gritarem por “já chega!”.

Além de potência em doses suficientes, este motor também nos brinda com uma nota de escape encorpada. Não quero nem saber se os rateres são induzidos pela eletrónica ou não… a verdade é que enaltecem a experiência de condução. E a falta que faz ao Honda Civic Type-R FK8 um escape assim…

A sigla RS da Ford na sua máxima expressão.

É muito fácil explorar o Ford Focus Mk3 no limite. E não penses que por ser fácil é menos gratificante… conduzir um carro que faz aquilo que queremos, quando queremos e da forma que queremos dá-nos um sentimento de poder e controlo muito gratificante.

No Mk3 faço e aconteço. No Mk2 faço e espero que aconteça com estava à espera.

Lugares comuns

Vale a pena escrever aquilo que vocês já sabem? Que o interior do Focus RS Mk3 é mais recente, mais equipado, mais bem construído, etc. Eu acho que não.

Por isso vou ignorar olimpicamente essas comparações escusadas e dizer apenas que a posição de condução do Ford Focus Mk2 é demasiado elevada — uma herança que infelizmente transitou para o Mk3.

A Razão Automóvel vai continuar a surpreender-te.

Vou dizer também que não me importava de levar os putos à escola diariamente num Ford Focus RS Mk3 — nestas condições os consumos baixam para a casa dos 8 litros/100km. E dizer também que se não têm os 50 000 euros necessários para comprar um Ford Focus RS Mk3, o Ford Focus Mk2 poderá ser uma excelente alternativa. Diferente, é verdade, mas uma alternativa válida.

Além do mais, o motor do Ford Focus RS Mk2 é semelhante àquele que equipa o Volvo S60 Recce — uma espécie de carro de ralis que resultou do cruzamento de um carro familiar com um tanque de guerra. Caramba… mal posso esperar pelo Ford Focus RS Mk4. A Ford sabe o que faz.

Comparativo

Frente a Frente

  • Versão base: € 50627
  • IUC: € 232.35
  • Classificação Euro NCAP: 1 / 5
  • Versão base:
  • IUC:
  • Classificação Euro NCAP: 1 / 5
  • Motor
    • Arquitectura: 4 cil. em linha transversal
    • Capacidade: 2266
    • Posição: dianteira
    • Carregamento: Turbo+ intercooler
    • Distribuição: 16V 2 aac
    • Potência: 350 cv (às 6000 rpm)
    • Binário: 470 Nm (entre as 2000 e as 4500 rpm)
  • Transmissão
    • Tracção: Integral
    • Caixa de velocidades: manual de seis velocidades
  • Capacidade e dimensões
    • Comprimento: 4390mm
    • Largura: 1823mm
    • Altura: 1472mm
    • Distância entre eixos: 2647mm
    • Bagageira: 328 litros
    • Peso: 1 599 kg
  • Consumos e desempenho (valores oficiais)
    • Consumo médio: 7,7 l/100 km
    • Emissões de CO2: 175 gr/km
    • Vel. máxima: 266 km/h
    • Aceleração 0-100 km/h: 4,7 segundos
  • Garantias e manutenção
  • Motor
  • Transmissão
  • Capacidade e dimensões
  • Consumos e desempenho (valores oficiais)
  • Garantias e manutenção
  • Airbags Laterais F/T
  • Airbags Curtain
  • Alarme
  • Controlo de Pressão dos Pneus
  • Assistente de Ângulo Morto
  • Assistente de estrada
  • Avisos de Proximidade
  • Faróis Bixénon/LED
  • Head Up Display
  • Navegação
  • A/C Automático
  • Bancos em Pele
  • Conectividade para Smartphone
  • Transmissão automática
  • Cruise Control
  • Sensores de Luz/Chuva
  • Tecto de Abrir
  • Isofix
  • Pack Desportivo

  • Airbags Laterais F/T
  • Airbags Curtain
  • Alarme
  • Controlo de Pressão dos Pneus
  • Assistente de Ângulo Morto
  • Assistente de estrada
  • Avisos de Proximidade
  • Faróis Bixénon/LED
  • Head Up Display
  • Navegação
  • A/C Automático
  • Bancos em Pele
  • Conectividade para Smartphone
  • Transmissão automática
  • Cruise Control
  • Sensores de Luz/Chuva
  • Tecto de Abrir
  • Isofix
  • Pack Desportivo

  • Dispositivo de segurança: 9
  • Montagem e Pintura: 9
  • Bagageira: 9
  • Dispositivo de segurança: 5
  • Montagem e Pintura: 6
  • Bagageira: 5
  • Área: 9
  • Versatilidade: 9
  • Qualidade: 9
  • Equipamento: 9
  • Posição de Condução: 9
  • Isolamento de Som: 9
  • Área: 5
  • Versatilidade: 4
  • Qualidade: 6
  • Equipamento: 5
  • Posição de Condução: 5
  • Isolamento de Som: 6
  • Condução: 9
  • Conforto: 9
  • Comportamento: 9
  • Acelerações: 9
  • Recuperações: 9
  • Travões: 9
  • Condução: 7
  • Conforto: 5
  • Comportamento: 8
  • Acelerações: 7
  • Recuperações: 8
  • Travões: 7
  • Consumo: 9
  • Emissões Poluentes: 9
  • Garantias: 9
  • Manutenção: 7
  • Preço: 9
  • Consumo: 4
  • Emissões Poluentes: 4
  • Garantias: 5
  • Manutenção: 5
  • Preço: 5
Avaliação
4 / 10
4 / 10
  • Relação preço/performance
  • Facilidade de condução
  • Acelerações
  • Disponibilidade do motor
  • Qualidade de alguns materiais
  • Consumos
  • Capacidade da mala
  • Aspeto de «ralis»
  • Motricidade do eixo dianteiro
  • Carácter do motor
  • Consumos
  • Reações em condução (muito) empenhada

Mais artigos em Testes, Comparativo

Os mais vistos