Histórias da F1

Ayrton Senna na Williams? Com uma condição… conduzir o Honda NSX

É quase sempre assim que tomo conhecimento das melhores histórias: a falar com quem já cá anda há mais tempo.

Estava à conversa com um dos jornalistas da SIC, durante a apresentação do novo telemóvel da Huawei — um smartphone desenvolvido em parceria com a Porsche Design — quando o tema Ayrton Senna surgiu.

Atendendo ao local e às pessoas em causa, era inevitável que assim fosse…

Haverá imagem do Honda NSX mais famosa que esta? Não.

Contava-me o Rui — enquanto olhava por uma enorme janela com vista para a reta de onde o Senna partiu para a primeira vitória da sua carreira — que guarda com muita estima algumas recordações pessoais e profissionais do Senna naquele preciso lugar. Disse-me aquilo com a profundidade de quem esteve «ao vivo e a cores» com o melhor piloto de todos os tempos. E eu ouvi-o com toda a atenção, na esperança de ser transportado para aquela época pelas suas palavras. Em parte fui.

O contrato com a Williams e o Honda NSX

Entre episódios mais e menos conhecidos, contou-me um tão interessante que eu disse-lhe logo “Caramba! Tenho de partilhar isso na Razão Automóvel!”. Vão buscar as pipocas porque a história é destinada aqueles que gostam (mesmo) de automóveis.

A NÃO PERDER: Tenho um Honda Civic Type-R FK8 parado à porta de casa

Como toda a gente sabe, o Ayrton Senna tinha casa em Portugal. Mas não era só uma casa que Ayrton Senna tinha por cá. Ayrton também tinha um carro… um Honda NSX cedido pela marca. Um modelo importantíssimo para a Honda por diversos motivos.

Boys will be boys…

Em primeiro lugar, foi este modelo que no início da década de 90 mostrou ao mundo que a Honda não era somente capaz de fazer carros fiáveis — e aborrecidos… — mostrou que também era capaz de fazer máquinas de sonho. Além disso, foi também o primeiro modelo da marca nipónica a receber a sigla Type R. Mas talvez mais importante que tudo isto, o NSX foi um carro tocado por um semi-deus: Ayrton Senna.

Na época, Senna ajudou os engenheiros japoneses nas derradeiras afinações do NSX. Ayrton entrou em cena naquele momento em que os algoritmos dos computadores — ainda mais naquela altura — têm de afastar-se e dar lugar à inigualável sensibilidade humana. O mundo ainda é nosso, máquinas!

Deste envolvimento, contava-me o Rui, nasceu uma ligação especial entre o Ayrton Senna e o Honda NSX. Uma ligação que alegadamente sobreviveu inclusivamente à mudança da McLaren-Honda para a Williams.

“Tenho uma condição”

Ao que parece, entre outras condições, Ayrton Senna obrigou a Williams a acrescentar uma cláusula no mínimo sui generis ao seu contrato. Só assinava pela Williams se pudesse continuar a conduzir o seu Honda NSX, caso contrário nada feito. Compreensivamente, as marcas não gostam de ver os seus pilotos a conduzirem modelos de outras marcas.

RELACIONADO: Há 25 anos nasceu a sigla Type R

Senna era um homem frontal, dentro e fora das pistas, e é possível que essa cláusula tenha mesmo existido. Era um piloto gostava de envolver-se nos processos negociais, este vídeo é prova disso:

A Williams aceitou a condição de Ayrton Senna e o resto é a história que todos conhecemos. Procurei mais informação na internet sobre a existência desta cláusula mas não encontrei nada. Facto é que Ayrton Senna conduziu mesmo um Honda NSX em 1994 quando era piloto da… Williams! Há registos disso.

Pode até ser um mito urbano, mas o facto é que entre Ayrton Senna e aquele NSX havia mesmo uma ligação especial…

Mais artigos em Crónicas

Os mais vistos