Salão de Tóquio 2017

e-Evolution: o sucessor do Mitsubishi Evo vai ser um crossover elétrico?

A Mitsubishi divulgou as primeiras imagens do concept e-Evolution - um crossover de altas performances e... elétrico.

Se a participação de um automóvel no WRC era o combustível para o seu sucesso na rua, o Mitsubishi Evo foi definitivamente um dos seus maiores exemplos. A saga Evo prolongou-se por 10 capítulos e quase 15 anos – alimentando os sonhos motorizados de muitos entusiastas. Mas como os tempos mudaram…

Já nos seus últimos anos de vida se especulava sobre o seu futuro. Como uma máquina devoradora de gasolina e cuspidora de fogo sobreviveria num mundo onde a palavra de ordem era, e é, a redução de emissões?

Crossover por toda a parte!

A Mitsubishi parece ter encontrado a resposta e não é aquela que estávamos à espera. Como os teasers divulgados revelam, o Mitsubishi e-Evolution é, segundo a marca, um crossover elétrico de elevadas performances.

Mitsubishi e-Volution

Se para os mais veteranos, o uso do nome Eclipse num crossover em vez de coupé já foi difícil de digerir, ver “evolution” ou como a marca refere “e-Evolution” num crossover parece simplesmente herético.

As imagens revelam um concept drasticamente diferente dos Evo que conhecemos. A máquina derivada do modesto Lancer, uma berlina de quatro portas, transforma-se numa outra com um perfil monovolume e uma distância ao solo generosa.

Além de crossover, o e-Volution é também 100% elétrico, justificando a curta frente. Apesar das imagens não serem totalmente reveladoras permite averiguar que os elementos de estilo evoluem os temas já vistos nos concepts e modelos mais recentes da marca japonesa, como o Eclipse – o que nos deixa algo ansiosos, e não pelos melhores motivos, pela revelação final.

Mitsubishi e-evolution

Elétrico e com inteligência artificial

Ainda não foram anunciados quaisquer indicadores sobre a sua performance, mas o que sabemos é que virá com três motores elétricos: um no eixo dianteiro e dois atrás. Dual Motor AYC (Active Yaw Control) é a denominação do par de motores traseiros que, graças a um sistema eletrónico de vetorização de binário, deverá garantir toda a eficácia expectável de um Evo – mesmo tratando-se de um crossover.

O outro destaque é mesmo o recurso à Inteligência Artificial (IA). Graças a um conjunto de sensores e câmeras, a IA permitirá não só ler e interpretar o que acontece à frente do carro, como perceber quais as intenções do condutor.

Desta forma, a IA consegue avaliar capacidades do condutor, vindo em seu auxílio e providenciando até um programa de treino. Esse programa dará indicações ao condutor, seja através do painel de instrumentos ou de comandos de voz, que resultará não só no melhorar das suas capacidades, como também num superior aproveitamento do potencial de performance da sua máquina e enriquecimento da experiência de condução. Bem vindos ao século XXI.

Conseguirá o e-Evolution “converter” várias gerações de entusiastas de um dos guerreiros preferidos dos ralis? Esperemos pelo veredicto quando as portas do Salão de Tóquio se abrirem, já no final deste mês.

Sabes responder a esta?
O primeiro carro com tração integral usado pela Lancia no WRC foi o...
Não acertaste.

Mas podes descobrir a resposta aqui:

Henri Toivonen foi mesmo mais rápido que os F1 no Estoril? Explorando o mito.

Mais artigos em Notícias