Recharge No modo Recharge está a reduzir a sua pegada ecológica.

Obrigado por guardar energia para o que mais importa.

Uma iniciativa
x

Recharge

Estamos a guardar energia para o que mais importa.

Efeméride

Peter Schutz. Morreu o homem que salvou o Porsche 911

Porsche 911. Quem não o conhece, quem não sabe quem ele é. Mas será que sabias que foi um americano, Peter Schutz, que evitou a sua extinção?

Porsche 911 — só o nome causa arrepios! No entanto, o que muitas pessoas não sabem é que aquele que é hoje em dia a jóia da coroa na gama da Porsche, esteve perto de desaparecer na bruma dos tempos. Devido não só à desmotivação que, em plenos anos 80, grassava entre os responsáveis da Porsche mas também devido ao declínio da performance comercial do 911. Neste cenário de morte quase certa, foi um alemão naturalizado americano de nome Peter Schutz que salvou este icónico modelo.

Porsche 911 2.7 S
As lendas também sofrem.

A história conta-se em poucas palavras: decorriam os anos 80 do século passado, quando os dirigentes da Porsche decidiram ter chegado a altura de substituir o então já veterano Porsche 911. Tendo, inclusivamente, eleito, logo aí, o Porsche 928 para o substituir – modelo, no entanto, mais próximo de um Gran Turismo, do que propriamente de um verdadeiro desportivo como era o 911.

Contudo, foi também nessa altura que chegou à Porsche Peter Schutz. Engenheiro norte-americano nascido alemão, em Berlim, que, por ser oriundo de uma família judia, teve de fugir, ainda pequeno, com os pais, para os Estados Unidos da América, devido ao Nazismo e à II Guerra Mundial. Schutz regressou à Alemanha nos anos 70, então já adulto e formado em engenharia, onde acabaria por assumir, em 1981 e por indicação do próprio Ferry Porsche, o cargo de CEO na marca de Estugarda.

Peter Schutz junto ao seu «amado» 911.

Chegar, ver e… mudar

Contudo e uma vez chegado à Porsche, Schutz ter-se-á deparado com um cenário desolador. Com o próprio a reconhecer, mais tarde, que toda a empresa vivia então uma desmotivação extrema. Que, inclusivamente, terá levado à decisão de avançar com evoluções apenas dos modelos 928 e 924, enquanto o 911 parecia ter morte anunciada.

Peter Schutz
Uma das frases mais celebres de Peter Schutz.

Em desacordo com esta opção, Peter Schutz refez os planos e decidiu não só prolongar o prazo para lançamento de uma nova geração do Porsche 911, como falou ele próprio com o já famoso Helmuth Bott, responsável até aí não apenas por muitos dos desenvolvimentos do 911, mas também o artifice do Porsche 959. Acabando por convencê-lo a continuar o desafio de desenvolver aquele que, hoje em dia, é o modelo-referência da Porsche.

RELACIONADO: A primeira vez ao volante de um «air-cooled»

Com o trabalho a terminar com o lançamento, em 1984, da terceira geração do Carrera, equipado com um novo motor 3,2 litros. Bloco que, aliás, Bott adaptaria, inclusivamente, à aeronáutica, para construção de um novo avião, o Porsche PFM 3200.

Aliás e segundo reza a história, o próprio Schutz não terá deixado de, enquanto aos comandos da Porsche, propor aos engenheiros o mais variado tipo de propostas. Algumas das quais os primeiros acreditavam à priori serem tecnicamente impossíveis, mas que, depois de alguns estudos e muito debate, acabariam por avançar, resultando nalguns dos mais espectaculares carros alguma vez conduzidos.

Peter Schutz. Fim de um ciclo

No entanto e apesar do papel que teve, entre outros, na salvação da jóia da coroa da Porsche, Peter Schutz acabaria por deixar a companhia em Dezembro de 1987, empurrado pela crise económica nos EUA, um dos principais mercados da marca. Acabando por sair de cena, substituído no cargo por Heinz Branitzki.

Entretanto, passados 30 anos sobre esta data, surge agora a notícia que Peter Schutz faleceu este fim-de-semana, com a idade de 87 anos, deixando para a História, não apenas um desportivo que é hoje em dia a imagem por excelência de uma marca automóvel como a Porsche, mas também a recordação de um espírito sagaz, que sabia motivar equipas, além de com um grande sentido de humor.

A NÃO PERDER: O primeiro “Panamera” foi um… Mercedes-Benz 500E

Da nossa parte, ficam os votos de pesar, mas também os desejos de que descanse em paz. Principalmente, por toda a adrenalina e emoção que, através daquele que é um dos melhores desportivos de todos os tempos, nos deixa em herança.

Porsche 911
A história continua.

Sabe responder a esta?
Qual foi o primeiro Porsche que o Guilherme conduziu?
Não acertou..

Mas pode descobrir a resposta aqui::

A primeira vez ao volante de um «air-cooled»

Mais artigos em Notícias