James Hunt: já não há pilotos assim

Estamos a guardar energia para o que mais importa.

Fórmula 1

James Hunt: já não há pilotos assim

James Hunt, campeão do mundo da Fórmula 1 em 1976, faria 75 anos este mês. Recordamos o porquê de ser um dos pilotos mais carismáticos de sempre.

James Hunt foi um piloto de Fórmula 1 como poucos. Se pilotos como Fangio, Senna ou Schumacher eram reconhecidos sobretudo pela sua capacidade de pilotar, Hunt é recordado, sobretudo, pelo seu estilo de vida. Rebelde e playboy, ofensivo e charmoso, todos os adjectivos eram necessários para definir esta personagem complexa.

Venceria o campeonato mundial de Fórmula 1 em 1976, um ano que marcaria de tal forma a disciplina, que até deu origem a um filme: Rush.

Fiquem a conhecer algumas das razões pelas quais James Hunt é considerado um dos pilotos mais carismáticos que a Fórmula 1 já conheceu.

VEJAM TAMBÉM: Niki Lauda. Até sempre campeão!

Declarações imprevisíveis

Se hoje não é comum termos declarações e respostas «coloridas» por parte dos discursos meticulosamente controlados dos pilotos de Fórmula 1, com James Hunt, não só as palavras como os atos eram sempre imprevisíveis.

Veja-se os exemplos abaixo: a fumar um cigarrinho após uma corrida, ou a resposta que dá a uma questão de um jornalista. Outros tempos…

Um rival duro e de respeito

Conhecido pelo seu comportamento duro na pista e até pelos acidentes provocados por si — ganhando a alcunha de James “Shunt” (empurra) —, Hunt também era capaz de respeitar os rivais.

E tal aplicava-se a não mais do que Nikki Lauda. O piloto austríaco e Hunt já se digladiavam em circuito desde os tempos da Fórmula 3, o que talvez ajude a explicar o respeito mútuo que sentiam um pelo outro, mesmo quando não podiam ser duas personalidades mais distintas.

James Hunt e Nikki Lauda

Essa rivalidade, praticamente lendária, passou para o grande ecrã em 2013, com a estreia do filme Rush, de Ron Howard, que retrata precisamente a disputa pelo título na época de 1976. Uma época que ficaria infame pela discussão à volta da segurança dos automóveis de Fórmula 1 — foi o ano do acidente de Nikki Lauda que lhe quase custou a vida.

Eu tinha muito respeito por ele no circuito. Eu podia conduzir a dois centímetros das rodas dele e ele nunca faria uma manobra estúpida.

Nikki Lauda

O filme revela um lado de Hunt que poucos conheciam e o respeito existente entre os dois é retratado na última cena do filme.

O quanto o filme se aproximava dos factos? Segundo Lauda, 80% do filme era bastante fidedigno e os restantes 20% são tipicamente Hollywood.

Sempre competitivo

Antes de enveredar por uma carreira no desporto motorizado, James Hunt praticava squash e ténis, desportos nos quais também revelava a sua natureza competitiva. Mesmo após dedicar-se aos monolugares, continuou a praticar estas duas disciplinas de forma determinada.

Playboy e rebelde

O estilo de vida de James Hunt garantia-lhe mais fama do que até a sua carreira na Fórmula 1. Fumava bastante e bebia generosamente — até antes de correr num Grande Prémio —, e estava sempre rodeado de mulheres. Diversão era com ele. Os mais próximos referem que, apesar de algumas atitudes excessivas, era um tipo de pessoa naturalmente calmo e descontraído.

O seu estilo de vida, muitas vezes excessivo, poderá ter contribuído para o seu fim precoce. James Hunt morreria apenas com 45 anos, de um ataque cardíaco.

Igual a ele próprio, mesmo após ter arrumado o capacete

James Hunt terminaria a sua carreira de Fórmula 1 em 1979. Seria convidado nesse mesmo ano pela BBC para ser comentador das provas do Campeonato de Fórmula 1. O convite foi aceite e por lá ficou até à sua morte, em 1993.

James Hunt na BBC

Quem estivesse à espera de um James Hunt mais moderado, engane-se. Os seus comentários e críticas, sempre diretos e por vezes bem duros, eram constantemente alvo de polémica.

Basta ver o exemplo abaixo durante o GP do Mónaco em 1989. Durante a prova, ouvindo o seu colega comentador, Murray Walker, a referir as justificações que o piloto francês René Arnoux proferiu sobre a sua falta de ritmo, por estar habituado aos motores turbo e não aos naturalmente aspirados que regressaram naquele ano, Hunt não se conteve.

A única coisa que podia dizer sobre essa desculpa do piloto é que era… “bullshit”. Típico…

Para sempre recordado

Ainda hoje muitos pilotos continuam a recordar e homenagear a memória de James Hunt. E talvez nenhum mais do que Kimi Räikkönen — que também já abandonou a Fórmula 1. O piloto finlandês não é conhecido pela sua eloquência — bem, ele é conhecido como o Ice Man, o “home de gelo” —, mas é um admirador confesso de James Hunt e do estilo de vida dos pilotos de competição da década de 70.

Não só chegou a participar em corridas de motos de neve, vestido de gorila, sob o nome do piloto britânico, como durante o GP do Mónaco de 2012 usou um capacete com o nome de Hunt pintado em letras bem grandes.

Mais do que o piloto é a forma de Hunt de lidar com a vida que continuaremos a recordar. James Hunt não se levava muito a sério, aproveitava a vida ao máximo — talvez excessivamente… —, e pouco mudou até ao fim dos seus dias. Genuinidade parece ser uma característica rara nos dias que correm, não só na Fórmula 1.

Até sempre, James Hunt…

 

Mais artigos em Clássicos