Comparativo

Hyundai Ioniq. Híbrido, plug-in ou elétrico?

Testámos as três versões do novo Hyundai Ioniq. Três modelos aparentemente iguais, mas que se distinguem pelas soluções tecnológicas empregues.

Durante uma semana, o parque da Razão Automóvel foi dominado por três modelos muito similares. Falamos dos Hyundai Ioniq nas versões Electric, Plug-in e Hibrid.

Tal como os gémeos humanos, também neste «trio Ioniq» as parecenças físicas ajudam a esconder as diferenças de carácter. Apesar de todos obedecerem à mesma filosofia: máxima eficiência energética, preocupação com o meio ambiente e facilidade de utilização, estes Ioniq não são todos iguais.

Hyundai Ioniq comparativo
Descobre as diferenças

Qual o Hyundai Ioniq ideal para ti? É a pergunta de partida para este comparativo. Mas primeiro vamos às semelhanças.

Todos iguais? Nem por isso…

Os Hyundai Ioniq Hybrid, Eletric e Plug-in não partilham apenas o mesmo design – ligeiramente diferente na versão Eletric, que dispensa a grelha convencional para refrigerar o motor de combustão (que não tem) – e a mesma filosofia como escrevemos mais acima. A partilha de identidade estende-se também à plataforma e à maioria dos componentes, na sua maioria exclusiva da gama Ioniq.

Imaginando que o motor de combustão é o Batman, nesse caso o motor elétrico assume o papel de Robin, ou seja, está lá apenas para auxiliar.

Graças a esta abordagem holística à família Ioniq, a Hyundai conseguiu não só importantes economias de escala, mas também conseguiu simplificar o processo de escolha. Ao invés de apresentar três modelos distintos com três mecânicas diferentes, a Hyundai concentrou o processo de escolha no essencial: preço, autonomia e custos de utilização.

Há ligeiras diferenças na capacidade das bagageiras devido às baterias.

Por dentro, as semelhanças continuam. O interior apresenta um rigor de construção assinalável, que apenas peca pela escolha de alguns materiais, que não sendo maus (não são) destoam da sensação geral com que ficámos. O espaço a bordo é mais do que suficiente (inclusive para cadeiras de criança), tanto atrás como à frente, e o ambiente é agradável. Nota menos positiva para insonorização do habitáculo.

Não sei se por mérito do silêncio das motorizações do Ioniq ou pelo deficiente isolamento acústico, a verdade é que por vezes o ruído de rolamento é ligeiramente mais audível do que aquilo que desejaríamos.

Feitas as apresentações gerais, vamos falar de cada Hyundai Ioniq separadamente. Objetivo? Entender aquilo que os separa. Vamos começar pelo Hyundai Ioniq Hybrid.

Hyundai Ioniq Hybrid

Preço. Vamos começar pelo Ioniq mais «em conta». Deste trio, o Hyundai Ioniq Hybrid é o mais barato por uma larga margem. O Hybrid custa 29.900 euros, menos 8.600 euros que os irmãos Plug-in e Electric (ambos custam 38.500 euros).

Mas o Hybrid não é somente o mais barato. O Hybrid é também aquele que apresenta o comportamento dinâmico mais acutilante deste trio.

Além de ser mais leve que a versão Plug-in (pesa menos 73 kg do que este último) recorre ainda a uma suspensão independente no eixo traseiro (no Electric, devido à colocação das baterias temos um “simples” eixo de torção). A somar a estas diferenças, o Ioniq Hybrid é o único que recorre a uns pneus mais generosos – 225/45 R17 contra uns mais “ecológicos” 205/55 R16 dos restantes.

O resultado prático é um Ioniq Hybrid que, fruto da feliz união entre o motor de combustão 1.6 GDI de 108 cv com o motor elétrico de 43 cv (potência combinada de 141 cv) consumada pela caixa de dupla embraiagem de seis velocidades, consegue imprimir ritmos bastante interessantes no dia a dia.

Design equilibrado. Longe dos exageros de formas dos «híbridos» de outros tempos.

Quem quiser usar toda a potência disponível, deve colocar a alavanca de velocidades no modo S. Com a caixa no modo S ativamos automaticamente o modo Sport. No modo Sport o motor elétrico entra em ação de forma mais contundente e o acelerador fica mais sensível aos movimento do nosso pé direito.

Plasmados os pontos positivos, vamos aos pontos menos positivo do Ioniq Hybrid face aos seus irmãos. À exceção do arranque, não é possível circular em modo 100% elétrico sempre. Neste Ioniq Hybrid o motor elétrico tem um papel secundário. Imaginando que o motor de combustão é o Batman, nesse caso o motor elétrico assume o papel de Robin, ou seja, está lá apenas para auxiliar. O grande protagonista é sempre o Batman… desculpem!, o motor de combustão.

A derradeira "cartada" do Electric pode ser os custos de manutenção mais reduzidos.

Ainda assim, os consumos desta aliança «Batman e Robin» são muito interessantes (mais do que alguns filmes da saga…). Num percurso misto, sem preocupações de maior com o ritmo imposto é perfeitamente possível conseguir médias na casa dos 4 litros aos 100 km.

Hyundai Ioniq Plug-in

Tens uma tomada sempre por perto e costumas fazer viagens longas? Eventualmente o Hyundai Ioniq Plug-in é a escolha ideal para ti. Custa mais 8.600 euros do que o Ioniq Hybrid mas permite circular em modo 100% elétrico durante cerca de 32 km fruto das baterias com capacidade para 8,9kWh (contra apenas 1,56kWh do Hybrid).

Hyundai Ioniq Plug-in
Hyundai Ioniq Plug-in

Nesta versão o motor elétrico deixa de ser um mero auxiliar do motor de combustão (apesar de ser igual ao do Hybrid) e passa a conseguir mover os 1.550 kg do Ioniq Plug-in sozinho. Na consola central temos um botão que permite alternar entre o modo 100% elétrico e o modo híbrido. A escolha é nossa.

Em termos de conforto, as diferenças para o Hyundai Ioniq Hybrid são virtualmente nenhumas. Em termos de comportamento dinâmico, ainda que não deixe os seus créditos por mão alheias, perde alguns pontos para o seu irmão Hybrid. Não é grave… até porque quem procura este tipo de veículos não procura performance, procura segurança e previsibilidade de movimentos, e essas são qualidades transversais aos três modelos.

O que é grave é deixar acabar a carga da bateria de 8,9kWh, porque aí deixamos de poder usufruir do modo 100% elétrico desta versão. Esta versão só faz sentido para quem faz poucos quilómetros diariamente (podendo recorrer ao modo 100% elétrico) mas precisa da autonomia máxima com frequência (recorrendo ao modo híbrido). Caso contrário dificilmente conseguirás abater o diferencial de 8.600 euros que separa esta versão da versão Hybrid.

Em condições de igualdade – ou seja, em termos de consumos – estamos a falar de uma poupança de 0,6 litros numa viagem de 100 quilómetros. Até conseguires recuperar os 8.600 euros de diferença terás de fazer muitos quilómetros. Dependendo da quantidade de vezes que carregas a bateria na tomada, podes nunca conseguir amortizar o diferencial investido.

Hyundai Ioniq Electric

Tal como fizemos no Ioniq Hybrid, também no Ioniq Eletric vamos começar pelo ponto mais positivo desta versão. Como já devem ter adivinhado (não é difícil…) a grande vantagem dos elétricos face aos seus congéneres equipados com motor de combustão é o custo por cada 100 km – nesta afirmação, não vamos refletir o custo de aquisição. Daqui a pouco já incluímos esse pequeno grande detalhe…

A grande diferença do Ioniq Electric? A ausência de grelha na dianteira.

Vamos assumir um custo de 0,1635 euros de eletricidade por kWh – caso sejas cliente da EDP podes consultar o teu custo kWh aqui – e que o Hyundai Electric consome 13 kWh numa utilização mista entre cidade e estrada nacional. Feitas as contas dá-nos um custo de 2,15 euros por cada 100 km. O seu irmão Hybrid não consegue um valor tão interessante. Assumindo um consumo de 4,5 litros/100 km e um custo de 1,46 euros/litro (gasolina 95) chegamos a um valor menos simpático: 6,57 euros do Hybrid contra 2,15 euros do Electric. Mas não te esqueças que o Electric custa mais 8.600 euros e esse valor dá para “comprar” mais de 150.000 km de autonomia.

Claro que é injusto para o Electric compará-lo com o Hybrid apenas com base no custo de aquisição e custo por cada 100 km.

A derradeira “cartada” do Electric pode ser os custos de manutenção mais reduzidos. O motor elétrico de 120 cv e 295 Nm de binário máximo não necessita virtualmente de qualquer tipo de manutenção. Já não podemos dizer o mesmo do motor de combustão do Ioniq Hybrid ou Plug-in.

Além do mais, há coisas que não têm preço. Nomeadamente o silêncio de rolamento e aquele «kick» instantâneo dos motores elétricos – principalmente no trânsito urbano.

Hyundai Ioniq Electric
Preocupado com a autonomia? Há sempre indicações para o posto de carregamento mais próximo.

O grande problema do Hyundai Ioniq Eletric é mesmo a autonomia, pouco mais de 200 km em condições de utilização «normal». Há um gráfico (entre uma panóplia de tantos outros) muito interessante que nos estabelece (através de circunferências no ecrã do sistema de navegação) limites até onde é que conseguimos ir com a carga disponível.

Uma funcionalidade que apazigua o espirito daqueles que, como eu, vivem com receio de ficar sem carga.

Conclusão

O Hyundai Ioniq é um modelo que em qualquer versão (seja Hybrid, Plug-in ou Electric) oferece níveis de conforto, performance e equipamento a par (ou melhor ainda) que a concorrência – estamos a falar por exemplo do Toyota Prius.

Durante uma semana foi uma confusão com as chaves (todas iguais!)

Como podemos constatar, a pergunta “qual é o melhor Hyundai Ioniq para ti?” é uma questão a que só tu poderás responder.

Se a autonomia não é um problema, o Ioniq Electric poderá ser a melhor escolha a longo prazo. Se cumpres trajetos diários de curta distância o Ioniq Plug-in também é uma opção a ter em consideração. Mas de todos, aquele que nos parece conseguir um melhor compromisso é mesmo o Hyundai Ioniq Hybrid. A diferença de 8.600 euros faz isso mesmo… toda a diferença.

Para empresas, há outros benefícios a ter em conta: a aquisição de veículos elétricos permite deduções em sede de IRC, sendo que este tipo de viaturas estão isentas de tributação autónoma. Já no caso dos veículos híbridos plug-in, está determinada uma redução no ISV de até 562,50€. Estes beneficiam ainda de um Imposto Único de Circulação (IUC) mais baixo, entre 7,91€ e 35,87€, e não pagam estacionamento em algumas cidades.

Por esta altura, também já deverá ter esgotado o incentivo de 2.250 euros, atribuído pelo Estado à aquisição de veículos elétricos. Um incentivo limitado às primeiras mil pessoas a apresentarem um comprovativo de compra de um carro elétrico desde 1 de janeiro de 2017.

Hybrid Plug-in Electric
Motor de combustão 1.6 GDI (108 cv) 1.6 GDI (108 cv) N.D
Motor elétrico 43 cv 43 cv 120 cv
Caixa DTC Sim Sim Não
Bateria 1,5kWh 8,9kWh 28kWh
Preço 29.900€ 38.500€ 38.500€

Disto isto, talvez numa próxima geração, em que a autonomia do Ioniq Eletric seja maior e o custo de aquisição mais baixo, o resultado deste comparativo seja diferente. Mas para já, o Batman (motor de combustão) ainda continua a ser o grande protagonista num mercado automóvel em rápida (e constante) mudança.

Hyundai IONIQ

Mais artigos em Testes

Os mais vistos

Pub