A Honda comprou, cortou e destruiu um Ferrari 458 Italia para desenvolver o novo NSX

Até onde é que a Honda esteve disposta a ir para desenvolver o novo Honda NSX? Até muito longe. Talvez demasiado… ao ponto de destruir um Ferrari 458 Italia em nome do desenvolvimento do seu novo desportivo.

Não foi só um Porsche 911 GT3 e um McLaren MP4-12C que a Honda adquiriu para comparar, desenvolver e retirar ensinamentos para aplicar no novo NSX. De acordo com vários sites internacionais citando fontes da marca, a Honda também adquiriu um Ferrari 458 Italia. À semelhança dos outros dois desportivos, também o exótico modelo italiano serviu de objeto de estudo para melhorar e acelerar o desenvolvimento do NSX.

Agora uma pergunta para queijinho: sabendo que o Honda NSX é uma complexa máquina híbrida, que raio é que os engenheiros da Honda queriam aprender com um superdesportivo equipado com um motor V8 atmosférico!?

honda nsx ferrari 458

Segundo as mesmas fontes, a maior curiosidade dos engenheiros da Honda não residia no motor, nem sequer no esquema de suspensões. Residia em algo muito mais complexo: no chassis italiano. Fabricado com recurso a avançadas técnicas de manipulação do alumínio, o chassis do 458 foi sempre muito elogiado pela crítica, pelo seu feedback e precisão, até à chegada do 488 GTB. Recordamos-te que a Ferrari é dona de um vasto know-how na manipulação deste material.

A NÃO PERDER: Com saudades dos desportivos dos anos 90? Este artigo é para ti

Desenvolver um chassis rígido e ao mesmo tempo capaz de transmitir feedback ao condutor através de pontos de deformação controlada não é uma tarefa fácil, e a Honda apesar de ter dos melhores técnicos do mundo nesta área – muito por culpa do programa de desenvolvimento do departamento HRC que desenvolve motas de competição – ainda assim  achou que podia aprender algo mais com o seu rival europeu. Daí que não estiveram com meias medidas e alegadamente cortaram um Ferrari 458 Italia aos bocados para análise de todas as secções em alumínio – mas não sem antes levarem a cabo alguns testes dinâmicos, claro…

Os restos mortais que sobraram desta jóia de Maranello foram alegadamente deitados para o lixo e jazem algures nas instalações do departamento de pesquisa e desenvolvimento (R&D) da Honda. Provavelmente já foram todos incenerados, uma prática recorrente nas instalações da marca nipónica – principalmente com carros de competição. Tirando os exemplares que vão para os museus da marca, a maioria dos modelos de competição e protótipos de desenvolvimento pela Honda são destruídos para preservar os segredos tecnológicos da marca. Triste não é? Nós prometemos não dizer nada a ninguém…

Segue a Razão Automóvel no Instagram e no Twitter

Mais artigos em Notícias

Os mais vistos

Pub