Recharge No modo Recharge está a reduzir a sua pegada ecológica.

Obrigado por guardar energia para o que mais importa.

Uma iniciativa
x

Recharge

Estamos a guardar energia para o que mais importa.

Uma visita ao museu da SEAT: os principais modelos da história da marca

A propósito da apresentação do Museu Digital da Seat, que decorreu na mítica nave A-122, tivemos a oportunidade de conhecer os modelos mais importantes da marca espanhola.

Começando nos primeiros familiares, passando pelos protótipos e terminando nos desportivos de competição, a nave A-122 em Barcelona guarda cerca de 300 modelos da Seat, todos restaurados e cada um com uma história especial, nesta que é descrita pela marca como uma “união entre o passado e o futuro”.

VEJAM TAMBÉM: Estes são os objetivos da SEAT até 2025

Neste espaço, os engenheiros da marca trabalham diariamente na recuperação de veículos históricos. Estes são alguns dos mais importantes:

Seat 1400 (1953)

SetRatioSize900650-SEAT-1400

Três anos depois da fundação da Sociedad Española de Automóviles de Turismo, a marca espanhola lançou finalmente o seu primeiro modelo de produção, numa estreia absoluta da nova fábrica na Zona Franca – uma conhecida área industrial em Barcelona. Fruto do contrato de parceria entre a Fiat, o governo e a banca espanhola, o modelo de quatro portas baseava-se no Fiat 1400.

A primeira versão do Seat 1400 surgiu equipada com um motor de 4 cilindros em linha com 44 cv às 4.400 rpm, enquanto que a potência era transmitida às rodas traseiras com uma caixa manual de quatro velocidades. Durante os 11 anos de produção, o Seat 1400 serviu maioritariamente para fornecer as frotas dos ministérios e serviços públicos de Espanha.

Seat 600 (1957)

seat 600

Em 1957, a Seat lançava o seu segundo carro, que tal como grande parte dos modelos espanhóis produzidos até 1982, foi desenvolvido sob alçada da Fiat. A principal diferença em relação ao modelo italiano – Fiat 600 – era o motor em posição traseira e tração à retaguarda.

Além de ser um modelo compacto, minimalista e utilitário, o Seat 600 tinha um preço bastante acessível (65 mil pesetas), factor que contribuiu para a sua enorme popularidade. De facto, o sucesso foi tal que há quem diga que o Seat 600 foi determinante no processo de recuperação da economia espanhola (“el milagro español”) – Isidre Lopez Badenas, responsável pela Seat Historical Cars, apelidou-o de “o Carocha dos espanhóis”… Está tudo dito, não está?

Seat 850 (1966)

seat 850

Originalmente disponível apenas na versão de duas portas, a importância do Seat 850 na história da marca espanhola prende-se pelo facto de ter inaugurado a primeira família de veículos na marca. Em 1967, a Seat lançou a versão de quatro portas e uma versão coupé, o primeiro Seat com travões de disco dianteiros.

Dois anos depois, chega ao mercado o muito especial 850 Sport Spider, um descapotável de dois lugares desenhado pela Carrozeria Bertone que abriu caminho para as futuras variantes desportivas dos modelos da Seat.

Seat 124 Sport (1970)

seat-124-sport-

Baseado no seu homónimo italiano lançado três anos antes, o Seat 124 Sport destacou-se por ser o primeiro Seat com caixa de cinco velocidades e motores de 1608 cc com 110 cv. Por isso, não é de estranhar que o 124 Sport tenha sido também o primeiro modelo espanhol a atingir os 160 km/h de velocidade máxima, além de ter uma dinâmica invulgar e uma boa distribuição de peso.

Seat Papamóvil (1982)

IMG_1067_edited

Em 1982, o líder mundial da Igreja Católica João Paulo II realizou uma visita oficial a Espanha. Devido às elevadas dimensões do veículo oficial do Vaticano da época, a organização solicitou à Seat que produzisse um carro compacto, capaz de entrar na portas do estádio Camp Nou (em Barcelona), mas sem comprometer a segurança.

Como seria de esperar, a marca espanhola correspondeu à chamada e desenvolveu o seu próprio “papamobile” em apenas 15 dias, com base no Seat Panda.

Seat Ronda (1982)

Seat_Ronda

Porque motivo um pequeno compacto familiar, cuja produção durou apenas entre 1982 e 1986, atingiu tanta importância na colecção de clássicos da Seat? De facto, este não foi propriamente o modelo mais valioso a nível comercial, mas o seu contributo para a projecção da Seat para a Europa foi determinante.

O Seat Ronda foi o primeiro veículo produzido pela marca espanhola sem o envolvimento da Fiat. Contudo, este modelo era uma versão redesenhada do Fiat Ritmo, o que levou a que a marca italiana instaurasse uma acção judicial contra a Seat. Para clarificar a situação, Juan Miguel Antoñanzas, presidente da Seat, exibiu à imprensa uma versão do Ronda com os componentes que o diferenciavam do Fiat Ritmo pintados a amarelo.

Seat Ibiza (1984)

seat ibi

No Salão de Paris de 1984, a Seat revelou ao mundo o modelo que iria marcar para sempre a sua história. Robusto, com um interior espaçoso e linhas retas, o Seat Ibiza surgia equipado com um motor de 4 cilindros em linha, carburador Weber e mecânica com assinatura da Porsche – características que desde logo fizeram furor junto do público.

A primeira geração do Seat Ibiza tinha a difícil tarefa de seduzir os consumidores além das fronteiras espanholas. Difícil, mas não impossível, e como tal, este modelo fez disparar a internacionalização da marca. Com 32 anos, quatro gerações e cinco milhões de unidades vendidas, o Seat Ibiza ganhou (merecidamente) o estatuto de cartão de visita da marca espanhola.

Seat Toledo Podium (1992)

seat toledo podium

No verão de 1992, o mundo inteiro esteve de olhos postos em Barcelona, para a realização dos Jogos Olímpicos. Como principal (e única) marca automóvel do país anfitrião, a Seat associou-se ao evento, e por isso, a grande maioria dos táxis que circularam na cidade durante as Olimpíadas foram modelos SEAT Toledo, o primeiro modelo que a marca lançou como parte do grupo Volkswagen.

Mas o envolvimento da Seat nos Jogos Olímpicos não se ficou por aí. O SEAT Toledo Podium, uma variante luxuosa da berlina espanhola, foi oferecida a cada um dos 22 atletas espanhóis medalhados nos Jogos Olímpicos. Além disso, a marca desenvolveu igualmente uma versão elétrica – SEAT Toledo Olímpico – que ficou responsável por escoltar a tocha olímpica até ao estádio Montjuïc e de acompanhar os atletas participantes na prova da maratona.

Seat Léon (2012)

seat leon

Mais recentemente, a Seat deu um passo importante para o futuro, não só com o lançamento da 3ª geração do Seat León – modelo que surgiu em 1999 como uma evolução da 2ª geração do Toledo – mas também com a introdução do novo logótipo da marca.

O Seat León (Mk3) marca um novo capítulo na marca espanhola, aliando o espírito dos modelos clássicos que marcaram a sua história a uma visão moderna com os olhos postos no futuro. De 5 carros por dia, a Seat passou a fabricar 1200 unidades diárias, estabelecendo-se como um das maiores fabricantes da indústria automóvel.

Segue a Razão Automóvel no Instagram e no Twitter

Mais artigos em Notícias