O que vai ser do futuro dos carros não autónomos? Elon Musk responde

Para o patrão da Tesla, dentro de 20 anos, ter um carro convencional será como ter um cavalo. A condução de carros não autónomos será mais ou menos como praticar hipismo.

Leram a crónica do Guilherme Costa na semana passada? Elon Musk partilha da mesma opinião. Na conferência dos lucros trimestrais dos acionistas da Tesla, um jornalista questionou Elon Musk acerca da sua visão sobre os carros 100% autónomos. A resposta foi a seguinte:

“Estou, em direto, a afirmar que todos os carros vão acabar por ser totalmente autónomos a longo prazo. Acho que vai ser bastante incomum ver carros que não têm plena autonomia. Esta nova linha de produção de carros autónomos não tardará a dominar a industria automóvel num período de 15 a 20 anos. E para Tesla vai ser muito mais cedo do que isso.  Na medida em que os carros que estão a ser produzidos têm plena autonomia, é consequente que os carros que não têm plena autonomia desvalorizem. Vai ser como possuir um cavalo, em que realmente o temos por razões sentimentais.”

Talvez não sejam estas as palavras que nos transmitam mais alento. Mas com a Tesla a apostar forte na condução autónoma, com o recente lançamento de Tesla Autopilot Beta, é difícil saber até que ponto isto não é uma estratégia de Marketing do CEO.

RELACIONADO: Google quer ensinar carros autónomos a conduzirem como humanos

Bem, Musk também disse que pretende morrer em Marte – o que nos leva a crer que a lista de aspirações do CEO da Tesla têm tanto de fantasia como de fundamento. Já que ele espera que o volante desapareça no período de 20 anos, vamos ao menos rezar para que isso seja sinónimo de mais autódromos para gastar pneus desregradamente, sem limites de velocidade, onde possamos, de futuro, ir passear os nossos ‘cavalos de quatro rodas’.

Segue a Razão Automóvel no Instagram e no Twitter

Mais artigos em Notícias

Os mais vistos