Cactus M: a Citroën quer o retro para o futuro e vai inspirar-se aqui

No Salão Automóvel de Frankfurt o Citroën Cactus M brilhou entre as inúmeras estrelas. É um ‘concept-car’, ou um ‘retro-car’ se preferirem, que se inspirou na harmonia das linhas desactualizadas, escondendo discretamente detalhes tecnologicamente modernos.

O automóvel superou todas as expectativas na cidade alemã, digamos mesmo que foi um fenómeno no segmento em que se insere. Mas temos duas notícias: uma má e uma boa. Vamos começar pela má: a Citroën não vai abrir uma linha de produção para Cactus M (chorámos todos aqui na redação). A boa é que grande parte do seu DNA “retro-inovador” vai ser utilizado na concepção de modelos futuros (já esboçámos um sorriso).

A inspiração para o Cactus M partiu de um profundo romance com os  sixties e traduz-se em três palavras: conforto, bem-estar e lazer. O modelo inspirador foi o Citroën Mehari, lançado em 1968.

Quem sonhou com o Cactus M, concebeu-o como um “veículo a céu aberto” e de apenas duas portas revestidas dos já famosos airbump (sinceramente, apetece-nos trincar o Cactus M), uma espécie de segunda pele capaz de resistir a pequenos choques, à água salgada e à areia caso o queiramos “levar ao surf”. Para não subsistirem dúvidas, a Citroën lembra que o Cactus M não tem tejadilho nem vidros laterais ou traseiros.

RELACIONADO: Citroën Cactus M é o novo Mehari

O carro vem equipado com o sistema Grip Control, que se adapta às irregularidades do terreno pelo controlo das rodas dianteiras e a solução encontrada para a capota de lona merece igualmente a nossa atenção. Esta pode transformar-se numa tenda para duas pessoas e o sistema basculante que move o banco traseiro aumenta as dimensões da bagageira.

A marca francesa escolheu um motor a gasolina PureTech com 110 cv, caixa automática de 6 velocidades e pneus Bridgestone Tall & Narrow de 19 polegadas que em tudo ajudam ao seu carácter irreverente e “off-road”.

Desta vez a Citroën preferiu preocupar-se com o lifestyle e apostou num design banhado a cores fora do comum, ao invés de tentar competir com a aparência futurista e com a tecnologia state of the art das outras marcas. Assim, há garantidamente um lugar para a autenticidade, não acham? Se têm dúvidas vejam as imagens.

Segue a Razão Automóvel no Instagram e no Twitter

Mais artigos em Notícias

Os mais vistos