A vida é demasiado curta para ser ‘de origem’

Um documentário que vai direto ao coração de todos aqueles que passam horas a melhorar os seus carros. Grandes máquinas ou máquinas modestas, não interessa.

Quem lê a Razão Automóvel sabe que vivemos o automóvel intensamente, dos mais modestos aos mais entusiasmantes. Conduzir precisa-se, escrevi há algumas semanas – entre outros artigos que que espero que vos faça regressar ao nosso local do crime. O vídeo que colocámos em destaque é mais um desses apelos ao lado apaixonante do automóvel.

“Talvez este artigo faça essas pessoas entenderem melhor as ‘manias’ de quem faz do óleo do motor o seu creme hidratante – não só das mãos mas também da alma.”

Para muitos de vocês, não será fácil explicar a quem não respira automóveis, o porquê de gastar rios de dinheiro num projeto que está destinado a ficar inacabado.

Afinal de contas, a perfeição raramente é atingida e há sempre alguma coisa que pode ser melhorada, não é? As jantes, a cor, o interior… já para não falar do motor! Talvez este artigo faça essas pessoas entenderem melhor as ‘manias’ de quem faz do óleo do motor o seu creme hidratante – não só das mãos mas também da alma.

Para quem não respira o mesmo ar que nós, a coisa ainda fica mais confusa quando lhes explicamos que sabemos muito bem que quando eventualmente a separação for consumada através de um anúncio de venda na internet, ninguém nos vai pagar o dinheiro que gastámos no carro e acima de tudo, não há nada que pague as horas fechados na garagem.

Ainda assim, voltamos a repetir a receita, uma e outra vez. Aquelas ‘férias’ por aquela ‘peça’, não é? E porquê? Porque talvez como diz este vídeo “a vida é demasiado curta para ser ‘de origem'”.

“This place… it’s all too familiar. It’s where you’ve spent the last 4 sleepless days wrenching, breaking your knuckles, and pouring your heart and soul into your passion. And all for what? This?
It’s no secret that our idea of perfection is not in some advertisement, in a fuel economy number, or a comfortable ride with trunk space. We see a canvas. One that becomes a unique work of art.

There are few people that have an understanding of what it’s like to flirt with the line between genius and insanity. We’re often misunderstood, and we like it that way, it’s what makes it… special.

For some it’s the drive. Others it’s the build. However we give it soul and bring it to life
This lifestyle isn’t something we expect to be understood. It’s a unique language that exists between us. Which is spoken through style, grip, and horsepower. Isn’t it obvious…? life is too short to stay stock.”

Confesso que em 90% dos casos olho com desconfiança para as alterações que muitos proprietários levam a cabo nos seus automóveis – gostos são gostos, nada contra. Nos restantes 10% sou capaz perder horas a ouvir os mais ínfimos detalhes do processo de restaurou ou melhoramento. A afinação das suspensões, a mudanças internas no motor ou até as dores de cabeça com a parte elétrica.

Goste-se ou não do tuning, é sem dúvida uma forma intensa de viver os automóveis. Eu prefiro a competição, que também é uma forma de tuning mas menos centrada no gosto pessoal e totalmente focada no cronómetro. Que triste era o mundo automóvel se todos gostássemos do mesmo. E tu? Do que é que gostas, deixa-nos o teu testemunho no nosso Facebook.

sentido da vida

Segue a Razão Automóvel no Instagram e no Twitter

Mais artigos em Opinião

Os mais vistos

Pub