Recharge No modo Recharge está a reduzir a sua pegada ecológica.

Obrigado por guardar energia para o que mais importa.

Uma iniciativa
x

Recharge

Estamos a guardar energia para o que mais importa.

Porque é que as gestoras de frota estão tão optimistas acerca do renting?

Os motivos que levam as empresas a optar pelo renting, em mais um artigo de mercado da Fleet Magazine para a Razão Automóvel.

Um encontro recente, onde estiveram presentes uma boa parte das gestoras de frota nacionais, incluindo a novíssima VW Bank, veio mostrar que o renting está bem de saúde e recomenda-se. Aliás, as próprias gestoras é que o recomendam como o melhor produto de financiamento nestes tempos conturbados. Já não é a primeira vez que o fazem, mas a questão é: porquê apostar neste modelo em vez de outro?

Embora muitas vezes se pense nos carros de empresa como benefícios sem qualquer justificação para os colaboradores, a verdade é que nenhuma empresa hoje em dia atribui viaturas sem ter uma razão bem justificada para o fazer.

As empresas precisam de carros para funcionar. Se é uma empresa farmacêutica, precisa de viaturas para os seus delegados de propaganda médica (que, já agora, chegam a fazer 50 mil quilómetros por ano). Se é uma empresa de consumíveis , precisa de uma frota comercial para chegar aos seus clientes.

A PT tem carros para os seus comerciais e técnicos de apoio. Os CTT têm uma frota para entrega de correio. Estes são os exemplos mais óbvios, dirão. Sim, mas se fossem gestores de uma empresa e tivessem que optar entre atribuir um carro ou pagar o mesmo valor em ordenado, sujeito às tributações acrescidas que daí vêm, o que é que faria?

Como as empresas precisam dos carros, têm que os comprar. E, como as empresas não são nem querem ser especialistas em comprar e gerir viaturas, entregam esse serviço a outras entidades: as gestoras de frota.

Há duas questões que fazem com que estas entidades sejam cada vez mais procuradas e, como tal, também o renting. Uma delas tem a ver com o valor de renda fixo, que inclui ainda serviços. A outra, e mais importante, está relacionada com o risco.

As empresas não querem que os seus carros parem. Se um vendedor da minha empresas for responsável por uma faturação média de 200 euros diários, em cada dia que o carro está parado são menos 200 euros que factura. Se se tratar de uma pessoa com responsabilidades de um qualquer serviço, ainda tem que pagar os prejuízos decorrentes dessa falta de serviço. O renting, ou aluguer operacional, garante que esse risco não está tão presente.