A Apple vai mesmo fazer um carro?

A maior notícia dos últimos dias foi o rumor de que a Apple está a pensar fazer um carro. Digo rumor porque não foi confirmado. Mas foi uma notícia de tal forma importante que abafou completamente os pré-lançamentos que começaram a ser anunciados para o Salão de Genebra.

Sabe-se desde sempre que Steve Jobs queria que os produtos da Apple formassem um ecossistema que fizesse depender cada vez mais os utilizadores dos seus produtos.

Apesar do rumor não ter sido confirmado, há três factos importantes que fizeram com que ele surgisse:

1. A Apple tem uma equipa a trabalhar no desenvolvimento de qualquer coisa relacionada com o sector automóvel. Conhecem-se até algumas empresas onde a marca foi contratar e há um nome de código para este possível projeto: Titan. Nas contratações de peso estão o anterior vice-presidente da Ford, Steve Zadesky ou o ex-CEO da Mercedes-Benz Research & Development Johann Jungwirth. Uma das pessoas que se senta no board da Apple está também no conselho de administração da Ferrari. O próprio CEO da Tesla já confessou que a Apple tem andado atrás dos seus colaboradores, prometendo bónus de 250 mil dólares e aumentos salariais de 60%.

2. Os pormenores relacionados com o carro já são conhecidos. A propulsão deverá ser elétrica e poderá ser um minivan. «Minivan» aqui é uma forma de dizer – o formato de monovolume é o mais explorado pelas empresas que querem revolucionar o automóvel, principalmente por causa das suas capacidades de conforto. Se pensarmos ainda que uma das próximas rupturas tecnológicas da indústria automóvel é a condução autónoma, o carro deve ser mais uma sala do que um cockpit. E daquilo que conhecemos para já, a configuração mais aproximada é o monovolume.

3. E finalmente, o dinheiro. Com resultados recorde no ano passado, a Apple pode investir facilmente no desenvolvimento de um carro. Para vermos até que ponto isto é possível, vamos falar de números: o custo de montar uma linha de montagem é de cerca de dois mil milhões de euros (a Autoeuropa, em Palmela, custou 1970 milhões). O capital disponível do fabricante do iPhone é neste momento de 178 mil milhões de euros.

apple car titan 10

No entanto, há quem esteja bastante céptico acerca da possibilidade da Apple vir a fazer um carro. O mais aproximado que já vimos disso é a Tesla. A entrada de um novo fabricante como a empresa de Cupertino só faria sentido se fosse apoiada em inovação tecnológica e design, os grandes vectores que têm contribuído para o seu sucesso. Foi o que fez a Tesla.

Mas os números esperados são demasiado pequenos para uma empresa como a Apple. Como está explicado aqui neste artigo, além do pequeno volume, há ainda as margens de lucro. A Tesla, neste momento, convém lembrar, dá prejuízo e irá ser assim até 2020 . Por outro lado, a expetativa de retorno também é muito baixa. Porque é que a Apple iria investir num negócio com margens tão baixas quando está habituada a produtos que são cada vez mais rentáveis à medida que passa o tempo?

A empresa já tem um produto para o sector automóvel: o CarPlay. Sabe-se desde sempre que Steve Jobs queria que os produtos da Apple formassem um ecossistema que fizesse depender cada vez mais os utilizadores dos seus produtos. A “guerra” com a Adobe, com o Flash, foi uma das faces visíveis dessa estratégia. O iTunes foi uma tentativa (ganha) para liderar o mercado do download legal de música.

Os carros estão a trazer cada vez mais sistemas operativos de outras empresas com mais experiência na utilização, como a Google e a Microsoft. Não será esta a guerra que a Apple quer comprar?

Não deixe de nos seguir no Facebook

Imagens: Franco Grassi

Mais artigos em Notícias