Indústria

Carlos Ghosn. Presidente da Aliança Renault-Nissan-Mitsubishi foi detido

Carlos Ghosn, "chairman" e CEO da Aliança Renault-Nissan-Mitsubishi foi detido por suspeita de evasão fiscal (em atualização)

Carlos Ghosn, chairman e CEO da Renault, da Aliança Renault-Nissan-Mitsubishi, chairman da Nissan e Mitsubishi Motors, foi detido esta segunda-feira por suspeita de evasão fiscal, juntamente com o diretor representante Greg Kelly.

De acordo com um comunicado da Nissan, após uma denúncia interna, deu-se início a uma investigação de meses, revelando que “durante muitos anos, tanto Ghosn e Kelly têm declarado valores de compensação nos relatórios à Bolsa de Valores de Tóquio, inferiores ao real, de modo a reduzir a compensação declarada de Ghosn.”

O comunicado refere ainda que, relativamente a Carlos Ghosn, que “outros atos numerosos e significativos de má conduta foram revelados, como o uso pessoal de bens da empresa, confirmando também o envolvimento profundo de Greg Kelly”.

VÊ TAMBÉM: Aliança Renault-Nissan-Mitsubishi garante poupanças de 5,7 mil milhões

A Nissan, ainda em comunicado, está a colaborar com o Ministério Público japonês. A Nissan, através do seu CEO Hiroto Saikawa, propõe agora à administração a destituição imediata de Ghosn e Kelly dos seus cargos.

Impacto

A notícia da detenção de Carlos Ghosn está a criar forte impacto não só nos construtores envolvidos como na indústria.

Ghosn é uma das figuras incontornáveis e mais influentes na indústria automóvel. Após assumir o cargo de liderança na Renault em 1996, trouxe-a de volta aos lucros, salvou a Nissan da ruína, formando uma aliança entre os dois construtores em 1999, o que originou um dos gigantes automóveis atuais — que cresceu em 2017 com a adição da Mitsubishi.

Naturalmente o valor das ações da Renault e Nissan estão em queda livre após esta notícia, com quedas de 15% e 11% respetivamente.

No mais breve dos comunicados, a Renault através de Philippe Lagayette, como diretor independente da marca, em ligação com Marie-Annick Darmaillac e Patrick Thomas, do Comité da Administração, declaram ter tomado conhecimento do comunicado da Nissan e aguardam por informações precisas de Carlos Ghosn. Todos os diretores expressam a sua dedicação em defesa da Renault na Aliança, com reunião da administração da Renault para muito breve.

Notícia em atualização.

Fonte: Nissan

 

Mais artigos em Notícias

Os mais vistos