Apresentação

PHEV chegam à Kia pelas mãos do Kia Niro e Optima

A Kia vai lançar 14 modelos até 2020, entre automóveis híbridos, elétricos e a fuel cell, demonstrando a sua visão para o futuro. Para já chegam os primeiros PHEV.

A Kia tem vindo a ganhar notoriedade depois de um forte investimento na qualidade, no design, e no handling dos seus modelos. Isso tem significado um crescimento importante e significativo. O valor de mercado da marca subiu, posicionando-se agora na 69ª posição, e alguns estudos têm revelado que a sul-coreana é a Nº1 no que diz respeito a qualidade.

Outra aposta forte tem sido o lançamento de novos modelos, com uma vasta gama que abrange a maioria dos segmentos. Algumas, como é o caso do Niro, com soluções de mobilidade alternativas, ganhando agora uma versão PHEV, juntamente com a Optima.

RELACIONADO: Kia Stinger. Ao volante do modelo mais ambicioso de sempre da Kia.

Até 2020 está previsto o lançamento de mais 14 modelos, entre híbridos, elétricos e a fuel cell. Ao mercado chegam agora duas propostas híbridas plug-in (PHEV – Plug-in Hybrid Eletric Vehicle), segmento que cresceu em 2017 cerca de 95%. O Optima PHEV e o Niro PHEV já estão disponíveis e caracterizam-se pelas baterias de maior capacidade, assim como pela possibilidade de as carregar numa tomada e não apenas em andamento. Como principais vantagens deste tipo de solução estão os incentivos fiscais, os consumos, as eventuais zonas exclusivas e claro, a consciência ambiental.

Optima PHEV

O Optima PHEV, disponível na versão berlina e carrinha, caracteriza-se por uma ligeira alteração no design, com pormenores a favorecerem o coeficiente aerodinâmico, com defletores de ar ativos incluídos na grelha bem como jantes específicas. A combinação do motor 2.0 Gdi a gasolina de 156 cv e o elétrico com 68 cv, gera uma potência combinada de 205 cv. A autonomia máxima anunciada em modo elétrico é de 62 km, enquanto o consumo combinado é 1,4 l/100 km com emissões de CO2 de 37 g/km.

RELACIONADO: Kia Optima Sportswagon 1.7 CRDi GT Line: espaço com trunfo

No interior destaca-se apenas o modo de ar condicionado específico, que permite que este funcione apenas para o condutor, optimizando os consumos. Todo o equipamento que caracteriza o modelo mantém-se presente na única versão disponível para o PHEV, com caixa automática de seis velocidades.

O Optima PHEV berlina tem um valor de 41 250 euros e a Station Wagon 43 750 euros. Para empresas 31 600 euros + IVA e 33 200 euros + IVA respetivamente.

Niro PHEV

O Niro foi concebido de raiz para acoplar soluções de mobilidade alternativas. Ao híbrido, junta-se agora esta versão PHEV, sendo que o futuro prevê ainda uma versão 100% elétrica do modelo. Com um ligeiro aumento nas dimensões, a nova versão ganha um flap activo na zona inferior, cortinas de escoamento lateral, spoiler traseiro específico – tudo para melhorar a aerodinâmica. O motor 1.6 Gdi de 105 cv aqui apresenta-se com uma caixa automática de dupla embraiagem com seis velocidades e está combinado com um propulsor elétrico de 61 cv, gerando uma potência combinada de 141 cv. Anuncia 58 km de autonomia em modo 100% elétrico, 1,3 l/100 km de consumo combinado e 29 g/km de CO2.

RELACIONADO: Kia Niro 1.6 GDI HEV: testámos o primeiro híbrido da Kia

Mantém-se todo o equipamento de topo, assim como as duas tecnologias inovadoras, o Coasting Guide e o Predective Control, que através do sistema de navegação permitem uma poupança significativa, otimizando a carga da bateria e informando previamente o condutor de mudanças de direção ou alterações do limite de velocidade.

O Kia Niro PHEV tem um valor de 37 240 euros, ou 29 100 euros + IVA para empresas.

Ambos os modelos carregam na totalidade em três horas num posto de carregamento público e entre seis a sete horas numa tomada doméstica. Todos incluem a habitual campanha de lançamento e a garantia de sete anos da marca que inclui as baterias. Com um enquadramento fiscal que favorece particulares e empresas, estes novos modelos PHEV poderão deduzir a totalidade do IVA, e a taxa de tributação autónoma é de 10%.

Mais artigos em Notícias