Gumball 3000

Como construir um Renault 4L… com motor V6 e tração traseira

Tenho sentimentos mistos relativamente a este projeto. Por um lado nasceu um Renault 4L «vitaminado», por outro morreu um Renault Clio V6 totalmente funcional.

Se há um modelo acarinhado por todos os portugueses, esse modelo é o Renault 4L. A probabilidade do teu avô, ou pai, ter tido uma é elevadíssima. Se nunca pensaste pelo menos uma vez na vida na possibilidade de ter um Renault 4L “até gostava de ter um Renault 4L” das duas uma: ou não és português ou não gostas de automóveis.

A Renault 4L era prática, fiável, acessível e absurdamente confortável. Entre nós, ganhou a alcunha de «jipe dos pobres» devido à capacidade que tinha de enfrentar caminhos de terra. Do ponto de vista dinâmico, bem… era uma Renault 4L. O rolamento da carroçaria era substancial − no mínimo.

É por todos este motivos que ficámos absolutamente boquiabertos com este Renault 4L 3000.

Quem é que teve esta ideia?

Foi a Ecurie, uma empresa de consultoria especializada em lifestyle e redes sociais. Imagino que os fundadores da empresa não consigam dizer isto sem se desmancharem a rir. Deve ter sido a forma respeitável de explicarem o que fazem sem dizer algo como “vamos para uma garagem e fazemos cenas… lol”.

Qual foi o objetivo?

O objetivo foi criar um modelo absolutamente único para participar naquele evento motorizado, multicultural e abrangente, que se chama Gumball 3000 − vocês sabem muito bem que o Gumball não é nada disto…

Este modelo tinha de ser rápido, exclusivo e aguentar maus tratos desde Londres até Belgrado. A escolha parece-nos óbvia… tudo menos um Renault 4L.

Nasceu o Renault 4L 3000

Foi a partir da plataforma de um Renault Clio V6, um carro que de Clio só tem mesmo o nome, os faróis e meia dúzia de peças, que nasceu a Renault 4L 3000.

As modificações operadas no pequeno Renault Clio para receber o motor V6 de 255 cv em posição central foram tão extensas que a equipa de engenharia praticamente desenvolveu um chassis do «zero». Quanto à Renault 4L 3000, esta aproveitou todos os componentes mecânicos do Clio V6. Do Renault 4L original só se aproveitou mesmo alguns painéis da carroçaria.

A NÃO PERDER: O dia em que falei com o CEO da Audi sobre carros voadores

O que até faz sentido tendo em consideração que se trata de um Renault 4L capaz de atingir os 243 km/h e cumprir os 0-100 km/h em seis segundos.

Sentimentos mistos

O resultado final é interessante, estamos todos de acordo. Mas sacrificar um Renault Clio V6 em nome de um capricho − ainda que espetacular − custa-me. Vejam os vídeos do processo de transformação, caso vos passe uma ideia semelhante pela cabeça:

VÊ TAMBÉM: Estes Honda Civic Type R foram todos destruídos. Porquê?

Mais artigos em Notícias